Fonte: OpenWeather

    Benefício


    R$ 7,5 bi do FGTS serão creditados em contas: saiba quando receber

    Decisão não muda as regras para sacar o recurso, que incluem situações como demissão por justa causa e aposentadoria

    O recurso pode ser retirado em situações como demissão por justa causa | Foto: Divulgação

    O Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) aprovou a distribuição de R$ 7,5 bilhões do lucro de 2019, aos trabalhadores que tinham saldo em conta no dia 31 de dezembro do ano passado. Os recursos devem ser depositados até 31 de agosto de 2020. A decisão foi aprovada em reunião virtual nesta terça-feira (11). 

    O valor a ser distribuído corresponde a 66,2% do lucro total obtido pelo FGTS em 2019. Com base na legislação, o Fundo rende 3% ao ano, mas, a partir da decisão de hoje, o rendimento ficará superior à caderneta de poupança, que rendeu 4,26% no ano passado, e também à inflação, cuja alta foi de 4,31%.

    Por outro lado, as regras de saque do FGTS continuam as mesmas. O recurso pode ser retirado em situações como demissão por justa causa, compra de moradia própria, aposentadoria, falecimento do trabalhador e idade igual ou superior a 70 anos.

    Os depósitos do lucro de 2019 ocorrerão de forma proporcional ao saldo que os trabalhadores tinham em 31 de dezembro. Duas novas modalidades de retirada do FGTS, o saque-aniversário e o saque emergencial, foram implementadas neste ano pelo governo federal. A primeira ocorre anualmente, com quantia liberada de acordo com valor total do Fundo, enquanto a segunda, criada por causa da pandemia de Covid-19, consiste em um salário mínimo (R$ 1.045).