Fonte: OpenWeather

    Alíquota


    Governo vai reduzir impostos sobre importação de absorventes e fraldas

    A decisão ajudará a resolver o problema da falta de acesso a produtos básicos de higiene por parte da população

     

    Decisão ajudará a resolver o problema da falta de acesso a produtos básicos de higiene por parte da população
    Decisão ajudará a resolver o problema da falta de acesso a produtos básicos de higiene por parte da população | Foto: Reprodução da Internet

    O Comitê Executivo de Gestão (Gecex) da Câmara de Comércio Exterior (Camex), do Ministério da Economia, aprovou a redução de impostos cobrados sobre a importação de absorventes e fraldas. Para os dois itens, a alíquota caiu de 12% para 10%.

      A Camex também aprovou a diminuição do Imposto de Importação sobre um dos principais insumos desses produtos, conhecido como SAP. A alíquota sobre a compra desse item de fornecedores estrangeiros baixou de 8% para 7%.  

    De acordo com a pasta, a decisão ajudará a resolver o problema da falta de acesso a produtos básicos de higiene por parte da população. 

    Energia renovável

      A Camex ainda reduziu a alíquota de importação de diversos produtos vinculados à energia renovável produzidos no exterior. A alíquota de painéis solares cairá de 12% para 6%. Para determinados tipos de bateria de lítio, passará de 18% para 9%. A tarifa para conversores de corrente contínua cairá de 14% para 7%. Para componentes de reatores nucleares, a alíquota de 14% será zerada.  

    Em nota, o Ministério da Economia afirmou que a medida segue os compromissos do país na área ambiental e ajuda a reduzir o custo da energia. Segundo a pasta, a decisão beneficiará diversos setores da economia e os consumidores finais ao estimular a produção e a comercialização de fontes limpas de energia.

    As decisões serão publicadas no Diário Oficial da União nos próximos dias. 

    Covid-19

    Também na reunião desta quinta-feira (18), a Camex decidiu estender, até 30 de junho de 2022, a resolução que zera o Imposto de Importação sobre 643 itens usados no combate à pandemia de covid-19. A lista inclui medicamentos, equipamentos hospitalares, itens de higiene pessoal e outros insumos.

    O órgão zerou ainda o Imposto de Importação para barcos a vela, a pedido do Ministério do Turismo. A medida, informou o Ministério da Economia, pretende fomentar o turismo náutico no Brasil, ampliando o uso desse tipo de embarcação como ativos econômicos e instrumentos de trabalho, como a promoção de charters (viagens fretadas) náuticos e de roteiros de turismo de pesca.

    Leia mais:

    Dignidade menstrual, muito mais do que acesso a absorventes

    Senadoras defendem derrubada do veto à distribuição de absorventes

    Bancada feminina critica veto à distribuição gratuita de absorventes