Fonte: OpenWeather

    Novo Rei da Selva


    Conheça Klinger "Do Boxe", o novo campeão do Jungle Fight em Manaus

    Ele entrou para a disputa de última hora e ganhou o cinturão após nocautear o adversário

    Klinger "Do Boxe" Pinheiro, com as duas filhas, após conquistar o cinturão na categoria até 61kg (galo)
    Klinger "Do Boxe" Pinheiro, com as duas filhas, após conquistar o cinturão na categoria até 61kg (galo) | Foto: Leonardo Fabri

    Manaus - O amazonense Klinger “Do Boxe” Pinheiro, novo dono do cinturão da categoria até 61 kg (galo), foi o grande nome da edição número 100 do evento Jungle Fight, que aconteceu na noite do último sábado (28), na Arena Poliesportiva Amadeu Teixeira, no bairro Flores, Zona Centro-Sul de Manaus. 

    O atleta da equipe MPBJJ/Nova União, apelidado de “Do Boxe” pela sua habilidade com os punhos, sequer participaria da disputa pelo cinturão. Todavia, precisou de apenas 41 segundos para nocautear o mexicano José Antonio Rodríguez e tornar-se o mais novo campeão do Jungle Fight.

    Klinger inicialmente lutaria no card preliminar do evento, mas acabou substituindo Eduardo Silva “Máquina da Dor” (Full House/SP) durante a pesagem. Aos 26 anos, Klinger diz que contou com a sorte para conseguir o cinturão dos galos e não esperava que a luta acabasse tão rapidamente. 

    “Eu achei que teria que lutar os cinco rounds, mas a mão entrou e deu certo. Acabei dando sorte quando o oponente da disputa do cinturão não apareceu. Eles viram meu card e aceitaram. Nervosismo sempre tem, mas eu estava confiante e graças a Deus conseguimos o cinturão”, conta o lutador.

    Com a vitória no Jungle Fight, “Do Boxe” tem um cartel com 11 lutas, sendo dez vitórias e apenas uma derrota. Inspirado em José Aldo, ele destaca o apoio da família e de sua equipe, e frisa que vai levar suas origens aonde for. 

    “Tudo que aconteceu agradeço a minha família e à MPBJJ/Nova União. Cresci na ‘Matinha’, com a humildade de sempre andar descalço. Quando fui ficando famoso, todos sempre me apoiaram. É uma honra levar o nome do meu bairro comigo. Aqui temos pessoas que, ao invés de seguirem para um caminho ruim, se superaram. Eu quero ser um exemplo, alguém que muda a cabeça das pessoas”, diz.

    Klinger começou no jiu-jitsu e há uma década pratica MMA. Sua estreia na modalidade, no entanto, foi apenas em 2014. O lutador conta que enfrenta dificuldades - principalmente financeiramente - e diz que, para 2020, pretende focar na preparação para a defesa do cinturão, que acontece em março.

    “Se não fosse meu pai e apoiadores, que sempre me ajudaram, não chegaria onde cheguei. Ainda não é muito, mas lá na frente pretendo retribuir. A gente tenta não demonstrar, mas por trás disso tudo tem muita dificuldade. Em março tem a defesa do cinturão e agora é focar, correr atrás da preparação a mil. Tenho pessoas que me apoiam, me abraçam e tenho certeza que vão me preparar muito bem”, completou o lutador. 

    Jungle Fight 100

    A histórica edição centenária do Jungle Fight, que marcou o seu retorno a Manaus, teve três disputas de cinturão e, assim como edição número um, em 2003, teve a luta principal decidida por nocaute no primeiro round e apenas um vencedor foi definido por decisão dos juízes. Destaque para a vitória de Alexsandro Praia, coariense irmão de Rodrigo Praia, por nocaute técnico no primeiro round.

    Confira abaixo os resultados completos do Jungle Fight 100:

    Cinturão até 61kg- Klinger "Do Boxe" Pinheiro (MPBJJ/ Nova União) venceu José Antonio Rodríguez Serrano (Cleber BJJ MMA) por nocaute no 1º Round;

    Cinturão feminino até 57kg- Natália Silva (Team Borracha) finalizou Joice Mara (PRVT) com arm-lock no 4º Round;

    Cinturão até 77kg- Willker "Feijão" Lemos (Team Nogueira) venceu Alessandro Junior "Gambulino" (Gordin Fight Team) por nocaute técnico (interrupção do árbitro) no 2º Round;

    Outras lutas:

    57kg - Alexsandro Praia de Lima (Renovação Coari Team) venceu Matheus "Calabresa" (Chute Boxe Bauru) por nocaute técnico (interrupção médica) no 1º Round;

    66kg - Willian "Colorado" (Dimitry Fight Center/ Team Alpha) venceu Geberson Coutinho (Clube Legião da Luta) por nocaute técnico (interrupção médica) no 1º Round;

    66kg - Leandro "Cacique" Pereira (Carioca Team) finalizou Arthur Martins de Castro (Carmem Casca Grossa/ CT JAPA) com uma chave de braço de dentro do triângulo no 1º Round;

    57kg - Rodrigo "Muralha" de Moura (Nock Down Team/ Team Xisto) finalizou Davi Black (Power Kick/Team Alpha) com uma chave de braço no 1º Round;

    66kg - Max Douglas "Fúria" (SD System/ Checkmat) venceu Leandro Oliveira (Chute Boxe Acre) na decisão dividida dos juízes;

    77kg - Anderson "Astro da Maldade" (Dymitry Fight Center) venceu Ronildo Cabral (THF Team) por nocaute técnico no 2º Round;

    61kg - Eli Jones "Lorinho" da Silva (THF Team) venceu Breno Sombra (Tubarão Fight) por nocaute técnico (desistência) no 2º Round;

    57kg - Ruan "Hunter" (Renovação Coari Team) x Raison "Moicano" (CT Vasconcelos) por nocaute técnico (desistência) no 1º Round;

    61kg - Maurício Freire de Almeida (Deo Academy) finalizou Aluizio "Samurai" Cavalcante (Team Soares) com um mata-leão no 1º Round.