Fonte: OpenWeather

    Negócios


    Em Manaus, empreendedoras recorrem às redes sociais para vender

    Conheça as histórias de empreendedoras que conseguiram alavancar os negócios através das mídias sociais

     

    Uma das empreendedoras já conta com mais de 40 mil seguidores em uma rede social, aumentando significadamente as vendas do negócio
    Uma das empreendedoras já conta com mais de 40 mil seguidores em uma rede social, aumentando significadamente as vendas do negócio | Foto: Arquivo pessoal

    Manaus - Com a crescente alta do desemprego formal, abrir o próprio negócio foi uma saída usada por alguns amazonenses para driblar a crise. De janeiro a maio de 2021, 3.429 novos empreendimentos surgiram no estado, segundo dados da Junta Comercial do Estado do Amazonas (Jucea).

    Apesar da criação de novos negócios no Amazonas, os empreendedores foram obrigados a migrar para a internet e, principalmente, às redes sociais, devido às medidas restritivas da pandemia, na primeira onda no estado, em 2020, e na segunda, no início deste ano. 

      Ao aderir essa nova ferramenta, o que era vista antes da pandemia como uma forma de vitrine, atualmente se mostra obrigatória para quem quer vender, seja através de sites de comunicação instantânea ou de mídias sociais.  

    A cabeleireira Camila Costa, 28, sabe a importância dessa ferramenta para o funcionamento de seu negócio. Hoje, 90% dos clientes vêm da internet e 10% do ‘boca a boca’.

    "

    Mesmo que eu tenha um espaço na rua principal, antes de entrar no meu salão, todo mundo vai primeiro no Instagram "

    Camila Costa, cabeleireira

     

    Camila estudava odontologia, mas se viu obrigada a abandonar o curso no 9º período por falta de dinheiro. Após entrar para o ramo de beleza, conseguiu montar seu próprio salão em Manaus e hoje investe no perfil virtual do empreendimento, que ela mesma cuida. "No começo não tinha noção do que postar exatamente, e divulgava imagens que achava bonitas, baseadas em perfis de outros salões. Nunca fiz consultoria, fui aprendendo sozinha”, explica.

     

    A empreendedora Camila usa o humor para aumentar sua rede de seguidores nas mídias sociais
    A empreendedora Camila usa o humor para aumentar sua rede de seguidores nas mídias sociais | Foto: Divulgação/Arquivo pessoal

     Um artifício que a empreendedora usa é explorar as ferramentas da própria rede, como o reels, onde posta vídeos humorados, relacionamos ao tema de beleza, ou vídeos do processo de trabalho.

    "

    Passei a ganhar bastante seguidores fazendo isso. Quando comecei a aparecer, tive que deixar a vergonha de lado e passei a ter mais credibilidade com os clientes vendo em mim a unha pintada, o cabelo bonito. Isso dá mais segurança para eles "

    cabeleireira, Camila Costa

     

    O perfil na rede social também ajudou durante a pandemia, pois era sua forma de mostrar aos clientes que estava atendendo de forma segura e organizada.

     

    | Foto: Acervo pessoal

    Caminho inverso

      Enquanto muitos abrem um negócio físico e depois migram para o virtual, Camila Lozovoi, 23, fez um caminho diferente. Há três anos começou a vender produtos de papelaria direto pela internet e, pouco tempo depois, decidiu abrir uma loja física.  

    Mesmo com o conjunto das duas formas de venda ter sido importante para o crescimento do negócio, Camila diz que o ponto físico, além de ocupar muito de seu tempo, esbarrou em questões burocráticas. “Decidimos fechar e manter o online, pois teríamos muito mais "liberdade" de horário para conseguir conciliar todos os pontos que precisávamos”, ressalta.

     A empreendedora ainda conta que, mesmo com um curso de composição de foto no currículo, o processo de criação de conteúdo da loja para as redes sociais, na verdade, sempre foi muito intuitivo. “Eu ia observando, separando o que me agradava e estudando sozinha, os ângulos, os estilos de foto, e ia testando. Comprei várias luminárias, estilos de lâmpadas. Demorei muito para chegar a um ponto que me agradasse de forma satisfatória. Sou muito exigente com os meus conteúdos", relata Camila.

    Com a ajuda da família em outros setores da loja, o perfil no Instagram, hoje com mais de 40 mil seguidores, é a única ferramenta que ela faz questão de cuidar absolutamente sozinha.

    "

    É muito difícil você conseguir passar para alguém a essência de um negócio. Para alguém, pode ser só mais uma rede para ser gerida, mas, para mim, é a nossa conexão com nossos clientes, é o propósito e todo o significado do nosso trabalho. E, como hoje em dia só trabalhamos online, é onde não podemos errar "

    Camila Lozovoi, empreendedora

     

     E a estratégia dá certo. Ela lembra que as pessoas estão exaustas de propaganda o tempo todo, e que vai tentando achar um equilíbrio. “O processo de compra hoje em dia está mudando. Sabe quando eu mais faço vendas? Quando posto os bastidores, falo sobre a minha vida, meu processo de empreender. Um vídeo nosso fazendo conteúdo mais leve e humorado bate mais de 30 mil visualizações e tem um número significativo em vendas. Um vídeo explicando como funciona um produto não tem nem a metade”.

      Mas Camila alerta que não adianta ter uma rede social com um ‘feed perfeito’, se não sabe ouvir, cativar e se relacionar com o seu cliente.  

    Humor como ferramenta

    Esse expositor virtual também alcança o nicho de serviços, indo desde limpadores de piscina a profissionais da saúde. Andréa Cordeiro, 35, é dentista há 10 anos, e começou seu perfil no Instagram naturalmente, apenas para mostrar sua vida pessoal. Porém, como a odontologia faz parte de sua rotina, a profissão acabou tomando conta do espaço também.

     

    Vídeo em que a dentista aparece dançando com uma cliente viralizou no Instagram, Tik Tok e Twitter
    Vídeo em que a dentista aparece dançando com uma cliente viralizou no Instagram, Tik Tok e Twitter | Foto: Acervo pessoal

      Com mais de 14 mil seguidores na rede, ela busca atrair clientes através do humor. Andréa, que sempre foi extrovertida, não tem vergonha de se expor, de uma forma menos convencional em sua área de atuação. E tem dado certo: um de seus vídeos já foi visto mais de 10 milhões de vezes.  

     “Desde esse vídeo, já fiz mais de 200 agendamentos. Estou tratando muitos pacientes novos, agenda completamente lotada. Sempre tive redes sociais, porém, nunca fui a 'expert’. Tenho muita coisa ainda para aprender, principalmente com edições de vídeos", declara.

    Mesmo com o sucesso nas mídias, Andréa, que também nunca fez consultoria, planeja investir mais ainda na rede, melhorando seu equipamento de captação e trabalhando com fotógrafos profissionais.

     

    Andréa ressalta que ainda tem muito que aprender para melhorar seu desempenho nas redes
    Andréa ressalta que ainda tem muito que aprender para melhorar seu desempenho nas redes | Foto: Acervo pessoal


    Imagem e estratégia

    A consultora de imagem Renata Levy lembra que cuidar da imagem é essencial para quem quer se expor nessa vitrine de pessoas e produtos, usada como um diferencial para os negócios.

    "

    Em vez de colocar uma imagem qualquer, de desleixo, colocar algo que a gente pensou, que tem tempo envolvido, tem muito mais valor para o outro que colocar qualquer foto. A imagem precisa ser usada com uma intenção "

    consultora de imagem, Renata Levy

     

    Para Ícaro Gaspar, especialista em estratégia empresarial, uma dica importante para os empreendedores atraírem clientes e potencializarem os negócios através das redes sociais é ter uma estratégia de conteúdo e uma constância de entrega desse material. “Isso não significa todo santo dia, mas um dia sim, um dia não, por exemplo. Se você tem constância, é meio caminho andado para ter sucesso na atração de clientes”.

      O consultor lembra que no cenário, antes da pandemia, já existia uma valorização das empresas sobre as mídias sociais, porém, a crise acelerou esse processo de integração, previsto para se desenvolver em dez anos, o que aconteceu em apenas um ano.  

    Segundo Gaspar, se o negócio não estiver na internet, está fadado ao fracasso, porque o concorrente vai estar. “Você precisa construir uma estratégia de multicanal onde consiga atender pelo telefone, WhatsApp e site. É necessário entregar o serviço em mais de um canal, mais que o presencial. É a corrida entre você e o seu concorrente”. Ele destaca ainda a importância de humanizar o negócio dentro da internet e de se ter uma mentoria para que o empreendimento possa ir mais longe.

     

    A consultoria pode ser um diferencial para os empreendedores nas redes sociais
    A consultoria pode ser um diferencial para os empreendedores nas redes sociais | Foto: Divulgação

    Movimentando a economia

    Na crescente onda de desemprego, impulsionada pela crise sanitária, o empreendedorismo se tornou uma alternativa econômica viável para geração de emprego e renda. 

    Como ressalta a economista Denise Kassama, as micro e pequenas empresas são responsáveis pela geração de quase 70% de empregos no Brasil e, em relação à realidade amazônica, a expectativa é otimista.

    "

    Um pequeno negócio demonstra que o [amazonense] não está parado perante a crise, e sim buscando alguma alternativa. Dessa forma, o empreendedor pode gerar empregos diretos e indiretos, uma vez que, além de adquirir insumos, gerando movimentação na cadeia econômica, gera renda para consumo. Políticas públicas de estímulo e apoio as iniciativas empresariais também são importantes para a sustentabilidade do sistema econômico nesse momento tão difícil que o país e o estado do Amazonas atravessam "

    Denise Kassama, economista

     


    Leia mais:

    Empreendedora conta como o chocolate mudou sua vida

    Projeto E-commerce vai ajudar na venda de artesanatos do Amazonas

    Projeto "Idoso Empreendedor" é aceito pelo governo do AM


    <<<<<<< HEAD ======= >>>>>>> e5a666b371d90e4920345db9572e28a6ed1fabe8