Fonte: OpenWeather

    Femininices


    Cirurgia plástica: rinoplastia pode dar errado?

    A rinoplastia, cirurgia da estrutura que compõe o nariz, ganhou destaque nas últimas semanas por conta do procedimento feito pela influenciadora digital Sthefane Matos, que após complicações precisou refazer a operação

     

    | Foto:

    A rinoplastia, cirurgia da estrutura que compõe o nariz, ganhou destaque nas últimas semanas por conta do procedimento feito pela influenciadora digital Sthefane Matos, que após complicações precisou refazer a operação.

    Ela relatou todo o sofrimento vivido em seu canal do YouTube dando detalhes dos problemas que teve na primeira cirurgia, o desafio do reparo em uma nova operação e ainda comentou sobre as dores envolvidas, não apenas físicas, mas principalmente emocionais.

    Para quem a cirurgia é indicada?

     

    Cirurgião Victor Cutait explica sobre o procedimento
    Cirurgião Victor Cutait explica sobre o procedimento | Foto: Divulgação

    A cirurgia é indicada para correção estética do nariz, melhorar a respiração ou ainda corrigir traumas causados na região. "Há diversos procedimentos que podem ser feitos em uma rinoplastia, como afinar as asas nasais, aumentar ou diminuir o comprimento do nariz, oferecer alinhamento à ponta, e também diminuir a giba óssea, mais conhecido como ‘osso’ do nariz", explica o cirurgião plástico e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, Dr. Victor Cutait.

    A influenciadora digital revelou nas redes sociais que decidiu realizar a cirurgia por conta da vaidade.

    Vaidade em alta

    E Sthefane não está sozinha na busca pela mudança do corpo. De acordo com dados do Google neste ano, durante a pandemia as buscas por essa intervenção aumentaram quase 5000%.

    Além disso, segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), o Brasil lidera o ranking de procedimentos estéticos entre jovens no mundo, alcançando 90 mil só em 2017.A intenção da influenciadora era afinar o nariz e deixá-lo mais harmônico. Entretanto, o resultado foi diferente do esperado, já que o nariz ficou curto, desproporcional e assimétrico.

    Para reparar o problema causado na primeira cirurgia, Sthefane se submeteu a uma nova intervenção cirúrgica na qual foi realizada uma inserção de enxerto e contou ter sofrido bastante com a cicatrização.

    Leia também: Cresce a procura por procedimentos estéticos de Harmonização Facial

    Padrões de beleza

    Apesar de hoje estar em boa recuperação, a influenciadora declarou ter se arrependido de realizar a mudança em seu nariz e fez um alerta dizendo que a maior beleza de cada um é a interior.‘

    Se encaixar em um padrão de beleza é o anseio de muitos. Entretanto, cada indivíduo tem sua individualidade e traços físicos que o torna único. Deve-se buscar a melhoria estética sem prejuízos funcionais e sem estigmatizar.

    Por isso, é importante levar em conta a saúde e beleza do nariz e a real necessidade da cirurgia para não ocorrer arrependimentos posteriormente, já que há riscos como qualquer cirurgia.’, afirma o cirurgião

    Para evitar problemas no resultado final, o médico afirma ser fundamental um alinhamento entre o profissional e a paciente com relação às expectativas do procedimento. "É importante o médico cirurgião esclarecer de forma objetiva o resultado que será obtido com a cirurgia e se isso está de acordo com a expectativa do paciente.

    A partir disso, o resultado final da cirurgia não será novidade", destaca o médico.

    No primeiro momento em que decide-se realizar a operação, é imprescindível escolher um médico profissional habilitado e qualificado, o que diminui o risco de ocorrer problemas durante ou depois da operação, alerta o profissional."

    Além disso, apesar da busca pela melhor aparência, a decisão de realizar a rinoplastia leva em conta as características do nariz e a etnia do paciente. A cirurgia deve melhorar a aparência sem mudar as características genéticas.

    A partir disso, o tipo de pele, a cartilagem e principalmente os traços e individualidade de cada pessoa, sua história e seus antecedentes precisam ser respeitados.", explica.

    O procedimento pode ser realizado em pacientes maiores de 16 anos ou menores com permissão de pais ou responsáveis. Nesse sentido, a operação é contraindicada para crianças, indivíduos com problemas de coagulação, doenças graves, mulheres grávidas ou em período de amamentação.

    Veja o vídeo de Sthefane Matos: 

    | Autor:
     

    Leia mais:

    www.emtempo.com.br/entreelas