Fonte: OpenWeather

    ANTES DA PANDEMIA


    Indústria do AM tem o penúltimo pior resultado do país em fevereiro

    Setor apresentou queda de 2,2% no seu desempenho frente a janeiro, antes da crise criada pela pandemia

    Fabricação de bebidas e de máquinas e equipamento estavam entre as poucas atividades com resultado positivo | Foto: Arquivo Em Tempo

    Manaus  - Antes mesmo das medidas de isolamento social tomadas como forma de combate a disseminação do novo coronavírus (Covid-19), a indústria amazonense registrou, em fevereiro de 2020, queda de 2,2% na comparação com janeiro deste ano, um resultado bem abaixo da média nacional que foi de 0,5%, de acordo com a pesquisa da Produção Industrial Mensal, divulgadas nesta quarta-feira (8), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    No comparativo com fevereiro de 2019, a queda foi de 3,0%. No acumulado do ano, que compara com o mesmo período do ano anterior, houve crescimento de 0,8%, já o desempenho dos últimos doze meses, em fevereiro de 2020, ficou em 4,7%.

    O recuo no desempenho da indústria amazonense de menos 2,2%, em fevereiro, diante do mês anterior, colocou o Amazonas na penúltima posição em relação às outras unidades da federação. Os piores desempenhos ficaram por conta: da Bahia com -3,2%, Amazonas com -2,2% e Rio de Janeiro com 1,0%. E os melhores ficaram por conta: do Pará com 7,2%, Espírito Santo com 5,9% e Pernambuco com 4,5%.

    A queda de 3,0% da indústria amazonense em fevereiro de 2020 em relação ao mesmo mês do ano anterior colocou o Amazonas na 11ª posição entre as 14 unidades da federação investigadas. Os piores desempenhos ficaram por conta: de Minas Gerais com -6,3%, do Espírito Santo com -4,5%%, e Pará com -3,1%. E os melhores ficaram por conta: de Pernambuco com 12,3%, Rio de Janeiro com 9,7% e Pará com 7,5%.

    A indústria amazonense em dois meses de 2020 cresceu 0,8% em relação ao mesmo período do ano anterior. Esse desempenho colocou o estado do Amazonas na 7ª posição entre as outras unidades da federação. Os piores desempenhos ficaram por conta: do Espírito Santo com -13,5%, de Minas Gerais com -10,4% e de Mato Grosso com -1,4%. E os melhores ficaram por conta: do Rio de Janeiro com 9,7%, de Pernambuco com 7,6% e da Bahia com 5,8%.

    Quem não caiu

    Poucas atividades da indústria local tiveram bom resultado em fevereiro de 2020, o que contribuiu para esse desempenho da indústria amazonense, a saber: fabricação de máquinas e equipamento (64,1%) (artefato de aço e tampas e cápsulas), fabricação de bebidas (9,9%), fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis (3,7%) (gás natural).

    Desempenho negativo

    Nesse mês, seis atividades tiveram desempenho negativo, tais como: indústria da transformação (-2,4%), indústria extrativa (-13,6%) (óleo bruto de petróleo), fabricação de produtos de borracha (-19,3%), fabricação de equipamentos de informática e eletrônicos (-12,5%) (celular, computador e máquinas digitais), e fabricação de produtos de metal (-12,1%) (lâminas, aparelhos de barbear, estruturas de ferro)

    A lista negativa, de acordo com o IBGE, segue com: fabricação de máquinas e equipamentos e materiais elétricos (-11,7%)(conversores, alarmes, condutores e baterias), outros equipamentos de transportes (-9,1%) (motocicletas e suas peças) e a impressão e reprodução de gravações (-0,4%) (DVDs e discos).


    *Com informações da assessoria