Ranking


Região Norte ocupa última posição em Competitividade dos Municípios

O levantamento tem o objetivo de mostrar como a competição no setor público é um elemento fundamental à promoção da justiça, equidade e desenvolvimento econômico e social dos municípios

Foram avaliadas 405 cidades com mais de 80 mil habitantes, a partir de 55 indicadores
Foram avaliadas 405 cidades com mais de 80 mil habitantes, a partir de 55 indicadores | Foto: Reprodução

Manaus - Os municípios da Região Norte se destacaram de forma negativa na primeira edição do Ranking de Competitividade dos Municípios. A premiação é realizada pelo CLP (Centro de Liderança Pública), em parceria com a Gove e o SEBRAE. Mesmo com os resultados ruins, entre os melhores colocados está Manaus (AM), na 191ª posição.

Na premiação é analisada a capacidade competitiva das 405 cidades com mais de 80 mil habitantes do País. Dos 38 municípios da região Norte analisados, nenhum está entre os 60 primeiros colocados.

As cinco cidades menos competitivas do estudo estão localizadas no estado do Pará, respectivamente: Marituba (PA), Tucuruí (PA), Abaetetuba (PA), Tailândia (PA) e Moju (PA). Por outro lado, o município de Barueri (SP) se destaca como o mais competitivo do país, seguido por São Caetano do Sul (SP), São Paulo (SP), Florianópolis (SC) e Curitiba (PR).

Já os municípios melhores colocados na Região Norte são: Palmas (TO) em 67ª, Gurupi (TO) em 185ª, Manaus (AM) 191ª, Cacoal (RO) 240ª e Boa Vista (RR) na 241ª posição. Vale ressaltar o fato da região Norte ter apenas uma cidade entre as 100 mais competitivas da amostra.

Considerando somente as capitais da Região Norte, Palmas ficou na 7ª posição, seguida de Manaus (16ª), Boa Vista (21ª), Rio Branco (22ª), Belém (24ª), Porto Velho (25ª) e Macapá (26ª).

Quando se trata de Saneamento e Meio Ambiente, Itaituba (PA) e Manacapuru (AM) estão nas últimas colocações do pilar.

Análise e critérios

O levantamento tem o objetivo de mostrar como a competição no setor público é um elemento fundamental à promoção da justiça, equidade e desenvolvimento econômico e social dos municípios para garantir serviços públicos de mais qualidade à população.

Foram avaliadas 405 cidades com mais de 80 mil habitantes, a partir de 55 indicadores, distribuídos em 12 pilares temáticos e 3 dimensões consideradas fundamentais para a promoção da competitividade e melhoria da gestão pública dos municípios brasileiros.

Os pilares são: Sustentabilidade Fiscal, Funcionamento da Máquina Pública, Acesso à Saúde, Qualidade da Saúde, Acesso à Educação, Qualidade da Educação, Segurança, Saneamento e Meio Ambiente, Inserção Econômica, Inovação e Dinamismo Econômico, Capital Humano e Telecomunicações.

Mais colocações

O município menos competitivo, Moju (PA), ficou na última colocação tanto na dimensão Sociedade quanto em Economia, além de estar entre as últimas colocações na dimensão Instituições (393ª colocação).

Tailândia (PA), se encontra na penúltima colocação apresentando resultados ruins em todas as dimensões.

A terceira pior colocação no ranking geral para o município de Abaetetuba (PA) se justifica por ocupar algumas das últimas posições na dimensão Instituições e na dimensão Economia (401ª e 402ª colocação, respectivamente), alinhado ao desempenho insatisfatório na dimensão Social (384ª colocação). O município de Tucuruí (PA) está na última colocação na dimensão Instituições e também ocupa as últimas posições nas outras dimensões (383ª em Sociedade e Economia).

Marituba (PA) apresenta colocações desfavoráveis em todas as três dimensões: ocupa 398ª colocação em Instituições, 386ª em Sociedade e 396ª em Economia. Abaetuba (PA), Tailândia (PA) e Tucuruí (PA) estão entre as cidade com pior performance no pilar de Sustentabilidade Fiscal.

Nesse quesito, nenhuma cidade da Região Norte ficou no topo do ranking. Breves e Moju, também do Pará, estão no final da lista no pilar Acesso à saúde. Em Acesso à Educação, Breves (PA) novamente aparece com os piores indicadores, ao lado de São Félix do Xingu (PA).

CPL

O CLP (Centro de Liderança Pública) é uma organização suprapartidária que busca engajar a sociedade e desenvolver líderes públicos para enfrentar os problemas mais urgentes do Brasil. Há 12 anos, defende um Estado Democrático de Direito eficiente no uso de seus recursos e constituído sobre princípios republicanos.

"Depois de nove edições do Ranking de Competitividade dos Estados decidimos ampliar a análise competitiva da gestão pública também para a esfera municipal. Os recém-eleitos podem obter um amplo mapeamento dos desafios, direcionando, de forma mais precisa, a atuação das lideranças municipais para planejamento e atuação para aquilo que é prioritário. Na outra ponta, além de atrair novas empresas, também é uma ferramenta para cidadãos avaliarem e cobrarem de forma eficiente o desempenho dos formuladores de políticas públicas", afirma Tadeu Barros, diretor de Operações do CLP.

O evento será transmitido pelas redes sociais da TV Estadão e da TV Cultura , na quinta-feira, 19, às 9h30 e vai contar com a participação do fundador do CLP, Luiz Felipe d’Avila; do secretário do Tesouro, Bruno Funchal; do deputado Geninho Giuliani (DEM-SP); entre outros convidados. A mediação dos debates será comandada pela jornalista e apresentadora Renata Simões. Assista neste link.

*Com informações da assessoria

Veja mais:

Municípios do AM retornam com aulas presenciais nesta segunda (23)

No interior do AM, maioria dos prefeitos continua no poder

Eleições 2020: Urnas eletrônicas apresentam falhas no Amazonas