Fonte: OpenWeather

    VOLUME E RECEITA


    Setor de serviços do AM registrou tímida variação positiva em maio

    Na comparação com maio ano passado, os serviços amazonenses acumularam quedas significativas

    Enquanto em maio o volume de serviços cresceu 0,6% apenas, a receita caiu 0,2% | Foto: Arquivo/Agência Brasil

    Manaus - O setor de serviços no Amazonas apresentou pequenas variações no mês de maio em relação a abril. O índice de volume de serviços foi 0,6% e a receita caiu -0,2 pontos percentuais. Mas, a comparação de maio de 2020 com o mesmo mês do ano anterior, as quedas foram mais fortes, tanto em receita (-11,6%) quanto em volume de serviços (-13,1%). Os números fazem parte da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgados na sexta-feira (10), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    No Estado, apesar do resultado negativo em maio de 2020, com relação a maio de 2019, a variação acumulada do ano na receita de serviços cresceu 0,9%, e a variação acumulada dos últimos 12 meses obteve crescimento ainda mais significativo (6,4%), apesar dos efeitos da pandemia de Covid-19, neste ano. A variação acumulada de 12 meses no volume de serviços também segue positiva (1,6%), mas a variação acumulada em 2020 está negativa (-2,3%).

    Em maio, o volume de serviços do Amazonas subiu 0,6%, em relação a abril, na série com ajuste sazonal. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, houve queda de 13,1%. No acumulado do ano, o volume de serviços retraiu 2,3%, em relação ao mesmo período do ano anterior. E nos últimos 12 meses, o volume de serviços apresentou um resultado positivo (1,6%) em relação ao mesmo período do ano anterior.

    Embora o resultado de maio tenha sido ligeiramente melhor que abril, o mês ainda sofreu impactos da pandemia
    Embora o resultado de maio tenha sido ligeiramente melhor que abril, o mês ainda sofreu impactos da pandemia | Foto: Agência Brasil/Arquivo

    Embora o resultado de maio tenha sido ligeiramente melhor que abril, houve o impacto provocado, em grande parte, pelas medidas de isolamento social recomendadas pelas autoridades sanitárias, com o intuito de se conter o avanço do contágio do novo coronavírus.

    Comparação com as 27 Unidades da Federação

    Com esse resultado de 0,6%, o Amazonas apresentou resultado intermediário (10ª posição) em volume de vendas ao se comparar mês atual com o mês anterior do volume. Os piores desempenhos foram os do Distrito Federal (-13,9%), o de Mato Grosso (-3,6%) e do Pará (-3,2%); e os melhores desempenhos foram os dos Estados de Santa Catarina (6,4%), do Rio Grande do Sul (5,2%) e da Paraíba (4,9%).

    O ranking mostra que poucas Unidades da Federação apresentaram resultados positivos em maio. Outros Estados mostram quedas ainda mais intensas do que aquelas observadas pelo Amazonas (-13,1%), que apesar do percentual expressivo de piora no volume de serviços, apresentou, em maio, a quinta menor queda em relação às demais unidades federativas. Os piores desempenhos foram os de Alagoas (-34,8%), Ceará (-29,9%) e Piauí (-29,3%). Os melhores desempenhos e os únicos resultados positivos foram os de Rondônia (9,3%) e Mato Grosso (6,3%).

    O ranking mostra que poucas Unidades da Federação apresentaram resultados positivos em maio
    O ranking mostra que poucas Unidades da Federação apresentaram resultados positivos em maio | Foto: Agência Brasil/Arquivo

    Receita Nominal de Serviços

    Em maio de 2020, a receita nominal de serviços retraiu 0,2%, frente ao mês anterior, na série com ajuste sazonal. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, a receita nominal do setor de serviços no Amazonas também sofreu retração (-11,6%). Já no acumulado do ano, a receita apresenta resultado positivo em relação ao mesmo período do ano anterior (0,9%). E nos últimos 12 meses, o resultado também foi positivo (6,4%).

    Os melhores desempenhos da receita nominal de maio em comparação com abril foram os das unidades federativas do Rio Grande do Sul (8,3%), de Santa Catarina (6,4%) e da Paraíba (5,3%); e as maiores quedas ocorreram no Distrito Federal (-13,3%), no Piauí (-2,6%) e em São Paulo (-2,2%).

    Assim como para o volume de serviços, o ranking referente ao índice de receita de serviços mostra que, em maio, poucas Unidades da Federação apresentaram resultados positivos. Apesar da intensa queda da receita de serviços do Amazonas (-11,6%), esta foi a quinta menor entre as unidades federativas. Os piores desempenhos foram os de Alagoas (-32,4%), Pernambuco (-29,1%) e Ceará (-28,5%). E os melhores desempenhos e os únicos resultados positivos foram os de Rondônia (9,6%) e do Mato Grosso (6,7%).


    *Com informações do IBGE