Fonte: OpenWeather

    Novo Aripuanã


    Governador entrega posto agropecuário em área livre de febre aftosa

    Município localizado do sul do Amazonas está localizado em área livre de febre aftosa, sem vacinação

    Reconhecimento de área livre de febre aftosa, sem vacinação, se deu na terça-feira (11)
    Reconhecimento de área livre de febre aftosa, sem vacinação, se deu na terça-feira (11) | Foto: Tácio Melo/Secom

    Manaus - O governador Wilson Lima entregou oficialmente, nesta quarta-feira (12), o Posto de Fiscalização Agropecuária Ozeas Lima, localizado no município de Novo Aripuanã (a 225 quilômetros de Manaus). A unidade foi implantada em uma região classificada como Bloco I, que inclui 13 municípios do sul e do sudoeste do Amazonas, e que foi reconhecida, na terça-feira (11), pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) como área livre de febre aftosa sem vacinação.

    Esse resultado é fruto dos investimentos do Governo do Estado, por meio da Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (Adaf), nas ações do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa. Os 13 municípios que compõem esse Bloco I são: Apuí, Boca do Acre, Canutama, Humaitá, Lábrea, Manicoré, Novo Aripuanã, Pauini, Guajará, Envira, Eirunepé, Ipixuna e Itamarati, e parte de Tapauá.

    Esses municípios detêm mais de 65% do rebanho do Amazonas. Ao todo, são 1.020.096 cabeças de gado, entre bovinos e bubalinos. O Amazonas possui um rebanho total de 1.562.081.

    "É importante comercialmente para o estado do Amazonas porque vai garantir uma melhor renda para quem investe na questão da pecuária. É um incentivo para esses produtores, é um desejo antigo deles que esperavam esse reconhecimento por parte do Ministério da Agricultura, e ele veio. O Governo Federal fez a sua parte e o Governo do Estado também está fazendo a sua parte no momento em que monta as barreiras e cria todas as condições necessárias para garantir a fiscalização e garantir que o gado que está saindo daqui, é um gado de alta qualidade", explicou o governador Wilson Lima.

    A unidade em Novo Aripuanã foi implantada em abril deste ano. Em quatro meses de funcionamento, já foram fiscalizados 12.434 bovinos e bubalinos, transportados em balsas boiadeiras, e cerca de 25 mil toneladas de subprodutos, como queijo e peixe. Esses últimos também passam pela fiscalização dos agentes da Adaf que verificam o documento que certifica o trânsito legal dos produtos no estado.

    Instalações

    O Amazonas tem, atualmente, sete postos de fiscalização: no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, em Manaus; em Jundiá (Roraima); em Parintins; Humaitá; Manicoré; Apuí e Novo Aripuanã. As três últimas, localizadas de maneira estratégica, impedem o trânsito de animais vacinados para dentro da área delimitada que inclui 13 municípios do sul e do sudoeste do Amazonas, integrantes do Bloco I.

    “Essas estruturas servem para evitar e cumprirmos um dos normativos do Ministério da Agricultura e da Organização Mundial de Saúde Animal, que é evitar a entrada de bovinos vacinados na nova área livre de febre aftosa sem vacinação. Só podem entrar animais nessa área com destino para abate, e não pode entrar animais para cria e recria. Isso é um grande avanço sanitário para o estado do Amazonas, que se coloca sanitariamente na elite brasileira agora”, destacou o diretor-presidente da Adaf, Alexandre Araújo.

    A fiscalização é realizada diariamente nas embarcações, conforme explica Alexandre Araújo. As embarcações têm que navegarem com as guias de trânsito animal. A fiscalização ocorre para verificar se essas guias expedidas conferem com os animais que estão sendo transportados. Dependendo do enquadramento da irregularidade, pode-se devolver à origem, como também até destinar animais para o abate sanitário, caso a irregularidade seja insanável.


    *Com informações