Fonte: OpenWeather

    Parintins


    'Sem festival, está prevista uma calamidade econômica', diz Bi Garcia

    Adiada pela pandemia, 55ª edição do evento ainda tem chance de acontecer este ano, mas nada muito certo

    Bi Garcia (PSDB), prefeito de Parintins
    Bi Garcia (PSDB), prefeito de Parintins | Foto: Divulgação

    Parintins (AM) - Em 55 anos de história, esta é a primeira vez que o Festival Folclórico de Parintins corre o risco de não acontecer. Um baque com efeitos devastadores em termos financeiros, mas também no campo simbólico, com o possível hiato do evento.

    Tombado em 2018 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o festejo consiste em uma lúdica disputa a céu aberto entre duas das maiores agremiações folclóricas do país: os bois Garantido e Caprichoso.

    Tradicionalmente realizado no último fim de semana de junho, o festival teve a edição de 2020 — entre os dias 26 e 28 — suspensa por tempo indeterminado. Agora, nos bastidores, ventila-se a possibilidade de que ocorra em novembro, mas o martelo ainda está longe de ser batido.

    Com cerca de 120 mil habitantes, a cidade de Parintins fica a 365 km de distância de Manaus, principal porta de entrada de turistas em busca do festival. A capital do Amazonas foi a primeira no país a chegar ao colapso de seu sistema de saúde com a pandemia. Hoje, o estado tem a marca de quase 50 mil casos do novo coronavírus e 2,3 mil mortes.

    ‘Não temos uma resposta’, diz Wilson sobre Festival de Parintins

    ''Tudo vai depender da situação sanitária do estado, especialmente de Manaus. Nossa alta temporada de navios turísticos, que dura até o fim de março, já foi afetada. Se não houver o festival, então, está prevista uma calamidade econômica'', desabafa Bi Garcia (PSDB), prefeito de Parintins. ''No mês do festival, geralmente um taxista consegue ganhar em 15 dias de corrida o que demoraria cinco meses para embolsar''.

    Em 2019, Parintins bateu recorde, recebendo mais de 66 mil turistas para os três dias de festa no Bumbódromo, na ilha Tupinambarana, onde é travada a batalha entre Garantido e Caprichoso. Segundo levantamento do Departamento de Estatística da Empresa Estadual de Turismo do Amazonas (Amazonastur), de 2005 a 2018 o evento injetou R$ 426 milhões na economia local.

    Vitrine para o carnaval

    | Foto: Divulgação

    Números tão imponentes acabam naturalmente sendo vetores de preocupação para os organizadores do evento, diante de uma clara possibilidade de um ano em branco. Uma lacuna que afetaria a vida não somente de quem curte a festa, mas principalmente de quem a deixa de pé.

    ''São mais de 10 mil empregos gerados nos três meses de preparação. Só no ano passado o festival movimentou R$ 80 milhões para nossa economia. Barqueiros, setor de hotelaria, alimentação... todos precisam do evento para contribuir financeiramente em casa'', alerta o prefeito.

    Mas há quem aponte perdas para além das cifras. Afinal de contas, além de ser crucial fonte de renda para a economia de Parintins, o embate dos bois é uma das manifestações mais importantes da cultura popular brasileira. E o adiamento de sua realização abala diretamente seu campo de simbolismos.

    Presidente do Conselho de Artes do Caprichoso, Ericky Nakanome afirma que a “lógica ritualística” do festival já foi quebrada, uma vez que foram cancelados todos os ensaios das marujadas (nome dado ao conjunto de ritmistas das agremiações).

    ''Outro aspecto dramático diz respeito à confecção da festa: os mateiros, nome dado aos coletores de matéria-prima, recolhem palha e cuia nesta época'', pontua Nakanome, prevendo um estranhamento caso o festival aconteça mesmo em novembro. ''E o calor? Vai estar beirando 40 graus. As cores, os peixes, tudo é diferente''.

    A não realização de Parintins na data original também atrapalha cerca de 25 outras festas de interior, que ocorrem na sequência. ''Serão vários boizinhos amazônicos sem desfilar''.

    E por falar em desfile, outro ponto de atenção dos parintinenses é o futuro do carnaval do Rio e de São Paulo. Para Júnior de Souza, diretor artístico do Garantido, o festejo dos bois é uma vitrine fundamental para os profissionais locais:

    ''Todo ano saem, em média, 400 pessoas daqui para trabalhar com as escolas de samba, cariocas e paulistas''.

    Bois unidos em live solidária

    | Foto: Divulgação

    O tom de lamento generalizado, no entanto, tenta ser amenizado com ações virtuais que estão ao alcance dos bois. As agremiações vêm comercializando nas redes seus produtos customizados, como camisetas, canecas e até máscaras.

    Para providenciar doações, as lives solidárias vêm sendo a saída. No mês passado, o Caprichoso arrecadou mais de 20 toneladas em uma transmissão ao vivo. No Dia dos Namorados, o Garantido realizou seu evento on-line celebrando o amor. E, no dia 28, quando seria encerrada originalmente a edição deste ano de Parintins, os rivais vão se encontrar em live inédita.

    Levantador de toadas há 25 anos, David Assayag estará presente no festival virtual, defendendo o boi azul. Emocionado, ele confessa jamais ter presenciado uma situação tão delicada quanto a que vive a cidade hoje.

    ''Parintins é uma festa de aglomeração, então fica difícil saber como vai ser no futuro. Seja como for, uma certeza eu tenho: sairemos mais fortes do que nunca''.

    Leia mais: 

    Curral Zeca Xibelão, do Boi Caprichoso, deve ser leiloado

    Apaixonados pelos bumbás relembram momentos do Festival de Parintins

    ‘Vou honrar o nome do meu pai’, garante Arlindo Neto

    *Com informações do O Globo