Fonte: OpenWeather

    Emprego


    IBGE incentiva que as pessoas respondam à PNAD Contínua no AM

    O IBGE informa que precisa das respostas da população procurada pela pesquisa para continuar a trazer os dados sobre o trabalho, emprego, rendimento e escolaridade

     

    No Amazonas, a rede de coleta da Pnad tem cerca de 70 pesquisadores que trabalham continuamente para obter as informações em mais de 1.700 domicílios do Estado todo mês
    No Amazonas, a rede de coleta da Pnad tem cerca de 70 pesquisadores que trabalham continuamente para obter as informações em mais de 1.700 domicílios do Estado todo mês | Foto: Arquivo/Agência Brasil

    Manaus - Devido à pandemia da Covid-19, desde março do ano passado, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) passou a fazer a coleta de informações para a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) por telefone, para assegurar a saúde de entrevistados e entrevistadores. Contudo, realizar a pesquisa por telefone, e não presencialmente como antes, trouxe desafios adicionais à Instituição, como levantar os números para contato dos informantes e, também, fazer esforços para que os entrevistados atendam e respondam ao IBGE.

    No Amazonas, a rede de coleta da Pnad tem cerca de 70 pesquisadores que trabalham continuamente para obter as informações em mais de 1.700 domicílios do Estado todo mês. Os dados da pesquisa são referentes aos principais indicadores sociais como trabalho, rendimento, educação e moradia.

    Segundo a coordenadora de Coleta da Pnad Contínua no Amazonas, Edineia Macedo, para fazer as entrevistas, o instituto precisou levantar os números de telefone de entrevistados para formar o cadastro, mas a coordenadora explica que, principalmente na zona rural do Estado, não há telefone em muitos dos domicílios, e ainda há recusa de alguns informantes para responder à pesquisa.

    “São várias dificuldades que a gente encontra. Há setores em que muitos dos domicílios não têm telefone, mesmo assim buscamos o contato de algum vizinho que conheça o morador do domicílio que procuramos. Até mesmo quando a gente liga para o morador, mesmo explicando a pesquisa, explicando que há total sigilo das informações prestadas, ainda tem morador que fala que não vai responder por telefone”, explica a coordenadora.

    Conforme destaca a chefe substituta do IBGE no Estado, Alexsandra do Nascimento, “neste momento de pandemia, no qual toda a sociedade está sendo impactada, é ainda mais importante conhecer a situação em que a população se encontra para que as autoridades públicas possam desenvolver ações que possam melhorar as condições de vida da população, como a quantidade de vacinas necessárias, ações através de programas sociais, investimentos em moradias, que só são possíveis através dos levantamentos realizados pela Pnad Contínua”.

    Alexsandra ressalta também que as pessoas não precisam ter receio de prestar informações ao IBGE, e que os entrevistadores do Instituto não pedem códigos nem enviam links, nunca solicitam dados bancários e nem números de documentos.

    O informante pode conferir a identidade do agente de pesquisa

    Ao receber o telefonema para a entrevista da Pnad Contínua, o morador pode solicitar o número do RG, CPF ou da matrícula do agente e checar a identidade por meio do portal Respondendo ao IBGE, ou pela Central de Atendimento, pelo telefone 0800-7218181, que funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, e das 10h às 14h, aos sábados, domingos e feriados.

    Dados mais recentes da PNAD Contínua para o Amazonas mostraram maior nível de ocupação e mais trabalhadores por conta própria e na informalidade.

    A última divulgação da PNAD Contínua para o Amazonas revelou que o nível de pessoas ocupadas cresceu 1,9 pontos percentuais do segundo trimestre (abril, maio e junho) para o terceiro trimestre (julho, agosto e setembro), totalizando 1 milhão e 549 mil pessoas ocupadas no Estado. Apesar da melhora no índice de ocupação, a pesquisa mostrou alta na taxa de trabalhadores por conta própria (33,3%) e de informalidade no Estado (56,4%).

    Para que serve a pesquisa

    A PNAD Continua é uma pesquisa domiciliar que produz informações básicas para o estudo do desenvolvimento socioeconômico do País e dos Estados. Além disso, ela permite a investigação contínua dos indicadores conjunturais de trabalho e rendimento.

    Essa pesquisa constitui o principal instrumento para monitoramento da força de trabalho no Estado. Seus resultados têm um amplo potencial de uso e aplicabilidade. Fornecem, por exemplo, informações detalhadas sobre a ocupação e desocupação no mercado de trabalho que estão entre os principais indicadores sobre o desempenho da economia. Além disso, representa uma importante fonte para o conhecimento e o planejamento socioeconômico do País e suas Unidades da Federação.

    *Com informações do IBGE

    Veja mais:

    No Brasil, serviços registram queda de 7,8% em 2020

    No AM, setor de serviços cresce no mês e fecha o ano com alta de 0,5%

    Doze locais tiveram queda na produção industrial em 2020