Intimidade


A depilação íntima diz algo sobre a vida sexual?

Pesquisa sobre saúde íntima e depilação levanta questões sobre as práticas das mulheres e homens

A depilação, embora seja uma atividade cada dia mais comum, ainda foi pouco analisada cientificamente. | Foto: Divulgação

A depilação da genitália feminina pode influenciar a saúde íntima de uma mulher? Ou pode dizer sobre suas escolhas e atividade sexual? São essas questões que uma pesquisa da Universidade de São Paulo (USP) quer responder com a ajuda de mulheres e homens.

A depilação, embora seja uma atividade cada dia mais comum, ainda foi pouco analisada cientificamente. É por isso que pesquisadoras do Ambulatório de Estudos em Sexualidade Humana (AESH) do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da USP de Ribeirão Preto lançaram uma pesquisa sobre a preferência de homens e mulheres.

Segundo a pesquisadora Maria Luiza Prudente de Oliveira, a intenção da pesquisa é traçar perfis de mulheres e suas preferências por depilação e, a partir disso, analisar aspectos clínicos e comportamentais. "Hoje em dia quase todas as mulheres fazem depilação. A tendência estética, a crença na melhoria da higiene genital ou a preferência masculina parecem influenciar essa prática. Queríamos saber qual a motivação, e concomitantemente, a gente pensou em saber se a preferência masculina responde um pouco a isso", explica a pesquisadora em entrevista ao site G1.

Embora comum e praticada por muitas mulheres, a depilação ainda não teve seus impactos estudados. "Existem várias hipóteses de que o pelo é proteção, ou de que em compensação, pelo demais, em um ambiente tropical, prejudica a ventilação. Acreditamos que os resultados dos questionários nos mostrem que há certa diferença, dependendo do tipo de depilação, para a parte clínica", explica.

Cuidados com a pele

Lâmina, pinça, maquininha, cera, laser... Não faltam opções de métodos para se livrar dos pelos da região genital. A melhor escolha depende das particularidades de cada mulher, a começar pela sensibilidade da pele.

A depilação cavadíssima (que remove quase ou todos os pelos da região da vagina e do ânus) exige cuidados de higiene e a escolha de um local certificado para fazê-la. Assegure-se de que as ceras e utensílios utilizados, como espátulas, são descartáveis para evitar a contaminação por fungos e bactérias. Se for fazê-la sozinha, evite o uso de lâminas. Como a visibilidade da região íntima é muito ruim, podem acontecer acidentes facilmente, o que aumenta o risco de infecções.

As opções de cremes depilatórios também devem ser usadas com parcimônia. Por serem químicos, podem causar reações alérgicas graves na região das mucosas, que são muito sensíveis. Converse com um dermatologista e faça o teste de pele sempre antes de usá-lo.

Com informações do G1*