Fonte: OpenWeather

    Conselho Regional


    Corecon-AM elege nova presidência para mandato em 2021

    Os economistas Martinho Luís Gonçalves Azevedo e Michele Lins Aracaty e Silva foram eleitos presidente e vice-presidente, respectivamente, para a gestão do novo ano

     

    A eleição ocorreu durante a 1ª Sessão Plenária Extraordinária do ano, realizada de forma virtual
    A eleição ocorreu durante a 1ª Sessão Plenária Extraordinária do ano, realizada de forma virtual | Foto: Divulgação

    Manaus - O Conselho Regional de Economia (Corecon-AM) elegeu nova presidência da entidade para dirigir e representar a entidade durante o mandato de um ano: os economistas Martinho Luís Gonçalves Azevedo e Michele Lins Aracaty e Silva foram eleitos presidente e vice-presidente, respectivamente, para a gestão do conselho durante o ano de 2021.

    A eleição ocorreu durante a 1ª Sessão Plenária Extraordinária do ano, realizada de forma virtual na quarta-feira, em cumprimento aos protocolos e recomendações do decreto nº 43.269, de 4 de janeiro de 2021, do Governo do Amazonas que proíbe aglomerações pelo período de 15 dias.

    “Queremos tornar o Corecon-AM uma plataforma de discussão econômica Regional. Para isso, apresentamos quatro linhas de trabalho que vão de questões internas como planejamento e valorização profissional com benefícios e parcerias, até o fortalecimento e representação institucional junto à sociedade, contribuindo com as discussões e questões relevantes ao desenvolvimento econômico regional, de forma transparente e ética”, afirmou o novo presidente, Martinho Luís Gonçalves Azevedo.

    A vice-presidente, Michele Lins Aracaty e Silva, professora da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), ressaltou a integração que pretende promover, por meio de um conselho consultivo de economistas mais experientes, o intercâmbio de informações com novos economistas e também alunos dos cursos de graduação em Ciências Econômicas.

    “A publicação periódica das atividades bem como de estudos relacionados à área também é uma das formas de contribuirmos com a aproximação da produção de conhecimento e da geração de dados que possam contribuir com a sociedade em geral”, disse a vice.

    Os economistas Marcus Evangelista e Nelson Azevedo, eleitos em outubro de 2020 para renovação do terço de conselheiros efetivos e suplentes, também postularam a candidatura à presidência.  

    Participaram da reunião, convocada no dia 21 de dezembro, os conselheiros: Nilson Tavares Pimentel, Martinho Luis Gonçalves Azevedo, Francisco de Assis Mourão Junior, Michele Lins Aracaty e Silva, Lena Andrea Lima Muniz, Leonardo Marcelo dos Reis Braule Pinto, Anderson Barroso Grimm e Arlene Gomes de Sousa e os novos membros eleitos Marcus Anselmo da Cunha Evangelista, Nelson Azevedo dos Santos, José Guilherme Fonseca de Azevedo, além da conselheira suplente eleita, Amanda Carla Torres Nascimento Evangelista.

    Nova presidência

    Martinho Luís Gonçalves Azevedo é graduado em Ciências Econômicas pela Ufam. Possui mestrado em Desenvolvimento Regional pela mesma instituição. Atualmente é diretor-consultor da empresa Azevedo Consultoria e Participações. 

    Michele Lins Aracaty e Silva é graduada em Ciências Econômicas pela Ufam. Possui doutorado em Desenvolvimento Regional pela Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC); mestrado em Desenvolvimento Regional pela UFAM; especialização em Desenvolvimento Regional pela mesma instituição local; é especialista ainda em Gestão e Docência do Ensino Superior pelo Centro de Ensino Literatus (UNICEL). É organizadora de nove livros publicados na área econômica; Possui trabalhos publicados em capítulos e livros e em revistas na área de Desenvolvimento Regional e Sustentável, Amazônia, Novas Economias, Economia do Crime e Vulnerabilidade Social. Atualmente, pertence ao quadro de docentes do Departamento de Economia e Análise da Ufam. 

    *Com informações da assessoria

    Veja mais:

    Redução do auxílio e inflação prejudicam famílias amazonenses

    CDL-Manaus prevê aumento de 7% nas vendas da Black Friday

    Com fim do auxílio, população deve buscar negócios próprios