Auxílio Emergencial


Auxílio Emergencial: Saiba valor recuperado que foi pago indevidamente

TCU estima que mais de 1 milhão de pessoas receberam o auxílio indevidamente;

Valor total de pagamentos indevidos pode chegar a R$ 40 bilhões
Valor total de pagamentos indevidos pode chegar a R$ 40 bilhões | Foto: Divulgação

Cerca de 130 mil pessoas devolveram, de forma espontânea, o auxílio emergencial que receberam sem ter direito. Os que ainda não procuraram o Ministério da Cidadania podem fechar um acordo para não correr o risco de ser processado pela União. Tribunal de Contas da União estima que mais de 1 milhão de pessoas receberam o auxílio indevidamente; valor pode chegar a R$ 40 bilhões. Foram recuperados R$ 134 milhões.

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, instrui o processo de devolução: "A pessoa entra no site do ministério, diz que ela quer fazer o arrependimento posterior. Vai botar os dados dela, vai dizer quanto ela tem que devolver. Vai emitir a gru, guia de recolhimento da união e ela, no momento em que paga, assina um termo de acordo e aí, de nossa parte, a gente não toma nenhuma medida judicial ou de agravamento da situação daquela pessoa."

O Tribunal de Contas da União estima que mais de um milhão de pessoas receberam o benefício indevidamente e a expectativa do governo é fechar acordo com pelo menos 400 mil. Os devedores, além de se entender com a justiça, vão precisar dar explicações à Receita Federal."

A gente grava e entrega para a Receita Federal. Então vai tá lá, em cada declaração de renda, em cada cpf, vai tá lá o valor. E a pessoa vai pagar. E vai pagar multa, claro.", afirma Lorenzoni.

Além disso, a Polícia Federal também tem tido a tarefa de barrar fraudadores. Em uma operação realizada nesta quarta-feira (2), no sul de Minas Gerais, foram cumpridos mandados de busca e apreensão na casa de um homem suspeito de usar dados de outras pessoas para receber o auxílio emergencial.

Ele também teria divulgado dados pessoais do presidente da caixa, Pedro Guimarães, e de familiares dele. O suspeito poderá responder por crimes de estelionato, ameaça e divulgação de dados sigilosos.