Economia


Conheça os 3 fatores que podem ajudar na recuperação da economia

O governo segue otimista com a retomada a crise causada pela pandemia de Covid-19 em 2020 e que afetou quase todos os setores

De acordo com o governo, serão três as principais variáveis: emprego, crédito e consolidação fiscal
De acordo com o governo, serão três as principais variáveis: emprego, crédito e consolidação fiscal | Foto: Lucas Silva

Manaus - A Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia acredita que o crescimento econômico do ano que vem ficará acima de 3%.

O governo segue otimista com a retomada a crise causada pela pandemia de Covid-19 em 2020 e que afetou quase todos os setores.

De acordo com o governo, serão três as principais variáveis que garantirão o bom desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) em 2021: emprego, crédito e consolidação fiscal.

A SPE diz que parte expressiva do desemprego causado neste ano ocorreu no setor informal, já que as medidas de distanciamento social implicaram no fechamento de diversos setores da economia por alguns meses, isolando as pessoas em casa.

Já no quarto trimestre de 2020, a secretaria espera uma queda no índice de desemprego com a reabertura da economia, pois os trabalhadores informais podem voltar a prestar seus serviços a pessoas e empresas.

“O padrão no Brasil era de que durante uma crise o desemprego fosse majoritariamente causado pelo setor formal da economia, e o contingente desempregado era em parte absorvido pelo setor informal", relata a secretaria em nota técnica "Considerações sobre a política econômica: objetivos e desafios para 2021".

Crédito para estimular economia

Além da redução do desemprego, a secretaria afirma que o canal de crédito será vital para promover a retomada econômica em 2021. A agenda envolve o aprimoramento do mercado de capitais no ano que vem para diminuir custos associados à burocracia e para garantir uso mais eficiente das garantias e recebíveis.

Já neste ano, durante a pandemia, o Conselho Monetário Nacional (CMN) adotou uma série de medidas que garantiu liquidez extra ao sistema financeiro de R$ 1,27 trilhão, o equivalente a 17,5% do PIB.

Esse valor, que antes estava bloqueado, passou a estar à disposição dos bancos para empréstimo a pessoas físicas e jurídicas.

O governo e o Congresso Nacional lançaram, ainda, quatro programas emergenciais de crédito para garantir dinheiro a taxas baixas de juros às empresas durante a pandemia.

Segundo a SPE, esses programas resultaram em cerca de R$ 103,5 bilhões de contratação de operações de crédito até setembro deste ano. Boa parte do valor vai para capital de giro, ou seja, para manter os negócios funcionando.

Pronampe

O Pronampe (Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte), uma das linhas de crédito especial criadas na pandemia, teve um sucesso tão grande que deve continuar em 2021. Porém, os juros devem aumentar um pouco e a carência para pagamento das parcelas, diminuir. Atualmente, os juros são de 1,25% ao ano mais taxa Selic e a carência é de oito meses.

O governo também deve reduzir de 80% para 25% a garantia de cobertura de perda caso o banco leve calote da empresa que contratou crédito via Pronampe. O programa é destinado a empresas com faturamento até R$ 4,8 milhões.

O dinheiro emprestado pode ser utilizado para capital de giro e investimento.

Consolidação fiscal

Também será importante para garantir a retomada em 2021 a consolidação fiscal, afirma o governo. A consolidação fiscal nada mais é do que garantir que as contas públicas do país fiquem sob controle.

Essa agenda começou com a aprovação da reforma da Previdência em 2019, mas foi interrompida em 2020 em virtude da pandemia de Covid-19.

O governo espera que o Congresso aprove as três propostas de emenda à Constituição (PEC) que tramitam no Senado Federal desde novembro de 2019: Pacto Federativo, Emergência Fiscal e Fundos Públicos. “Em seu conjunto, essas três PECs têm o poder de modernizar a gestão orçamentária, empoderar o Congresso Nacional nas questões referentes à elaboração do orçamento, fortalecer os entes federativos e promover a consolidação fiscal da União, estados e municípios brasileiros”, diz a SPE.

Reforma Administrativa

Outra PEC que precisa ser aprovada, na avaliação da secretaria, é a da reforma administrativa, encaminhada neste ano à Câmara dos Deputados.Ela tem potencial de gerar uma economia entre R$ 673,1 bilhões a R$ 816,2 bilhões em dez anos, mesmo sem atingir diretamente os servidores públicos atuais.

Por fim, o governo espera andar com sua agenda de privatizações e concessões, recursos que poderão entrar no caixa do Tesouro e servirão para abater a dívida pública e reduzir o déficit primário, respectivamente.

A dívida pública deve chegar a quase 100% do PIB neste ano em virtude dos gastos extras com a Covid-19. Já o déficit em 2021 está estimado em R$ 233,6 bilhões, segundo a peça orçamentária enviada ao Congresso.

Também deve contribuir para a redução da dívida pública brasileira – a maior entre os países emergentes – a devolução de dinheiro por parte dos bancos públicos e os repasses dos lucros cambiais do Banco Central.

Leia mais:

Nicolau planeja implantar Polo Digital para estimular economia

Governo e Sudam alinham projetos para desenvolvimento da Amazônia

Com a recessão na Argentina, queda de 34,11% atinge exportações na ZFM