Fonte: OpenWeather

    Vida Sexual


    Especialista responde perguntas curiosas sobre sexo

    Grávida pode fazer sexo? O que é anorgasmia? E vaginismo? Confira as perguntas e as respostas mais curiosas do 'mundo do sexo'

    | Foto: Reprodução

    Manaus - Sexo é o assunto que faz parte das conversas de bar entre amigos, nas trocas de confidências entre as amigas ou passa pela cabeça dos tímidos que não se sentem a vontade em abordar o assunto. Com isso, o que não faltam também são perguntas sobre sexo.

    Em entrevista ao EM TEMPO, o psicólogo e sexólogo Sebastião Nascimento, contou as perguntas mais curiosas e também as comuns que já precisou responder em seu escritório, em Manaus. Confira!

    Sebastião é especialista em tratamentos ligados ao sexo e sexualidade
    Sebastião é especialista em tratamentos ligados ao sexo e sexualidade | Foto: Divulgação

    Sofro com ejaculação precoce. E agora?

    Sebastião conta que um terço de clientes que buscam a clínica é formado por homens que possuem algum problema de ejaculação precoce. Ele comenta que em alguns casos, "erroneamente, esses pacientes vão ao urologista ou psiquiatra", onde são medicados, por vezes, com antidepressivos. 

    Para o sexólogo, nem sempre problemas de ejaculação precoce estão relacionados à depressão e que tomar os famosos 'tarja preta' pode acabar por impactar negativamente a qualidade de vida. Nascimento diz que a solução pode ser muito mais simples, necessitando apenas de tratamento que dura entre seis e oito sessões e ensina, com técnicas, a ter controle da ejaculação.

    Não consigo manter minha ereção após a primeira ejaculação. O que pode ser isso?

    Popularmente conhecida como 'brochar', a disfunção sexual atinge pessoas de todos os gêneros e pode estar associada a problemas físicos ou psicológicos. O especialista conta que também é muito procurado por homens que fazem uso de anabolizantes, ou outros compostos, os quais causam impotência sexual.

    "Infelizmente algumas vezes esses produtos são indicados até por profissionais de outras áreas, mas também por quem não tem formação adequada para entender que fazem mal para o corpo, principalmente para o sexo. Outro fator que posso citar é a finasterida, um medicamento antiqueda capilar que também causa disfunção sexual", afirma o sexólogo.

    Hétero ou homossexual?

    Outro fator curioso, segundo Nascimento, é a grande quantidade de adolescentes que procuram a clínica para tratar de questões relacionadas à própria sexualidade. Sem saber exatamente qual gênero os atraem, os jovens acabam por entrar em grande desconforto, relata o sexólogo.

    "Isso muitas vezes é falta também de uma atenção do conceito familiar, uma atenção mais coesa. Porque erroneamente os pais muitas vezes jogam essa responsabilidade para cima de professores, mas são os próprios responsáveis que devem conversar com os filhos sobre isso", afirma o especialista.

    Problemas sexuais de casais na quarentena

    Durante a pandemia do novo coronavírus, novas dúvidas surgiram
    Durante a pandemia do novo coronavírus, novas dúvidas surgiram | Foto: Divulgação

    Durante a pandemia do novo coronavírus, novas questões surgiram em pacientes do sexólogo. Nascimento conta que apareceram muitos casais com problemas sexuais relacionados ao fato de terem de conviver mais tempo durante a quarentena. 

    "Muitos casais não deram conta dessa nova rotina e a maioria, a parte sexual desandou. Várias questões podem ser apontadas como causas, como os filhos estarem mais em casa, mas também ter de dividir as tarefas domésticas", afirma o profissional.

    Nascimento explica que quando um lado do casal se nega a realizar atividades de cuidados com a casa e os filhos, isso gera um impacto negativo na relação. O conflito acaba por atrapalhar depois o ato sexual, porque, segundo Nascimento, o sexo só vai ser prazerosos se houver sensação de acolhimento do parceiro.

    Não ter um orgasmo. O que pode ser?

    A terapia sexual ajuda bastante os casais a ressignificarem a sua vida sexual, mas solteiros também não ficam de fora. Nascimento diz que algumas mulheres desenvolvem anorgasmia - dificuldade em atingir orgasmo - ou vaginismo - contração involuntária dos músculos pélvicos - e que os dois casos atrapalham a relação sexual. O sexólogo explica que as condições podem estar relacionadas a casos de repressão ou abuso sexual, dentre outras violências. 

    "Cerca de 6% das mulheres do mundo apresentam o vaginismo, tanto essa condição como a anorgasmia podem ser tratadas com técnicas próprias", afirma o especialista.

    Redesignação de gênero. Como seria?

    Sebastião conta que faz quatro anos desde que algumas pessoas passaram a procurar a clínica em busca de terapia pré-redesignação de gênero, ou seja, homens que são biologicamente mulheres e pretendem fazer cirurgia, e vice-versa.

    "Esse preparativo para a cirurgia demora em torno de dois anos e tem acompanhamento de sexólogo, psicólogo, urologista, ginecologista, endocrinologista, assistente social e psiquiatra. É um trabalho multiprofissional para acompanhar esse paciente e todos participam do tratamento pré-operatório", conta o especialista.

    Como melhorar o prazer no sexo?

    A última questão que aparece bastante na clínica do sexólogo, segundo ele, é de casais que procuram terapias para lidar com fases do relacionamento. Uma delas é a pré-nupcial. Nascimento diz que ajuda o casal a se conhecer mais e consequentemente melhorar o prazer do sexo.

    "Outo fator, mas também associado a esse, é o aparecimento de grávidas que buscam aprender a ressignificar sua vida sexual. Muito se diz que gestantes não  transam, mas isso é uma mentira. Elas podem sim ter uma vida ativa no sexo tanto durante a gravidez como no pós-parto", afirma o sexólogo.

    Leia mais

    Covid-19: pesquisa orienta que casais façam sexo usando máscara

    Casamento e amor ameaçados pela quarentena?

    Como as relações afetivas se comportam na era do 'fast sex, slow love'