Propostas


Candidatos apresentam propostas para 'salvar' o futebol amazonense

Os candidatos ao governo do Amazonas falaram ao Em Tempo de suas ideias para fomentar o esporte bretão local

Candidatos ao governo do Amazonas | Foto: Lion

Manaus - Às vésperas das eleições, o PÓDIO procurou os candidatos ao governo do Estado para saber sobre suas ideias e propostas para colaborar com o crescimento do futebol amazonense. Dos sete concorrentes ao cargo, quatro responderam a demanda da reportagem.

Para o candidato David Almeida (PSB), o futebol local precisa ser resgatado como instrumento de lazer e como um aliado na transformação social dos jovens. Com a prática esportiva sendo incentivada dentro das escolas estaduais, o socialista espera que delas saiam talentos capazes de vestir as camisas das equipes locais.

“Nós queremos ver um clube amazonense na série B e quem sabe até na série A do Campeonato Brasileiro, assim como queremos ver times amazonenses na superliga de vôlei masculino e feminino. Temos a Arena da Amazônia e a Arena Amadeu Teixeira, que tem a capacidade para ser palco dessas duas grandes modalidades, por exemplo”, aponta Almeida.

Wilson Lima (PSC) também aposta da educação aliada ao esporte para fortalecer o futebol amazonense. Segundo ele, os alunos serão orientados a praticar atividades extracurriculares no contraturno, como o futebol, o que acabará baixando o custo na caça aos novos talentos capazes de renovar a base dos clubes locais.

“Atualmente, a campanha Nota Fiscal Amazonense sorteia prêmios em dinheiro para quem pede a nota fiscal. O nosso Plano de Governo pretende oferecer outras modalidades de premiação para o cidadão que ajuda o Estado a recolher imposto como, por exemplo, o sorteio de ingressos para as partidas de times locais”, sugere Lima.

De acordo com Sidney Cabral (PSTU), o fomento ao futebol local passa por uma série de medidas, como garantia de segurança nos estádios, no trajeto até os locais da partida, na prática de preços acessíveis à população e garantias de continuidade aos atletas. “Os clubes profissionais precisam garantir condições contratuais que preservem os direitos e garantias dos jogadores durante todo o ano, além de prestar contas à comunidade de todas as suas ações”, diz.

O candidato do PSOL, Berg da UGT, reconhece que existem urgências em outras áreas, como segurança, saúde, educação e geração de emprego, porém, garante que fará o que for possível para impulsionar o futebol local. Para ele, o esporte é um tema transversal que pode servir como principal ferramenta para enfrentar diversos problemas presentes na sociedade.

Arena da Amazônia
Arena da Amazônia | Foto: INGRID ANNE

“Praticando ou mesmo torcendo, você tira os jovens do caminho das drogas. Também ajuda muito a resolver problemas na área da saúde, visto que, a prática esportiva livra dos vícios e promove a autoestima. Por tudo isso e por entender também que o futebol ainda será uma fonte de geração de emprego e renda no Amazonas, farei tudo o que estiver ao meu alcance para que o nosso futebol volte a ser respeitado no cenário nacional”, avalia Berg.

Repasse de verbas

Prática comum até a primeira metade desta década, o repasse de verbas aos clubes deixou de existir há poucos anos, o que gerou muitas reclamações dos dirigentes locais. Almeida promete apoiá-los, sobretudo no fortalecimento das competições domésticas e na formação de atletas. “Vamos primeiro avaliar a regularidade fiscal de cada time amazonense, que está na série A e até mesmo na série B. Nós vamos incentivar as equipes, como preconiza a lei e desde que não atrasem os salários”, declara.

Segundo Lima, o direcionamento de recursos públicos para ações esportivas será concedido em conformidade com a legislação. Ele não entrou em detalhes sobre como e se pretende fazer repasses aos clubes locais.

Cabral não se opôs a ajudar financeiramente as equipes, mas promete impor algumas condições. “Se funcionarem como entidades sem fins lucrativos e estiverem submetidos ao controle da comunidade (Conselhos), poderão receber verbas públicas. Cada caso será analisado de acordo com o interesse da classe trabalhadora. Além disso, os estádios públicos poderão ser utilizados para as partidas de futebol com as despesas subvencionadas”, pondera.

De acordo com Berg, o repasse de valores diretamente para os cofres do clube não vai resolver. Ele acredita que tal mecanismo acaba servindo como ferramenta de cooptação dos dirigentes e pretende usar a Arena da Amazônia Vivaldo Lima como fator principal na reestruturação do futebol.

“Pretendo ajudar, interferir pessoalmente para que os clubes se reestruturem. A Federação Amazonense de Futebol é sempre muito criticada e precisamos abrir esta caixa preta para descobrir porque o nosso futebol vai de mal a pior. Vou fazer com que mais recursos cheguem aos times buscando parcerias público-privadas, patrocínios e até penso em algumas contrapartidas para estimular o investimento no futebol local”, revela o psolita.

Olho na elite

Sem conseguir um acesso desde 1999, o Amazonas amarga atualmente a última divisão do futebol brasileiro. Ajudar o Estado a subir de patamar e sair do fundo do poço é um dos desafios para quem assumir o governo. Para David Almeida, o caro modelo de futebol no Brasil dificulta a ascensão de equipes menores. Para minimizar essa distância para os clubes de elite, é essencial o trabalho na formação de atletas.

“Vamos buscar recursos para implantar dois Centros de Iniciação ao Esporte nas Zonas Norte e Leste, dotar de estrutura esportiva os campos de futebol e os centros comunitários dos bairros, incentivar as escolinhas futebol, dentre outras ações para a descoberta dos inúmeros talentos do futebol Amazonense. Nossos clubes serão incentivados a selecioná-los e lapidá-los para o futuro”, declara o socialista.

Criar mecanismos para que os clubes locais utilizem com mais frequência a Arena da Amazônia também é uma das ideias de Almeida, além de capacitar e profissionalizar a classe diretiva das equipes, para que o futebol amazonense vire a página do patrimonialismo.

“Buscaremos estabelecer uma administração gerencial e voltada para resultados. Colocar um clube do Amazonas na Série A é um sonho ainda distante, mas em quatro anos será possível posicionar nosso futebol em condição de destaque gerencial no cenário nacional e dispor de ao menos um clube em condições de chegar à Série B”, acredita o candidato.

Wilson Lima vai apostar na volta da torcida aos estádios para fortalecer as equipes dentro e fora de campo. “Por meio da Secretaria de Comunicação e da Sejel (Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer) será elaborada uma campanha de valorização do futebol amazonense, dando ampla visibilidade para nossos atletas e suas conquistas. A partir da massificação do esporte, será possível atrair os torcedores que se afastaram e formar uma nova geração de apaixonados pelos times locais”, avalia.

Para Sidney Cabral, fomentar o futebol em todos os municípios do Estado com um calendário regional independente e criar mecanismos que possibilitem a regularidade das atividades durante todo o ano pode ajudar o Amazonas a sair da última divisão nacional.

“Vamos utilizar os conhecimentos científicos das áreas de educação física, fisiologia, nutrição e outras áreas relacionadas para dar suporte ao desenvolvimento dos atletas, mediante atendimento dos interesses sociais. Ou seja, vamos crias as condições para que tenhamos atletas e clubes cada vez mais preparados para as disputas nacionais”, vislumbra.

Berg afirma que se não tiver colaborado para ver equipes do Amazonas lutando por vagas nas principais divisões do futebol brasileiro até o fim dos primeiros quatro anos, ficará decepcionado. Para ele, o amazonense é apaixonado pelo esporte bretão, prova disso são os bons públicos do Iranduba no feminino.

“Se nós conseguirmos reerguer nosso futebol, estaremos também reerguendo nossa autoestima e projetando para o Brasil e para o mundo que somos um Estado em crescimento, investindo para diminuir os índices de violência e onde vivem pessoas mais felizes”, conclui.

Leia mais: 

Só a vitória do Flamengo sobre o Galo interessa Mauricio Barbieri

Iranduba é eliminado do Campeonato Brasileiro de futebol feminino

Com Marta e Formiga, Vadão convoca Brasil para amistoso com Inglaterra