Pesca


Maraã produz mais de 9 mil toneladas de pescado por ano

Fruto da pesca artesanal e manejada, o pescado do município é comercializado em Manaus e Santarém, no Pará

Pirarucu manejado, tambaqui e matrinxã então entre as espécies produzidas em Maraã | Foto: Divulgação/Idam

Manaus - O município de Maraã (a 634 quilômetros de Manaus), localizado na região do rio Japurá, onde a pesca, nas modalidades artesanal e manejada, é a principal fonte de renda dos agricultores familiares, são produzidas anualmente, cerca de 9,2 mil toneladas de pescado. O volume é alcançado pela mão de obra de, aproximadamente, 2,1 mil agricultores que trabalham na atividade da pesca. Os dados são do último levantamento do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Amazonas (Idam), que acompanha a atividade no Estado.

De acordo com o gerente do Idam em Maraã, Deivid Farias Gomes, o pescado produzido no município é comercializado em Manaus, Manacapuru e em Santarém, no Pará. Entre as espécies mais pescadas estão o pirarucu (manejado), tambaqui, aruanã, surubim, matrinxã e demais espécies de peixes lisos.

“A pesca manejada e a de subsistência são fundamentais para a economia no município de Maraã e também para todo o Amazonas. Esta é, sem dúvida, a principal atividade desses pescadores nesta época de manejo, em que a maior parte dos moradores pesca por meio período ou em tempo integral, e tem o peixe como principal fonte de renda e de proteína da região”, destacou o gerente.

Crédito para pescador

Em julho, o Governo do Amazonas, por meio do Idam, atento a esse fato elaborou um total de 33 projetos de crédito para pescadores das comunidades Jacitara e Curupira e da sede do município. Foram 18 projetos de custeio, no valor total de R$ 139.957,44, e 15 projetos para equipamentos de pesca, no valor de R$ 105.052,98, resultando em um montante de R$ 245.010,42. Os projetos elaborados foram encaminhados a Agência de Fomento do Estado do Amazonas (Afeam) para análise e contratação, segundo informou o gerente.

Para acessar a linha de crédito, que disponibiliza até R$ 21 mil aos pescadores, é necessário ter o Registro Geral de Pesca, Relatório de Atividade Pesqueira (produção) e ser associado a uma Instituição de classe pesqueira. Caso seja manejador é necessário possuir a cota do pirarucu com a autorização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e ter cópias das notas de produção.

Segundo o engenheiro de pesca do Idam de Maraã, Paulo Ronan, na região de Maraã, a pesca do tambaqui acontece entre os meses de abril e setembro e, a pesca das espécies como surubim, pacu, matrinxã e sardinha inicia no mês de abril e vai até a primeira quinzena de novembro.

O engenheiro destaca ainda a importância da legalização de novas áreas para o crescimento da produtividade do pescado no município. “Considerando que atividade de pesca é o carro-chefe da região e a principal fonte de renda dos agricultores, a legalização de novas áreas para o manejo do pirarucu, por exemplo, é de fundamental importância”, disse.


*Com informações da assessoria