Fonte: OpenWeather

    Tênis de Mesa


    Tênis de mesa no AM é o terceiro melhor do Brasil

    Estado fica atrás apenas dos Estados de São Paulo e Santa Catarina, além de possuir atletas entre as melhores posições no Ranking Nacional da modalidade

    Elen Silva é a primeira no ranking de sua categoria | Foto: Arquivo Pessoal

    Manaus - Longe de ser visto apenas como diversão, o tênis de mesa é um esporte olímpico que ganha cada vez mais adeptos. No Amazonas, estado que tem em destaque atletas profissionais na modalidade olímpica, o tênis de mesa vive um momento de crescimento e apesar da distância geográfica de São Paulo - centro principal do esporte, o Amazonas ocupa a terceira posição dos estados brasileiros com a melhor equipe.

    A Federação de Tênis de Mesa do Amazonas (FTAM) é a principal referência quando se trata do esporte no Estado. Idealizadora de grandes eventos e promoção do esporte, a FTMA possui atletas e paratletas federados que representam o Amazonas em competições nacionais. De acordo com o presidente da FTAM, Israel Barreto, a Federação tem realizado eventos, entre eles o Campeonato Amazonense. “Realizamos cinco etapas, então a partir disso vamos iniciar o resultado a partir desse ranking que os três melhores formam a equipe amazonense que representa o Estado”, explica.

    O presidente da Federação, Israel Barreto destaca que a formação da equipe amazonense funciona de acordo com a classificação das etapas de campeonato realizado pela Federação. “Os amazonenses possuem um campeonato onde os melhores dessas competições são selecionados para a partir disso compor a equipe para competição nacional”, comenta.

    Líder na classificação feminina

    A paratleta Elen Silva é líder no ranking nacional na categoria classe 8, com total de 3840 pontos acumulados, de acordo com a Confederação Brasileira de Tênis de Mesa (CBTM). As classes da modalidade são divididas de acordo como tipo de deficiência que o atleta é portador, quanto maior o número, menor é o comprometimento físico-motor. Ellen, que treina pelo time APCEF, é portadora de deficiência, após erros médicos em realizações de cirurgias. “A rotula do meu joelho que estava ruim, mas foi erro por cima de erro. Mas agora eu sou mais feliz que antes”, destaca a atleta.

    Elen, começou a praticar o esporte em 1994 e conta que o preconceito sempre foi algo comum na carreira esportiva, aliados a dificuldades de ser atleta no Amazonas. “Eu me sentia inferior aos demais, pois ninguém queria treinar comigo”. E após a realização de 21 cirurgias por causa de erro médico, Ellen iniciou a prática de atividade física .“O médico que me acompanhou depois dos erros disse que o esporte seria o único meio que eu não iria atrofiar, então comecei a praticar, treinar muito e hoje estou bem no ranking”, destaca.

    Atleta é destaque na categoria Mirim
    Atleta é destaque na categoria Mirim | Foto: Arquivo Pessoal

    Além das dificuldades vivenciadas por Elen, está a enfrentada por todos os atletas no Estado: o simples fato de serem atletas. “Hoje temos uma secretaria que disponibiliza passagens para a gente ir competir fora do Estado, o que melhora muito. Mas ser atleta no Amazonas é difícil, quem falar que não é está mentindo. Nossos equipamentos são caros e é difícil abrir mão de coisas importantes”, destaca.

    Somente em 2019, Elen conquistou o título de campeã em todos os campeonatos que participou e conquistou o terceiro lugar no campeonato na semana passada em Cuiabá e mantém preparação dedicada para o circuito mundial que irá disputar em novembro da cidade de Buenos Aires na Argentina. “Treino todos os dias de 14h às 16h, depois faço musculação e divido meus treinos com os meus estudos”, comenta a atleta.

    Além de Elen, outras atletas aparecem no ranking nacional entre diversas categorias, como Elis Dantas Cruz, Luane Jamilly Teixeira,Sofia Helena Almeida, Ingrid Carolina do Nascimento Campos, Sabryna Sanches, Ana Paula Ramos Fonseca, Flávia Alessandra Barros Almeida, Jade Campos Ferreira, Isabelle Ramos Guimarães, Clara Maria Deodato Barroso, Fabiane Silva Rebeca, Amanda Silva Marques, Brenda Macena Amaral e Raquel Mendes Monteiro.

    Graduação Mirim

    Amazonas é a terceira potência nacional no tênis de mesa
    Amazonas é a terceira potência nacional no tênis de mesa | Foto: Reprodução

    Jorge Alarcón, de 13 anos, atleta de tênis de mesa teve o interesse pelo esporte aos 10 anos de idade e hoje é um dos principais atletas na categoria mirim do Amazonas. O pai do atleta, Jorge Alcântara Fabián conta que “Ele queria ganhar de um colega da escola, eu e minha esposa não ligamos muito no início, pois ele já tinha experimentado alguns esportes e não ficava. Então um dia, a amiga da minha esposa fez a indicação da escolinha de tênis na da Associação do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Apcef) e foi assim que tudo começou”, explica.

    Jorge Alcântara Fabián, explica que a entrada do filho no esporte “Não conhecíamos como funcionava a categoria, os rankings, os ratings e as competições, mas hoje eu entendo que essa informação é muito importante para aproveitar as opções que a Confederação Brasileira de Tênis de Mesa tem a oferecer para os atletas”, destaca.

    O esporte apresentou mudanças na rotina e nos relacionamentos na família. “Desde 2017 viajamos muito. E tudo isso mudou muito. É incrível como o esporte pode mudar muitas coisas: relacionamento pai e filho, amadurecimento dos pais e dos filhos e a forma de como trabalhamos a mente”, comenta.

    A rotina de treino de Jorge Alarcón é dividida entre escola pelo turno matutino, treinos pelo turno vespertino de segunda a sexta-feira no Centro da Vila Olímpica. Após os treinos, Jorge tem aulas particulares para manter excelência na escola, como aulas de inglês e matemática. E nos finais de semana os treinos continuam: sábado treino particular por duas horas e aos domingos pela manhã joga na Vila Olímpica com outros atletas. “Ele tem uma agenda recheada, porém ainda temos tempo para a parte espiritual e meus passeios com ele.

    Atualmente, Jorge Alarcón possui duas participações com seleção brasileira, participação em 2018 do campeonato latino-americano em Santo domingo e República Dominicana, além do Sul-Americano 2019 na cidade de Cuenca no Equador.