Emprego e renda


Saldo de empregos formais cresceu 195% no 3º trimestre no AM

Os números refletem as condições favoráveis para a retomada do crescimento econômico no Amazonas

O setor de serviços foi o que mais contribuiu para o resultado | Foto: Lucas Silva

O Amazonas registrou 45.581 contratações no mercado formal, no terceiro trimestre deste ano (julho a setembro), segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia. Considerando o saldo de empregos, que é a diferença entre admissões e demissões, foram criadas 16.814 vagas no estado, nesse período, um aumento de 195% em relação ao terceiro trimestre de 2019.

O setor de serviços foi o que mais contribuiu para o resultado, com 18.207 admissões e saldo de 5.715 vagas; seguido pela indústria, com 11.799 admissões e saldo de 6.067 vagas; e pelo comércio, com 10.820 contratações e saldo de 3.269 postos de trabalho. A faixa etária de 18 a 24 anos representou o maior número de contratações no período.

Os números refletem as condições favoráveis para a retomada do crescimento econômico no Amazonas, que foi bastante afetado pela pandemia do novo coronavírus, levando as autoridades de saúde a recomendarem medidas de restrição a atividades não essenciais para conter o avanço da doença e a pressão sobre a rede de saúde.

De acordo com o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação, Jório Veiga, o plano de reabertura gradual elaborado pelo Governo do Amazonas, que começou a ser executado no início de junho, possibilitou que as empresas voltassem a contratar.

“Sem dúvida, estamos atravessando uma fase de retomada das atividades econômicas que ficaram paralisadas, no todo ou em parte, para vários segmentos. É, também, a recuperação de vagas que haviam sido perdidas e voltam a ser ocupadas, o que é muito bom”, avalia ele.

Segundo Jório Veiga, a proximidade das festas de fim de ano significa um impulso a mais para a economia, principalmente no setor do comércio.

“Geram a oportunidade, muitas vezes, de os funcionários começarem como temporários e passarem a permanentes. Assim, fazer um bom trabalho e manter atitudes seguras farão a diferença e, possivelmente, garantirão os empregos”, completou o secretário.

*Com informações da assessoria