Fonte: OpenWeather

    'Agosto lilás' no AM


    Vídeo: mulheres levam cerca de 10 anos para denunciar agressões

    A lei de amparo e proteção à mulher no Amazonas é tema do programa 'Conversa Franca' desta sexta-feira (16)

    O "Agosto lilás" é lei no Amazonas
    O "Agosto lilás" é lei no Amazonas | Foto: Mayson Dantas

    Manaus-  Para comentar sobre o tema de proteção à mulher, o programa "Conversa Franca" da WEB TV Em Tempo, apresentado pela jornalista Tatiana Sobreira, recebeu nesta sexta-feira (16) a secretária titular da Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (SEJUSC) Caroline Braz, que tirou dúvidas sobre o "Agosto lilás" e suas ações no Amazonas. 

    A lei Maria de Penha comemora em 13 anos em 2019 e o mês de agosto é totalmente voltado para ação de proteção à mulher, portanto "Agosto lilás" já faz parte do calendário como lei e mobilização total pela causa.

    Ações

    Houve um aumento significativo no número de denúncias
    Houve um aumento significativo no número de denúncias | Foto: Mayson Dantas

    Entre as ações destacada por Caroline Braz está o trabalho com mulheres no sistema penitenciário do Amazonas. A secretária afirma que trata-se de um passo importante para resgate de mulheres que hoje respondem por crimes nas penitenciárias. 

    "Essas mulheres precisam de atenção, algumas delas são invisibilizadas, muitas estão ali por relacionamentos abusivos ou porque cometeram crimes em proteção ao parceiro que também está no crime.", afirma Caroline.

    Como juíza, Caroline Braz teve a experiência de julgar apenas casos de violência contra a mulher no estado de Roraima. "Foi o meu primeiro contato com esse tema, percebemos que muitas mulheres tinham vergonha ou medo de denunciar, mas hoje esse quadro tem mudado no Amazonas."

    Dentro das escolas o trabalho está sendo feito com as crianças e adolescentes por meio de concurso cultural com produção de redação, cartaz, música e teatro. Ao final visa premiar as melhores produções e com isso inserir os estudantes no universo da mulher e dos seus direitos.

    A jornalista Tatiana Sobreira recebeu a secretária da SEJUSC no programa "Conversa Franca"
    A jornalista Tatiana Sobreira recebeu a secretária da SEJUSC no programa "Conversa Franca" | Foto: Mayson Dantas

    No mês de julho o Centro de Referência de Atendimento à Mulher (CREAM), capacitou 80 mulheres com cursos para inseri-las no mercado de trabalho, entre os cursos estão de penteados, curso de balões e outros. O centro funciona na avenida Presidente Kennedy, no bairro Educandos, zona sul de Manaus. 

    Aumento de denúncias

    Com o aumento significativo das denúncias de violência contra a mulher no Estado, a entrevistada conta que esse número é positivo, pois as mulheres hoje têm mais coragem de denunciar seus agressores.

    Caroline afirma que segundo os levantamentos feitos pela secretaria, em muitos dos casos de violência, a mulher leva 10 anos para denunciar a agressão.

    Testemunho da artista amazonense

    A artista relatou a experiência de agressões pelo ex-marido
    A artista relatou a experiência de agressões pelo ex-marido | Foto: Márcio Melo

    A atriz amazonense Rosa Malagueta contou em entrevista por telefone sua história de agressão no casamento pelo ex-marido e como superou após o fim do relacionamento.

    "Teve um dia que ele me bateu com uma barra de ferro, decidi desse dia em diante que precisava gritar e consegui me separar. Fui muito violentada por ele, peguei 12 pontos na cabeça, quebrou meu dedo e o meu nariz. Esse assunto me toca muito e não aceito que homem bata em mulher."

    O número para denúncias de violência contra a mulher é o 180.

    Assista a entrevista na íntegra e tire suas dúvidas: