Fonte: OpenWeather

    Consumo


    Mesmo com pandemia, consumo de energia diminui 16% no Amazonas

    A redução foi impulsionada pelo baixo consumo nos principais setores da economia que negociam energia no mercado livre

    O levantamento leva em conta a demanda total do mercado cativo | Foto: Divulgação

    Nas quatro semanas após a implementação de medidas de combate ao novo coronavírus, a média do consumo de energia no Sistema Interligado Nacional - SIN caiu 14% em relação aos primeiros 20 dias de março, de acordo com estudo realizado pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica - CCEE. O Amazonas foi um dos estados que conseguiram diminuir o consumo (redução de 16%), mesmo com as pessoas em casa por causa do isolamento social.

    No Ambiente de Contratação Livre - ACL, a redução foi de 18% no período de isolamento, impulsionada pelo baixo consumo nos principais setores da economia que negociam energia no mercado livre. No Ambiente de Contratação Regulada - ACR, a demanda diminuiu 13%. A queda é menor por causa da continuidade do consumo da classe residencial.

    | Foto:


    Os dados são preliminares e comparam o período entre 21 de março e 17 de abril com as semanas de 01º a 20 de março. O período considerado como posterior às medidas de contenção foi atualizado em relação aos estudos divulgados anteriormente, que tomavam como início da quarentena o dia 18 de março.

    O levantamento leva em conta a demanda total do mercado cativo, em que o consumidor compra energia diretamente das distribuidoras, e do livre, que permite a escolha do fornecedor e a negociação de condições contratuais. Não considera apenas os dados de Roraima, estado não interligado ao sistema elétrico nacional.

    Ramo de atividade no mercado livre

    Ao se analisar o desempenho do consumo de energia por ramo de atividade, verifica-se que a indústria automotiva e o segmento têxtil ainda lideram as maiores quedas no mercado livre, com taxas superiores às apresentadas na semana anterior. O setor de veículos apresentou recuo de 65% na demanda após o início da quarentena. Já a área têxtil registrou retração de 49%.

    *Com informações da assessoria