Fonte: OpenWeather

    Pós-pandemia


    Economistas oferecem consultoria gratuita e auxiliam empresas

    A ideia da ferramenta que servirá de auxílio para conduzir da melhor maneira os negócios

    Na tentativa de buscar a melhor saída para manter a saúde econômica e financeira de empresas e, também, se preparar para o período pós-pandemia causada pelo novo coronavírus (Covid-19), economistas oferecem auxílio por meio de consultorias com orientações online e, o que é melhor, de forma gratuita.

    O atendimento é feito por meio do link: bit.ly/2XPHdNo e está recebendo as solicitações dos empresários que tiverem interesse na consultoria econômica. O serviço ficará disponível durante o período de pandemia.

    A ideia da ferramenta que servirá de auxílio para conduzir da melhor maneira os negócios frente à um futuro ainda incerto, veio depois que o economista Marcus Evangelista recebeu alguns relatos de empresários durante esse período de distanciamento social.

    “Pude perceber que a maioria desses relatos são de pessoas que se encontram sem direcionamento para o período pós-crise. Por isso, criamos essa forma de tentar ajudar, uma vez que a economia circulando irá beneficia toda a sociedade. Nosso objetivo é traçar um novo horizonte para a empresa, por meio da elaboração de um planejamento estratégico que irá balizar as decisões dos negócios para o futuro”, explica o especialista.

    Para a empresária Silvia Regina Alves, que comanda um escritório de Contabilidade e Gestão Empresarial com seis funcionários em Manaus, a ideia da consultoria online oferecida pelos economistas é bem vinda e oportuna.

    “É uma boa iniciativa porque, no momento do sufoco, o empresário não consegue enxergar direito as soluções e tem dificuldades para enxergar o melhor a seguir no momento da crise. Nós estamos revendo os nossos gastos e aplicando medidas que possam nos ajudar a manter os nossos clientes e evitarmos inadimplências. As empresas vão precisar de muito apoio”, destaca a representante do NTW Contabilidade em Manaus.   

    Pós-crise

    Em Manaus, cidade que enfrenta uma situação crítica em função da Covid-19, o mercado segue cheio de incertezas e muitos empresários correm o risco de fechar seus negócios. As dificuldades para manter as contas em dia e continuar com o mínimo possível de faturamento para cobrir os custos envolvem grandes desafios.

    Para Marcus Evangelista, esse é um momento crucial e necessário para se fazer uma consultoria econômica e garantir, gratuitamente, uma ajuda nesse replanejamento.

    “Esperamos poder ajudar as empresas nesse momento tão difícil. Vamos auxiliar com a criação de um novo caminho a ser seguido pela gestão, minimizando as perdas e criando oportunidades para a recuperação financeira da empresa”, destaca o economista que é diretor da empresa Exithus Consultoria.

    Saúde organizacional

    As previsões do mercado eram de que 2020 seria um ano promissor e de crescimento econômico, mas, infelizmente, em função da pandemia, muitos empresários precisarão rever seus planejamentos para que os prejuízos causados pela crise na saúde pública e na economia, sejam amenizados nos meses do pós-crise.

    O consultor e especialista em Planejamento Estratégico, Leonardo Costa, ressalta que as oportunidades de melhoria da saúde financeira das organizações, se dará para aqueles que melhor planejarem essa jornada.

    “Estamos em uma viagem sem volta para um mundo pós-pandemia. Mas quem tiver com a lição de casa feita, com a saúde organizacional da empresa ao menos pensada e apta para a tomada de decisões, esse terá mais chances nos próximos meses”, aponta o especialista.

    Retomada

    No último dia 18 de Abril de 2020, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), lançou uma cartilha com proposta para o “Plano de retomada da atividade econômica após a quarentena”. O documento trata, entre outras ações, sobre exemplos tomados por vários países, tais como: Alemanha, Dinamarca, China, Nova Zelândia, Estados Unidos, etc. As medidas também levam em consideração as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) que delimitam regras para cada setor da economia.

    A proposta da Fiesp é de uma “retomada gradual da atividade econômica o mais breve possível, respeitados os requisitos de saúde pública e controle da epidemia”.

    Para o distanciamento social no trabalho, por exemplo, algumas das várias regras propostas exigem que todo local de trabalho deve seguir um protocolo para a entrada do colaborador. Entre elas estão: utilizar o termômetro digital infravermelho de teste para aferir a temperatura dos colaboradores na chegada ao ambiente de trabalho; se possível, realizar rápida entrevista com profissional de saúde para identificação de possíveis sintomas da Covid-19; uso obrigatório de máscaras, prezando pela manutenção e higienização a cada uso ou descarte; manter uma distância mínima segura entre as pessoas; alternar dias de comparecimento entre os funcionários nas equipes e considerar jornadas de trabalho menores nos primeiros meses.

    As medidas apresentadas para o relaxamento das restrições de distanciamento social citam: creches, escolas, comércio varejista, restaurantes, transporte com frota de horário de pico, shoppings centers, entre outros. Cada segmento da economia teria de seguir uma série de exigências que vão desde a mudança no horário da jornada trabalhista, até medidas de distanciamento no convívio diário com a família ao voltar para casa, segundo propõe a Fiesp.

    Até o momento, o Governo Federal ainda não apresentou qualquer planejamento nesse sentido e o Decreto No. 10.282 de 20 de Março de 2020, aponta como essenciais, serviços como: assistência à saúde, atividades de segurança pública e privada, o transporte intermunicipal, interestadual e internacional de passageiros, serviços bancários não presenciais, entre outros que continuam com suas atividades mantidas, porém, com algumas restrições de acordo com cada Estado.

    *Com informações da assessoria