Fonte: OpenWeather

    DIFICULDADE ALIMENTAR


    Alta no preço dos alimentos afeta consumo das famílias de Manacapuru

    Devido à alta de preços, os moradores de Manacapuru enfrentam dificuldades para comprar itens essenciais para compor a alimentação básica da família.

     

    Moradores já encontram dificuldades para comprar produtos da cesta básica
    Moradores já encontram dificuldades para comprar produtos da cesta básica | Foto: Agência Brasil

    A inflação cresceu bastante desde 2002 e, agora, está castigando duramente a vida dos brasileiros. Em Manaus, as famílias amazonenses foram afetadas devido à alta nos custos, mas, no interior do Amazonas, vários habitantes também estão sentindo, até mais duramente, a subida de preços. No município de Manacapuru (distante 98 quilômetros de Manaus), por exemplo, os moradores já encontram dificuldades para comprar produtos da cesta básica. 

    Conforme a pesquisa do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPCA), a inflação no Brasil cresceu 0,96% em julho deste ano. A alta é a maior desde 2002, quando chegou a 1%, e além de afetar diversos segmentos de compras, afeta duramente os preços dos alimentos. Com isso, a tendência é que, cada vez mais, brasileiros encontrem obstáculos para se alimentarem de maneira adequada.

    Moradora da zona rural de Manacapuru, a agricultora Josiane da Silva Ferreira, de 28 anos, declara que a alta de preços já chegou nos pratos da família. Mãe de três crianças e a principal provedora da casa, a mulher conta que o dinheiro só dá para comprar o básico.

     

    Em Manacapuru, vários habitantes também estão sentindo, até mais duramente, a subida de preços
    Em Manacapuru, vários habitantes também estão sentindo, até mais duramente, a subida de preços | Foto: Agência Brasil
    "

    Está muito difícil. O pouco que ganho só ta dando para comprar o básico, como o arroz, feijão e macarrão. Nem o frango tá dando para comprar mais. Os preços estão muito altos e com o pouco que ganho só consigo comprar isso para alimentar meus filhos. "

    Josiane da Silva Ferreira, Agricultora

    Os produtos que mais subiram nesse período são: frango, leite, carne e tomate. Além desses, óleo de soja, arroz e feijão, que já estavam subindo de valor nos meses anteriores, também tiveram um aumento nos preços. Esses são, justamente, os alimentos que são mais consumidos pelas famílias brasileiras.

    Cheia ajudou a piorar o cenário

     

    A agricultora Alcineila perdeu a plantação durante a cheia de 2021
    A agricultora Alcineila perdeu a plantação durante a cheia de 2021 | Foto: Reprodução

    A cheia histórica de 2021 ajudou a piorar o cenário de adversidade das famílias de Manacapuru. A agricultora Alcineila Ferreira do Nascimento, de 38 anos, moradora de Ajaratubinha, na zona rural de Manacapuru, relata que ainda sente os efeitos drásticos da enchente, e a família atravessa um período de dificuldades financeiras.

    "

    Está muito difícil. Não estamos tirando nenhum produto para vender e isso acaba prejudicando nosso sustento, e afetando a nossa alimentação. "

    Alcineila Ferreira do Nascimento, Agricultora

    A alternativa para a família é viver da pesca. O principal alimento na casa dos agricultores é o peixe. No entanto, até assim, é complicado, pois, nem todos os dias eles conseguem pescar o prato principal do dia. “Estamos sobrevivendo a base do peixe, isso, quando nós conseguimos pescar. Quando não, é só no arroz e feijão, que também não está barato”, desabafa.

    O cenário de insegurança alimentar em que Alcineila e Josiane se encontram é o mesmo ao de vários manacapuruenses. Mesmo com a decida das águas, a dificuldade financeira permanece e os agricultores, que perderam toda a safra, plantam todos os seus produtos novamente na busca de um sustento digno para a família.

    Ajuda da prefeitura que não vem

     

    A cheia histórica de 2021 ajudou a piorar o cenário de adversidade das famílias
    A cheia histórica de 2021 ajudou a piorar o cenário de adversidade das famílias | Foto: Vanessa Lemes

    O horizonte de desesperanças vivenciado pelas moradoras é apenas aliviado pelos benefícios dos programas sociais do Governo Federal que elas recebem, como o auxílio emergencial e o Bolsa Família. Sem ajuda da Prefeitura de Manacapuru, as famílias relatam dificuldades para conseguirem se reerguer.

    Segundo as agricultoras, a Prefeitura Municipal não buscou ajudar os trabalhadores afetados pela cheia. Alcineila acredita que, caso o poder público do município ajudasse, os agricultores não estariam com tantas dificuldades.

    Para Alcineila, uma coisa que poderia minimizar esse problema da falta de alimentos no prato dos manacapuruenses é a disponibilização de um auxílio municipal, também a entrega de cestas básicas, como ocorreu em outros municípios amazonenses.

    "Se eles disponibilizassem um auxílio ou até mesmo um 'rancho', já seria de enorme ajuda no nosso dia a dia. Não estamos passando fome, mas é tudo feito com muita dificuldade para poder ter o que comer", revela a agricultora. 

    Leia mais: 

    Governo propõe salário mínimo de R$ 1.169 para 2022

    Inflação em alta serve "prato amargo" na mesa dos amazonenses

    Custo da cesta básica aumenta e afeta qualidade de vida no Amazonas