Fonte: OpenWeather

    Economia


    Fundo para empréstimos no Amazonas é ampliado em 24%

    Só o setor rural nos município do interior recebeu no passado R$ 30,7 milhões – foto: Joel Rosa
     
     
     
    O volume disponível para empréstimos no Amazonas deverá ser ampliado este ano em pelo menos 24%, de acordo com os dados divulgados nesta segunda-feira (21) pela Agência de Fomento do Estado (Afeam).
    O orçamento previsto é de R$ 123 milhões que serão disponibilizados para empreendimentos nos três setores da economia.
    Segundo o presidente do órgão, Pedro Falabella, o interior terá prioridade nas ações com a perspectiva de receber pelo menos 60% do total de recursos.
    Falabella explicou que o plano de ações de crédito da Afeam para o interior é baseado no programa Amazonas Rural, criado pelo governador Omar Aziz para reestruturar o setor agrícola.
    “Vamos tentar melhorar a nossa produção investindo nos arranjos produtivos. Queremos que as coisas aconteçam de forma que o produtor consiga plantar, vender e também nos pagar. Essas mudanças do Amazonas Rural devem dar destaque aos setores produtivos. Na piscicultura, por exemplo, esperamos tornar o Estado autossuficiente na produção dos peixes”, disse o presidente da Afeam. 
    Ano passado, a Afeam apresentou crescimento no número de operações de crédito. Foram 6.705 operações, aumento de 1,7% na comparação com a quantidade registrada em 2011.
    Em 2012, a agência de fomento liberou R$ 98,8 milhões por meio de operações de financiamento. Desse montante, R$ 52,2 milhões foram para operações no interior e R$ 46,5 milhões na capital. Com isso, foram geradas ou mantidas 19,5 mil ocupações econômicas, conforme o órgão.
     O setor de comércio e serviços ficou com a maior parte dos recursos financiados no Estado, respondendo por 51% do total. Foram R$ 50,3 milhões do total de crédito concedido e 3.824 operações na capital e interior. Com os investimentos, a estimativa é que tenham sido criadas 10,4 mil ocupações econômicas no mercado de trabalho. 
    Na sequência, o setor rural aparece com 33% do volume de crédito contratado no Estado. Foram liberados R$ 32,3 milhões para a atividade rural, sendo que R$ 30,7 milhões foram operações realizadas nos municípios do interior.
    A indústria obteve R$ 16,1 milhões em financiamento concedidos pela agência de fomento tanto na capital quanto no interior.