Fonte: OpenWeather

    Boxe amazonense


    AJE sedia Seminário das Regas do Boxe com árbitros e atletas em Manaus

    O seminário será com o árbitro juiz de boxe Francivaldo Romão Peixoto, de 45 anos, que conta com quase 20 anos dedicados ao boxe

    Francivaldo Romão Peixoto tem quase 20 anos dedicados ao boxe
    Francivaldo Romão Peixoto tem quase 20 anos dedicados ao boxe | Foto: Arquivo Pessoal

    Manaus - Você é árbitro de boxe ou aluno com interesse na modalidade esportiva? Manaus sediará, no dia 28 de março deste ano, às 14h, o "Seminário das Regas do Boxe" com o arbitro juiz de boxe Francivaldo Romão Peixoto, de 45 anos. Natural de Boa Vista, Roraima, o ex-atleta e agora treinador e árbitro abordará, durante o evento: tipos de faltas, vestimenta do atleta, categorias de peso, ações do arbitro em um combate, contagem protetora, bandagem, números de rounds em um combate, gongo e timer keep. 

    Os interessados em participar do seminário, podem realizar a inscrições a R$ 25 na Associação José Emir de Boxe e Artes Marciais (AJE), localizada na rua Santo Antônio, no bairro Adrianópolis, próximo ao Tribunal de Contas do Estado e ao lado do Supermercados DB, na Zona Centro-Sul de Manaus. Francivaldo explica que as regras dos boxes sofrem algumas alterações e, por isso, é necessário capacitar o público que tem interesse pela modalidade. 

    Francivaldo adquiriu formação em árbitro juiz de boxe em 2002
    Francivaldo adquiriu formação em árbitro juiz de boxe em 2002 | Foto: Arquivo Pessoal

    "No seminário serão abordados alguns comportamentos dentro e fora do ringue, que são considerados faltas, como, por exemplo, empurrar o adversário, cuspir, falar e até baixar a cabeça. Nesse último caso, é proibido porque o atleta corre o risco de dar uma cabeçada no adversário e ocasionar cortes nos supercílios ou até ferimentos na boca e nariz. Em alguns casos, a luta é até interrompida por conta disso", explica Francivaldo, enfatizando que há algumas lutas, como na modalidade elite, entre atletas de 19 a 40 anos, em que não se usam mais capacete, porém o lutador deve ficar atento. 

    Além das faltas, o árbitro ministrará também sobre a forma correta do atleta praticar o boxe (treinamento ou competição). "Um exemplo disso é a vestimenta. Os atletas devem usar calçados leves, sem bicos e com travas, próprios para o boxe. Não tendo esse tipo, pode ser um tênis. É necessário, usar calção na altura do joelho, camiseta e não esquecer do material individual, como os protetores bucal, genital e de seios - este último opcional para mulheres", ressalta. 

    O profissional conta que conheceu o boxe em meados de 1999, quando passou a competir até o ano 2000 como atleta profissional. "Lembro que não havia competições de boxe em Boa Vista, no Estado de Roraima, e tentávamos realizar algumas lutas, porém não havia atletas para competir. Em seguida, juntamente com o apoio de outros parceiros, participei da fundação da Federação de Boxe do Estado de Roraima, em 2002. No ano seguinte, conclui o curso de árbitro juiz de boxe e, desde então, atuei em competições tanto em Roraima quanto nos outros estados brasileiros e até lutas internacionais entre atletas de Brasil e Venezuela, na fronteira", lembra Francivaldo.

    Mais informações sobre o evento podem ser obtidas pelo número: (92) 99312-1954 Jackson Velasco. 

    | Foto: Banner promocional do evento

    AJE

    A academia em que o evento acontecerá, a Associação José Emir de Boxe e Artes Marciais, está aberta ao público amador, iniciante e profissional. Um dos alunos do centro, Gabriel de Deus, de 18 anos, nas horas vagas em que não está no curso de enfermagem se dedica à rotina de treinos e também à participação na parte social trabalhada com o público infantil.

    "Na AJE há um projeto social em que nós [atletas] trabalhamos a Luta Livre com crianças, para que elas possam conhecer a luta e desenvolver técnicas. Apresentamos o esporte a elas, mas para isto precisam estar estudando, tirando boas notas e ter bom comportamento. Elas não pagam nenhum valor e os pais não se preocupam em pagar nada. O pessoal do boxe adota as crianças e arca com os custos dos campeonatos, incluindo passagens de ida e volta e alimentação", explica o jovem, revelando que, competindo por academia, a AJE foi campeã mundial de luta livre infantil em julho de 2019 em um evento realizado na Arena Poliesportiva Amadeu Teixeira, no bairro Flores, Zona Centro-Sul.