Fonte: OpenWeather

    Construção Civil


    Votorantim Cimentos anuncia ajuste do saco de cimento vendido no AM

    Saco de cimento que está custando, em média, R$ 42 no Amazonas, ficará ainda mais caro com ajuste

    Com o ajuste, o saco de cimento que saiu dos R$ 29 para R$ 42 | Foto: Shutterstock

    Manaus – Após diversas denúncias sobre o aumento no preço dos materiais de construção em Manaus, nas últimas semanas, a Votorantim Cimentos anunciou, um ajuste de R$ 1,50 no saco de cimento de 42,5 kg para todos os segmentos no Amazonas e em Roraima, a partir de segunda-feira (27). Segundo a empresa, o acréscimo é necessário, uma vez que um aumento contínuo vem ocorrendo nos custos variáveis de produção.

    Com o ajuste, o saco de cimento que saiu dos R$ 29 para  R$ 42, apresentando mais de 140% de aumento, de acordo com denúncias contra lojas de material de construção recebidas pelo presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Amazonas (CDC/Aleam) - deputado estadual João Luiz (Republicanos) - poderá atingir o valor de R$ 43,50.

    Dentre os segmentos que sofrerão com o ajuste no valor do saco de cimento estão as construtoras. O engenheiro responsável pela empresa Up Engenharia, Wilson Gomes, 27 anos, relata que um grande aumento foi percebido nos materiais, principalmente nos mais básicos para o setor, como o cimento.

    Dentre os segmentos que sofrerão com o ajuste no valor da saca de cimento estão as construtoras
    Dentre os segmentos que sofrerão com o ajuste no valor da saca de cimento estão as construtoras | Foto: Divulgação

    “Sentimos o aumento drástico no preço dos materiais, principalmente dos básicos como cimento, tijolo e madeira. Por isso, inclusive, tivemos que mudar o nosso banco de base de orçamentos. Antes conseguíamos ter o material pronta entrega e agora, mesmo com o aumento, só conseguimos esperar mais ou menos quatro dias ou fazer por agendamento de entrega”, explica Wilson.

    Ele acredita que, além dos custos variáveis de produção, usados como justificativa para o ajuste no valor da saca pela Votorantim CimentoS, existem outros causadores para o aumento, que vão desde a regularidade dos fornecedores diante da fiscalização dos órgãos competentes às sequelas da pandemia. “Podemos observar problemas que vão desde a regularidade do comércio com os órgãos até problemas deixados na economia pela crise da Covid-19 pela”, diz.

    A Votorantim Cimentos, que distribui no Amazonas e Roraima a marca Poti, chegou a deixar de vender suas sacas de cimento na primeira quinzena deste mês em Manaus, o que dificultou mais ainda a situação para os segmentos que agora estão inclusos para receber o ajuste: lojas de varejo, distribuidores, home centers, construtoras e clientes industriais.

    Veja o anúncio feito pela Votorantim Cimentos:

    Votorantim Cimentos anunciou, um ajuste de R$ 1,50 no saco de cimento
    Votorantim Cimentos anunciou, um ajuste de R$ 1,50 no saco de cimento | Foto: Divulgação

    O portal EM TEMPO entrou em contato com a Votorantim Cimentos para obter mais informações, mas não obteve resposta até o horário de publicação da matéria.

    Procon

    Para lidar com as diversas situações de aumentos exacerbados nos preços dos materiais da construção em Manaus, a operação “Construção Segura” foi desencadeada no dia 16 de julho, com objetivo de fiscalizar a venda de tijolos (blocos cerâmicos), cimentos e materiais elétricos de baixa tensão, como fios, cabos, plugues e tomadas.

    A operação “Construção Segura” foi desencadeada no dia 16 de julho
    A operação “Construção Segura” foi desencadeada no dia 16 de julho | Foto: João Pedro Sales/Procon

    A ação é realizada pelo Instituto de Pesos e Medidas do Amazonas (Ipem-AM) e pelo Instituto Estadual de Defesa do Consumidor (Procon-AM), em parceria com a Comissão de Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Amazonas (CDC/Aleam).

    Veja mais:

    Preço do tijolo fica até 270% mais caro para a construção em Manaus

    Operação ‘Construção Segura’ é ativada sobre comércios de Manaus

    Mais12 lojas de construção são fiscalizadas por preços abusivos no AM