Fonte: OpenWeather

    Futuro do Esporte


    O legado e os desafios da Ginástica Artística no Amazonas

    Entre triunfos e dificuldades, as atletas do Amazonas lutam pelo desenvolvimento do esporte local e almejam bons desempenhos como a ex-ginasta amazonense Bianca Maia

    Centro de Ginástica do Amazonas: Bianca Maia Mendonça - Ginástica Artística e Rítmica - Foto Leonardo Mota | Foto: Leonardo Mota

    Centro de Ginástica do Amazonas: Bianca Maia Mendonça - Ginástica Artística e Rítmica - Foto Leonardo Mota
    Centro de Ginástica do Amazonas: Bianca Maia Mendonça - Ginástica Artística e Rítmica - Foto Leonardo Mota | Foto: Leonardo Mota

     

    Manaus – A Seleção Brasileira de Ginastica Artística disputa a partir desta quinta-feira (3), o Mundial de Ginástica Artística, que será realizado na Arena de Stuttgart, na Alemanha. O time feminino composto por Jade Barbosa, Flávia Saraiva, Thaís Fidelis, Lorrane Oliveira e Letícia Costa (Isabel Barbosa como reserva), disputa vaga para as olimpíadas de 2020 no Japão.

    Todas as ginastas possuem alto rendimento e pertencem a clubes tradicionais na ginástica, fator que geralmente relaciona a boa performance à estrutura oferecida nos Centros de treinamento. Esportes como a ginástica exigem equipamentos de qualidade para maximizar o desempenho do atleta, auxiliando a adaptação aos padrões de equipamentos utilizados nas competições.

    Legado

    No Amazonas, o Centro Bianca Maia Mendonça atua com dois projetos de ginástica, mantidos em parceria da Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel) com a Federação Amazonense de Ginástica (FAG).

    Todos os aparelhos utilizados pelos atletas são cedidos pela FAG, que os adquiriu por meio de convênio com a Confederação Brasileira de Ginastica (CBG). Já o espaço físico e a manutenção do prédio cedido são responsabilidade do Governo do Estado.

    Segundo Verônica Martins, vice-presidente da FAG, a parceria deixa um legado importante para as próximas gerações. A doação do tablado de ginástica rítmica, cedido pelo Ministério dos Desportos, é fruto dos resultados da ex-ginasta amazonense Bianca Maia, no Panamericano de Guadalajara em 2010, conquista alcançada enquanto a atleta fazia parte da Seleção Brasileira.

    Centro de Ginástica do Amazonas: Bianca Maia Mendonça - Ginástica Artística e Rítmica - Foto Leonardo Mota
    Centro de Ginástica do Amazonas: Bianca Maia Mendonça - Ginástica Artística e Rítmica - Foto Leonardo Mota | Foto: Leonardo Mota

    “A Confederação fez um convênio com o Ministério dos Desportos para adquirir aparelho para distribuir no Brasil, e o Amazonas foi contemplado com esse tablado do mesmo padrão dos utilizados nos jogos do Rio 2016, que é de padrão internacional.

    Martins também afirma que o convênio com a CBG trará 7 novos aparelhos de ginástica artística, os equipamentos vêm da sede da Confederação, localizada na cidade de Aracaju, Sergipe - com previsão de chegada até o fim do mês de outubro.

    Além de garantir uma melhor performance, os aparelhos novos vão proporcionar mais segurança e evitar possíveis contusões das atletas durante os treinamentos.

    Centro de Ginástica do Amazonas: Bianca Maia Mendonça - Ginástica Artística e Rítmica - Foto Leonardo Mota
    Centro de Ginástica do Amazonas: Bianca Maia Mendonça - Ginástica Artística e Rítmica - Foto Leonardo Mota | Foto: Leonardo Mota

    Desafios

    Mesmo com a estrutura disponível aos atletas locais, a classificação para competições nacionais possui um nível alto de performance, que os clubes locais ainda não conseguem atingir, tanto nas categorias individual e em grupo. Manter o elenco de atletas em consistência e o custo das viagens são um dos impeditivos do avanço do esporte na região.

    Alternativas

    Para driblar uma das problemáticas de rendimento, a treinadora da Base, Sheila Mariano, explica qual a didática dos treinos elaborados para as atletas, a rotina e as iniciativas de melhorias do grupo de competidoras do núcleo base da FAG.

    Centro de Ginástica do Amazonas: Bianca Maia Mendonça - Ginástica Artística e Rítmica - Foto Leonardo Mota
    Centro de Ginástica do Amazonas: Bianca Maia Mendonça - Ginástica Artística e Rítmica - Foto Leonardo Mota | Foto: Leonardo Mota

    “A nossa ação é dividida em dois módulos de trabalho com as ginastas. Inicialmente com o módulo um, com carga horária de duas horas semanais, abordamos os princípios de postura e posição que compõe a ginástica. No segundo módulo, a carga horária dobra, pois os exercícios exigem um pouco mais de flexibilidade e equilíbrio do corpo para executar o movimento correto. Em conjunto aos dois módulos, as meninas também fazem aulas de balé direcionado para a ginástica artística - que oferece um complemento do que é ensinado sobre postura e noção de ritmo, exigidos principalmente na modalidade solo”, enfatiza Mariano. 

     Nossas ginastas, antes de participar de competições, atuam nas aberturas de torneios realizados pela Sejel. Esse trabalho proporciona bons resultados e visibilidade para as atletas, pois várias meninas do projeto já integram clubes da região”, finaliza Mariana.