Dívidas


Como sair das dívidas? AM é o 3º Estado em número de endividados

O Amazonas ainda representa a maior porcentagem de adultos inadimplentes do Brasil entre dezembro de 2018 e de 2019. No levantamento, Roraima apareceu em primeiro lugar, com 61,9%, e o Amapá em segundo, com 53%.

Segundo o economista Wallace Meirelles, o brasileiro tem uma propensão a consumir. Falta ter essa mesma cultura para poupar e investir.
Segundo o economista Wallace Meirelles, o brasileiro tem uma propensão a consumir. Falta ter essa mesma cultura para poupar e investir. | Foto: divulgação

Manaus - De acordo com uma pesquisa realizada pelo Serasa Experian, o Amazonas apareceu como o terceiro Estado do país com a maior porcentagem de inadimplentes, em novembro do ano passado. Só o Estado amazonense, ficou em 55,5%, deixando para trás a média nacional, com 40% do número de pessoas que atrasaram o pagamento das contas. Esses dados fazem parte do último levantamento, realizado pelo serviço de informação, e publicado em janeiro deste ano.

O Amazonas ainda representa a maior porcentagem de adultos inadimplentes do Brasil entre dezembro de 2018 e de 2019. No levantamento, Roraima apareceu em primeiro lugar, com 61,9%, e o Amapá em segundo, com 53%.

No ano passado, economistas estavam esperançosos do crescimento da economia  em 2020. No entanto, com a pandemia, que veio inesperadamente, a realidade mudou diante de uma crise nacional e mundial. Segundo o economista e professor universitário, Wallace Meirelles, independentemente de crise, o brasileiro não é educado financeiramente. “De maneira cultural e educacional, o brasileiro tende a não se preocupar muito com a questão orçamentária. Porém, quem está desempregado precisa para sustentar a família e equilibras as finanças. Essa é uma crise mundial e a repercussão local é imediata”, afirma.

Realidade antes da pandemia

Apesar da crise, que aponta um aumento de atrasos previsíveis, os brasileiros apresentam números expressivos com o atraso do pagamento das dívidas nos anos anteriores. Para o economista, são necessárias estratégias para mudar essa realidade.

“Nós precisamos elevar a instrução do brasileiro. Com a renda minguante e a falta de conhecimento, é difícil fazer esse equilíbrio, principalmente quando tem uma família grande. Dentro da grade curricular nas escolas, por exemplo, pode-se ter disciplinas com noções de educação financeira. O auxílio emergencial do Governo Federal é uma necessidade. Mas o mesmo precisa criar uma política para voltar com atividades produtivas, porém, com segurança”, afirma.

De devedor a investidor

A professora Bruna Andriotto vivia preocupada com as dívidas. Bruna, que também é atriz, tinha uma dívida de R$70 mil. Sem saber o que fazer, começou a pesquisar sobre o assunto na internet. Encontrou no canal do YouTube o (Me Poupe!) e se inscreveu para participar de uma jornada com a intenção de sair das dívidas.

Depois de passar pela experiência, Bruna entendeu que a lapidação de hábitos negativos pode ser dolorosa, mas válida. “Aproveitar as oportunidades que aparecem, por exemplo, estar diante da Nathalia, que é especialista em finanças e estava disposta a me ajudar, foi transformador. Também aprendi a ouvir críticas construtivas e isso ajuda muito em minha evolução como pessoa e como profissional. E, claro, aprendi a cuidar do meu dinheiro e controlar meus impulsos”, revela.

Faltando apenas 20% da sua dívida para ser quitada, Bruna acabou investindo boa parte da renda. Ela contou à reportagem o segredo para sair das dívidas e como fez para passar de devedora a investidora. “Parar e olhar o orçamento, entender onde os gastos estão e começar a cortar o que for desnecessário, é fundamental. Grande parte dos brasileiros cresce sem educação financeira, então é preciso se permitir mudar e aprender. Pensar no futuro é outra coisa importante. Temos o péssimo hábito de querer tudo agora e esquecer que temos toda uma vida pela frente. Eu era muito assim, comprava sem ter condições para ter o desejo suprido na hora. Hoje me planejo muito mais para não faltar lá na frente”, descreve.

Saída

Para quem está nadando em dívidas e acha que não tem mais solução, ela dá algumas dicas. “Acredite que é possível, o primeiro passo começa na mente, depois você parte para a ação. Sei que parece difícil no começo, mas você carrega uma força tão grande dentro de si que nem imagina. Estipule um prazo, coloque sua força e seu foco nisso, comece vendendo as coisas paradas em sua casa e pensando em outras fontes de renda que você pode ter. Com constância e objetivo, você vai conseguir”, estimula.

 

Atualmente, Bruna faz parte da equipe do Me Poupe, com o quadro #TeViraLinda, ensinando pessoas a fazer renda extra para somar no orçamento.
Atualmente, Bruna faz parte da equipe do Me Poupe, com o quadro #TeViraLinda, ensinando pessoas a fazer renda extra para somar no orçamento. | Foto: Divulgação

 

 Educação financeira gratuita

Na pós-modernidade e com o avanço da tecnologia, é possível falar com quem está distante pela tela do celular, aprender um idioma ou mesmo contratar serviços e até se distrair com entretenimento. Contudo, é possível também aprender sobre o mundo das finanças, assim como a Bruna. No YouTube, por exemplo, existe um vasto conteúdo sobre educação financeira. Com canais como O Primo Rico, Me Poupe!, EconoMirna, Gustavo Cerbasi, entre outros, é possível deixar de brigar com o dinheiro e fazê-lo trabalhar para você.

A jornalista, especialista em finanças e criadora do Me Poupe, Nathalia Arcuri, criou um blog sobre o assunto em 2013 e hoje possui um canal no YouTube com mais de 5 milhões de seguidores. Por lá, pode-se encontrar informações para quem não sabe nem como começar essa jornada longe das dívidas. Com o aprendizado, se vê possibilidades como emprestar dinheiro para o Governo Federal através do Tesouro Direto e até a compreender que colocar dinheiro na poupança não é investimento.  

O Serasa Experian criou um curso on-line para quem quer aprender a organizar suas finanças. O curso é gratuito e pode ser encontrado no enderelço eletrônico: https://cloud.comunicacao.serasaexperian.com.br/curso-financeiro

Leia mais:

Como organizar as finanças em meio a crise?

Conheça 4 caminhos para ensinar crianças a lidarem com o dinheiro

Com limite milionário, pré-candidatos avaliam orçamento de campanha