Fonte: OpenWeather

    Indústria


    Indústria amazonense cresce 3,4%, mas acumula retração no ano

    No acumulado do ano, período de janeiro a novembro de 2019, a variação foi negativa (7,2%)

     

    O desempenho de 3,4% colocou o estado na terceira posição entre as outras unidades da federação
    O desempenho de 3,4% colocou o estado na terceira posição entre as outras unidades da federação | Foto: Reprodução/UOL

    Manaus - A Pesquisa Industrial Mensal, divulgada nesta semana, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que, na comparação com outubro de 2020, a indústria amazonense registrou em novembro uma variação de 3,4%. Enquanto a média nacional foi de 1,2%, em novembro de 2020.

    Quando se compara com mesmo mês do ano anterior, houve crescimento de 7,8%. No acumulado do ano, período de janeiro a novembro de 2019, a variação foi de -7,2%, depois de -8,9% no mês anterior. A nível Brasil, o desempenho da indústria, no mesmo período, está em -5,5%. Já o desempenho dos últimos doze meses, em novembro de 2020, ficou em -6,0%, contra -5,2% de desempenho nacional.

    O desempenho de 3,4% colocou o estado na terceira posição entre as outras unidades da federação. Os piores desempenhos ficaram por conta de: Pará com -5,3%, Mato Grosso com -4,3% e Pernambuco com -1,0%. E os melhores ficaram por conta de: Bahia com 4,9%, Rio Grande do Sul com 3,8% e Amazonas com 3,4%.

    Variação mensal e anual

    O desempenho da indústria amazonense de 7,8% em novembro colocou o estado do na 5ª posição entre as outras unidades da federação. Os piores desempenhos ficaram por conta de: Mato Grosso com -18,4%, Rio de Janeiro com -7,0% e Pará com -4,6%. E os melhores ficaram por conta de: Paraná com 14,0%, Santa Catarina com 11,1% e Pernambuco com 10,0%.

    No acumulado do ano, o desempenho da indústria amazonense de -7,2% em novembro colocou o Amazonas na posição intermediária entre as outras unidades da federação. Os piores desempenhos ficaram por conta de: Espírito Santo com -15,9%, Ceará com -8,2% e Rio Grande do Sul com -7,4%. E os melhores ficaram por conta de: Pernambuco com 3,2%, Rio de Janeiro com 0,5% e Goiás com 0,4%.

    Desempenho por atividades

    Em novembro, as indústrias extrativas tiveram resultado de –9,9% em relação a novembro de 2019, e as de transformação, resultado de 8,7%.

    Algumas atividades da indústria local tiveram bom resultado em novembro que contribuíram para esse desempenho, a saber: fabricação de produtos de borracha (26,8%), fabricação de equipamentos de informática e eletrônicos (17,5%), fabricação de bebidas (13,5%), fabricação de máquinas e equipamentos e materiais elétricos (12,7%).

    Além de outros equipamentos de transportes (11,3%), indústria da transformação (8,7%), fabricação de máquinas e equipamento (5,8%), fabricação de produtos de metal (0,5%), fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis (0,3%.

    Nesse mês, outras atividades tiveram desempenho negativo, tais como: Indústria extrativa (-9,9%) (óleo bruto de petróleo), Impressão e reprodução de gravações (-73,5%) (DVDs e discos).

    *Com informações do IBGE

    Veja mais:

    David Almeida deve ser um facilitador para investidores na Zona Franca

    No Amazonas, volume de exportações apresenta maior alta em seis anos

    PIM deve fechar o ano com faturamento de R$ 15,2 bi, avalia Fieam