Fonte: OpenWeather

    VAREJO DA CONSTRUÇÃO


    Disparidade do preço do material de construção é de até 100% em Manaus

    Comissão de Defesa do Consumidor da CMM realizará estudo para constatar possíveis abusos de preços no comércio

    Estudo buscará constatar os possíveis abusos de preços no segmento em Manaus | Foto: Divulgação

    Manaus - O presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara Municipal de Manaus (Comdec/CMM), vereador André Luiz (PL), disse nesta quarta-feira (15) que vai elaborar um estudo para comparar os preços dos materiais de construção, principalmente os relacionados a tijolos e cimento. A medida foi tomada após operação do Instituto Estadual de Defesa do Consumidor (Procon-AM) constatar disparidade nos valores de quase 100% entre um produto e outro, durante a blitz realizada na terça-feira (14), nas zonas Oeste, Centro-Oeste, Sul e Centro-Sul da cidade.

    Ao todo foram sete estabelecimentos notificados, distribuídos entre os bairros Lírio do Vale, Alvorada 1, Praça 14 Janeiro, Planalto, Adrianópolis, Japiim e Centro, onde ficou constatada a variação entre R$ 750,00 e R$ 1.400, no preço do milheiro de tijolo, além do valor desigual do saco de cimento entre R$ 30 e R$ 32.

    O vereador André Luiz destacou que o objetivo da ação foi solicitar dos empresários a planilha de custos dos estabelecimentos, no sentido de averiguar os valores repassados aos consumidores.

    “Eles possuem um prazo de dez dias, a contar desta terça feira (14), para apresentar as informações solicitadas e evitar autuações. Caso contrário, podemos autuar e, nos casos mais graves, encaminhar o caso ao Ministério Público”, disse o parlamentar Ele acrescentou que a disparidade entre os preços é um absurdo frente ao momento de abalo econômico em que vive Manaus, por conta da pandemia provocada pelo novo coronavírus (Covid-19). O parlamentar disse, ainda, que irá elaborar um estudo comparativo, para verificar possíveis abusos.

    Preço justo

    Com os dados, a Comdec prepara um estudo comparativo dos preços, levando em consideração o que vem sendo repassado pelos fornecedores. “Procuramos ser coerentes durante as visitas da comissão. Obviamente que consideramos os valores repassados e, como o empresário pode ser pressionado, por alguns fornecedores. Todavia, o que queremos é algo justo ao consumidor. Na maioria dos casos, ele sofre abuso”, completou André Luiz.

    Denúncia

    Por meio do “Comdec Denuncias”, os consumidores que identificarem problemas em relação a aumento dos valores de materiais de construção, podem tirar suas dúvidas e enviar suas reclamações via “Whatsapp” para o número (92) 99263-3587.

    O vereador reforçou que, agora, o manauara pode buscar os serviços oferecidos pela Comdec de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h e sábados e domingos, das 8h às 14h. Outro meio disponível é o email: [email protected]

    Ação

    O Procon-AM notificou nesta terça-feira (14) quatro lojas de construção na zona oeste de Manaus. O órgão tem recebido diversas denúncias sobre o aumento dos preços do tijolo e do cimento e, por isso, pediu esclarecimentos sobre os valores praticados no comércio. Segundo o diretor-presidente do órgão, Jalil Fraxe, outras lojas devem ser visitadas.

    Os estabelecimentos notificados nesta terça têm 48 horas para apresentar os comprovantes dos preços, que serão analisados pelo Procon-AM.“O Procon tem recebido inúmeras denúncias sobre materiais de construção, e o tijolo foi um dos itens que identificamos que teve um aumento expressivo.


    *Com informações da assessoria