POLO INDUSTRIAL


Produção de motocicletas em Manaus sinaliza recuperação em maio

Em meio às incertezas do mercado, produção foi 887% maior que abril, mas fechou 85% menor frente a maio de 2019

Em abril, 70% das fabricas paralisaram e algumas retomaram produção na segunda quinzena de maio | Foto: Arquivo em Tempo

Manaus - A indústria brasileira de motocicletas registrou em maio a fabricação de 14.609 unidades no Polo Industrial de Manaus (PIM), segundo dados da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo). O volume representa alta de 887,8% em relação a abril (1.479 unidades), que registrou queda de 98%, uma vez que a produção do segmento ficou praticamente paralisada, com 70% das fábricas sem atividade.

Yamaha foi uma das primeiras marcas a retomar atividade industrial em maio
Yamaha foi uma das primeiras marcas a retomar atividade industrial em maio | Foto: Divulgação

Na comparação com maio do ano passado (100.998 unidades), houve queda de 85,5%. E no acumulado dos cinco primeiros meses do ano - de janeiro a maio -, foram fabricadas 313.687 motocicletas, representando uma redução de 33,1% diante do mesmo período de 2019 (468.984 unidades). Apesar dos resultados negativos em relação a 2019, o presidente da Abraciclo, Marcos Fermanian, disse que a retomada, em maio, aponta tendência de melhora.

“As atividades começaram a ser retomadas na primeira quinzena de maio, com o retorno de, aproximadamente, metade das fábricas que estavam paradas. Na última semana do mês a volta das atividades fabris chegou a 80%. Os dados de maio refletem essa retomada gradual de atividades do setor e apontam para tendência de uma nova melhora no comparativo mensal de produção em junho”, afirmou.

Saiba mais: Produção de motocicletas do PIM tem o pior mês de abril desde 1986

Saiba mais: Yamaha paralisa produção no Polo Industrial de Manaus

Saiba mais: Moto Honda da Amazônia suspende a produção de motocicletas no PIM

Fermanian acrescenta, porém, que o cenário é de incerteza, de forma que ainda não será possível refazer as projeções para este ano. “Precisamos acompanhar atentamente o mercado nas próximas semanas para termos uma base mais ampla e confiável antes de revisarmos os números”, diz o presidente da Abraciclo.

Vendas e emplacamentos

Em maio, as fábricas repassaram para as concessionárias apenas 18.355 motocicletas, representando um crescimento de 254,8% no comparativo com abril (5.173 unidades) e queda de 80,8% frente a maio do ano passado (95.755 unidades). No acumulado de 2020, as vendas no atacado somaram 300.930 unidades, correspondendo a uma queda de 34,1% em relação ao mesmo período de 2019 (456.772 unidades).

Os emplacamentos registraram pequena alta em maio em comparação a abril do presente ano. Segundo levantamento do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam) analisado pela Abraciclo, foram licenciadas 29.192 motocicletas, uma alta de 3,3% diante de abril (28.246 unidades), e recuo de 70,2% em frente a maio de 2019 (97.989 unidades).

O presidente da Abraciclo apontou, contudo, que o volume foi subnotificado, uma vez que houve paralisação dos Detran’s de diversas cidades brasileiras. “Existe um volume de motocicletas vendidas que ainda não foi emplacado”, explicou Marcos Fermanian. Ele acrescentou que não há como definir uma estimativa desse volume.

Com 20 dias úteis, a média diária de vendas em maio foi de 1.460 unidades. Na comparação com abril (1.345 unidades), que teve um dia útil a mais, foi registrada alta de 8,6%. No comparativo com maio de 2019 (4.454 unidades), com 22 dias úteis, houve queda de 67,2%. “Esses números mostram que aos poucos o mercado está retomando a atividade. Alguns Estados estão no processo de flexibilização da quarentena, permitindo a reabertura das concessionárias”, observou Fermanian.

Bom sinal em junho

O presidente da Abraciclo destacou ainda que nos cinco primeiros dias úteis de junho, a média diária de vendas chegou a 1.616 unidades, o que representa uma alta de 10,7% na comparação com a média diária total de maio. “Acredito que o resultado de junho será mais positivo para o mercado, consolidando a perspectiva de retomada dos negócios”, avalia Fermanian.

A região Nordeste foi a que mais emplacou motocicletas no Brasil em maio, com 7.634 unidades, seguida pela Sudeste (6.423 unidades), Centro-Oeste (5.562 unidades), Sul (5.083 unidades) e Norte (4.490 unidades).


*Com informações da Abraciclo