Turismo


Turismo no Amazonas pode crescer até 40% com a chegada do fim do ano

Mesmo com a expectativa positiva, setor ainda enfrenta dificuldades em meio à pandemia

Mesmo com dificuldades, a expectativa para o setor é positiva | Foto: Divulgação

Manaus – A crise provocada pela pandemia fez com que o setor do turismo perdesse 49,9 mil estabelecimentos, com vínculos empregatícios, entre março e agosto de 2020, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens Serviços e Turismo (CNC). Mesmo assim, no Amazonas, proprietários de agências de turismo acreditam que o fim de ano pode trazer um crescimento de até 40% para o segmento.

De acordo com o dono da Rogertur, Ilson Rogério, a expectativa entre os empresários do setor é positiva para a chegada do fim do ano. “Com o novo decreto do governo, por conta do aumento de casos de Covid-19, voltamos a ter dificuldades com os pacotes locais, contudo, para fora, com as passagens áreas a procura aumentou 40% principalmente para esse fim de ano”, revela.

Rogério também esclarece que muitos clientes estão saindo mais de suas casas, agora que acreditam que o pior já passou. “Automaticamente eles estão procurando por pacotes turísticos. Muitos estão, inclusive, se programando para viajar mais em 2021, por terem passado muito tempo isolados e sem poder sonhar com uma oportunidade como essa”, explica.

Proprietário da Iguana Turismo, Wilson Castro, afirma que sua empresa está se preparando para uma retomada que será feita com muita cautela e que estima por bons resultados. “Ficamos muito debilitados financeiramente durante os meses mais críticos da pandemia, quando tudo paralisou. Perdemos cerca de 60%, em relação ao mesmo período do ano passado, mas acreditamos que podemos nos recuperar, mesmo que aos poucos”, declara.

Wilson afirma que sua empresa está se preparando para a retomada
Wilson afirma que sua empresa está se preparando para a retomada | Foto: Aprazzivel

Recuperação lenta

Mesmo com a estimativa, alguns empresários do ramo ainda estão passando por dificuldades dentro do setor. Um deles é Olímpio Carneiro, dono da Olímpio Carneiro Turismo. Segundo ele, sua empresa está sem investimento e precisando dispensar colaboradores, além de não ter sido contemplado com um aumento em suas vendas nos últimos meses.

“Com os feriados de fim de ano, a situação pode melhorar. Mas ainda vamos precisar de muito para uma recuperação completa no setor. Os clientes estavam começando a perder o medo, voltando a comprar, aí o governador pediu cautela novamente por conta dos novos casos e nós voltamos a ter dificuldades”, salienta o proprietário Olímpio.

Segundo o levantamento da CNC, a maior parte das atividades que compõem o turismo brasileiro permanece ainda sem perspectiva de recuperação significativa nos próximos meses, principalmente em virtude do caráter não essencial do consumo destes serviços. “A aversão de consumidores e empresas à demanda, somada ao rígido protocolo que envolve a prestação de serviços dessa natureza, tende a retardar a retomada do setor”, disse presidente da CNC, José Roberto Tadros.

“Amazone-se”

O Governo do Amazonas lançou, no sábado (03), a campanha digital “Amazone-se”, com vídeos promocionais do Estado, feitos pela influenciadora Vivian Amorim. A intenção é ajudar na retomada do turismo e divulgar a região como destino seguro para turistas brasileiros e estrangeiros no período pós-pandemia, de acordo com a Empresa Estadual de Turismo do Amazonas (Amazonastur). 

Influenciadora digital, Vivian Amorim
Influenciadora digital, Vivian Amorim | Foto: Divulgação

De acordo com a presidente da Amazonastur, Roselene Medeiros, a campanha coloca o Amazonas na vitrine, neste momento, em que os turistas voltam a programar viagens e buscam por localidades mais seguras. “Nosso turismo não é de aglomeração, por isso, lançamos essa campanha apresentando o Estado como destino seguro. Temos protocolos de biossegurança bem definidos”, destaca. 


Veja mais:

No AM, custo da construção civil sobe 1,21% em setembro

Comércio do Amazonas registra diversos resultados positivos em agosto

Indústria amazonense cresce 4,9% e supera patamar pré-pandemia