Fonte: OpenWeather

    Empregos


    Companhia aérea Azul demite cerca de mil funcionários

    Demissão é principalmente de tripulantes de voos

    A medida segue-se à queda vertiginosa das viagens aéreas no Brasil e no mundo | Foto: Reprodução

     A companhia aérea Azul (AZUL4.SA) demitiu cerca de mil funcionários, principalmente de tripulantes de voos, à medida que se ajusta aos efeitos devastadores da pandemia da Covid-19 sobre o setor aéreo, segundo uma fonte com conhecimento direto do assunto.

    “É o número (de demissões) até o momento”, disse a fonte ligada à companhia, sob condição de anonimato.

    A medida segue-se à queda vertiginosa das viagens aéreas no Brasil e no mundo, como consequência das medidas de isolamento social adotadas para tentar conter o avanço da pandemia, que reduziram voos e decolagens quase a zero em março.

    Mesmo com a recuperação recente, o vice-presidente de Receitas da Azul, Abhi Shah, afirmou mais cedo nesta segunda-feira que a companhia poderá oferecer o equivalente a apenas 35% da malha pré-crise em agosto. [nS0N2E0036]

    Se confirmado o número, as demissões representariam pouco mais de 7% do quadro de funcionários da empresa, que era de 13.698 pessoas no fim de março, segundo dados do balanço do primeiro trimestre.

    Além das demissões, a Azul abriu um programa envolvendo demissão voluntária (PDV), aposentadoria antecipada e licença não remunerada que afirma ter tido adesão de mais de 2 mil tripulantes.

    Consultada, a Azul afirmou em nota que apesar dos “esforços para preservar o máximo de posições possível”, “parte de seus tripulantes está deixando a empresa nessa semana”, mas não comentou números de demissões. Afirmou ainda que todos os tripulantes que deixarem a empresa terão prioridade na recontratação “quando a companhia retomar seu crescimento”.

    No mês passado, a Gol (GOLL4.SA) anunciou acordo com pilotos e comissários para flexibilizar jornada e salários até 2021.

    A Latam, maior companhia aérea da América Latina, entrou com pedido de recuperação judicial nos Estados Unidos no mês passado, excluindo Brasil, visando reestruturar 18 bilhões de dólares em dívidas. [nL1N2DV1K7]

    O movimento das companhias ocorre enquanto as aéreas discutem com o BNDES um plano de resgate bilionário.

    Mais cedo, o jornal O Estado de S.Paulo publicou que a Azul já fez cerca de mil demissões, citando informações do Sindicato Nacional dos Aeroviários (SNA).

    Um porta-voz do SNA não foi encontrado pela Reuters para comentar.