Fonte: OpenWeather

    Rugby


    Time amazonense de rugby ganha visibilidade nacional

    Além de organizar competições de várias modalidades, o GRUA oferece oficinas no interior

    O GRUA existe informalmente desde 1995 | Foto: Divulgação

    Manaus - Manaus está finalmente inserida no mapa no rugby nacional. No último mês, a equipe do GRUA venceu a Copa Brasil Central, trazendo um título inédito para o Estado do Amazonas. A vitória é o primeiro passo para a grande missão do grupo: disseminar o esporte no Norte do país. "Trazer esse troféu é muito expressivo para a gente, porque é a primeira vez que um time do Norte joga uma competição expressiva fora e traz o título para cá", diz o pilar do time, Pablo Nogueira. 

    O time está prestes a completar 25 anos de existência e resiste apesar de todas as dificuldades que impedem o esporte de se profissionalizar. A participação neste campeonato do Centro-Oeste do país aconteceu devido à extinção da Copa Norte de Rugby.

    Um dos integrantes do time, Pablo Nogueira explica que esta competição da região acabou por conta da evasão dos times, que desistiram por motivos como custos logísticos e desânimo. À época da Copa Norte, o GRUA chegou a ser sete vezes campeão. 

    O GRUA organiza jogos em várias modalidades no rugby
    O GRUA organiza jogos em várias modalidades no rugby | Foto: Divulgação

    "Por conta desta situação, a gente pediu para entrar na competição da região Centro-Oeste. Como eles também estavam sofrendo com evasão de times, fomos aceitos como convidados", relata.  A iniciativa foi um sucesso e abriu espaço para que outro time de Porto Velho, Rondônia, também participasse. 

    A competição se tornou então uma espécie de Copa Centro-Oeste Norte. Os times foram divididos em chaves. A primeira, conhecida como Copa Pantanal, era composta por Porto Velho e dois times de Cuiabá, capital Mato Grosso. A outra chave foi composta por Manaus, Brasília e Goiânia. 

    O GRUA competiu nos jogos classificatórios, venceu a chave oposta e finalmente foi para a final contra o time Goianos, de Goiânia. O jogo aconteceu em Goiás, pois o time da casa vinha fazendo a melhor campanha na competição. Ao longo do torneio o GRUA precisou fazer quatro viagens, duas vezes para Brasília, uma pra Cuiabá e outra para Goiânia.

    Uma das chaves da competição contou com os representantes de Manaus, Brasília e Goiânia
    Uma das chaves da competição contou com os representantes de Manaus, Brasília e Goiânia | Foto: Divulgação

    Disseminação do esporte

    O GRUA é um time regularizado, com CNPJ e toda documentação necessária. Ainda assim, não é um time confederado, porque não existe uma Federação de Rugby no Amazonas. Em Manaus, só existem dois times legalizados. Para que exista a federação, é preciso mais times. 

    A fim de fortalecer a categoria e incentivar os times que já existem, o GRUA organiza e participa de eventos fora do calendário da confederação, mas com o mesmo brilho dos confederados. "Organizamos vários campeonatos para fomentar o esporte local. Inclusive, nos interiores, o time organiza oficinas", diz Pablo. O objetivo é fortalecer os times amadores a fim de que, futuramente, se legalizem. 

    Para isso, o GRUA organiza jogos em várias modalidades no rugby, inclusive no feminino, no juvenil e no infantil. Atualmente, existe um projeto em desenvolvimento com foco em crianças e adolescentes de quatro bairros da cidade. "Algumas vezes por ano, reunimos as crianças em um grande dia de brincadeiras e muito rugby. Nesse dia, arcamos com transporte de ida e volta, lanches e piscina", diz. 

    A vitória da Copa Brasil Central é um título inédito para a equipe amazonense
    A vitória da Copa Brasil Central é um título inédito para a equipe amazonense | Foto: Divulgação

    Patrocínio

    O GRUA não tem apoio financeiro e é formado por atletas vigilantes, engenheiros, advogados, biólogos, educadores físicos, entre outros. Para participar de competições fora do Estado, os jogadores precisam se esforçar e dedicar do seu próprio bolso. O apoio de atletas e ex-atletas do time é fundamental. O resto dos recursos é arrecadado por meio de vaquinha, rifa e trabalho voluntário.

    História do GRUA

    Para quem não sabe, a sigla significa Grupo de Rugby da Universidade do Amazonas (GRUA). O time iniciou informalmente em 1995, quando seu fundador, Marcelo Gordo, mudou-se para Manaus. 

    A modalidade, por conta de poucas equipes no Amazonas, ainda não possui uma federação no Estado
    A modalidade, por conta de poucas equipes no Amazonas, ainda não possui uma federação no Estado | Foto: Divulgação

    Marcelo jogava no de time de rugby Piracicaba. Quando chegou na capital manauara, fez o convite para que alguns estudantes universitários do curso de Educação Física começassem a treinar. O time então começou a treinar os intervalos das aulas, no almoço, no campus da Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

    O início foi bem precário, mas naquele mesmo ano receberam o convite para fazer uma mostra. O negócio começou a se popularizar e surgiram vários adeptos. Desse início do GRUA, surgiram vários adeptos, desse início de formação, saíram outros jogadores que formaram outros times.

    Anos depois houve a chegada de atletas de outros estados, que foram agregando aos times existentes. Hoje, basicamente, o time não é formado por universitários da Ufam. O time treina três vezes na semana: terças, quintas e sábados. Como ainda utilizam o espaço da universidade para treinar, o nome permanece em homenagem aos 25 anos de elo com a instituição. 

    O GRUA não é time profissional, pois ninguém recebe para jogar, porém o compromisso nos treinos é bem parecido com o de um time de ponta. Cada um tenta conciliar os treinos com a sua profissional, da maneira que dá. Todos são voluntários e jogam por amor.

    | Foto: Divulgação

    Pablo Nogueira é empresário e compõe a equipe do GRUA, há nove anos. Começou no rugby a convite de um amigo que treinava numa academia. "Eu conheci assim, gostei, continuei treinando. Acabou que o treinador precisou parar por compromissos profissionais e a gente procurou outros times para jogar", compartilha. Foi quando Pablo conheceu o GRUA e passou a compor o time. A equipe, que foi com Pablo, também permanece até hoje. 

    Próximos passos

    O time está finalizando os preparativos para realizar no dia 19 dezembro a Taça Baré de Rugby, recebendo dois times do sudeste. A expectativa é receber oito equipes entre feminina e masculina.

    Para o ano que vem, a equipe espera fomentar mais os times de base, participar de competições nacionais e organizar clínicas de arbitragens e treinamento para treinadores.