Fonte: OpenWeather

    Clássico dos Milhões


    Há 4 anos, VASxFLA lotou Arena da Amazônia com 44.419 mil torcedores

    Além da derrota por 2 a 0 para o maior rival e a eliminação na semifinal do Carioca, o Rubro-Negro ainda foi criticado por ter ignorado crianças na cerimônia de abertura da partida

    Na época, jogo atraiu público superior ao já registrado em jogos anteriores no estádio | Foto: Divulgação

    Manaus - Em 24 de abril de 2016, Vasco e Flamengo se enfrentavam pelas semifinais do Campeonato Carioca. Diante de 44.419 pessoas na Arena da Amazônia, o Vasco venceu por 2 a 0 e caminhou para a conquista do bicampeonato Estadual, que não vinha desde 1993. Dias depois, o clube empatou com o Botafogo na final e ergueu a taça para a felicidades dos torcedores brasileiros, incluindo os amazonenses que ajudaram a empurrar o time.

    ‘Não tem emoção maior’

    Josué Delgado, de 38 anos, da torcida Somos Todos Vasco Manaus, conta que foi a todos os jogos do time na capital amazonense, e que o primeiro jogo que assistiu do time carioca foi ainda na década de 1990. Com uma motivação extra para sair do estádio com a vitória sobre o rival, ele diz que "não tem emoção maior" do que ver o clássico de perto.

    "Jogar contra o Flamengo é sempre diferente, a expectativa é diferente. Nós vascaínos, querendo ou não, estamos acostumados com o ex-presidente Eurico Miranda, que disse que 'jogo contra o Flamengo é um campeonato à parte'. O time deles veio marcar território em Manaus. A gente veio de resultados positivos, jogadores experientes em boa forma, nosso capitão Rodrigo jogou muito aquele jogo. Foi uma tarde de domingo inesquecível", relata o torcedor.

    Josué Delgado e a diretoria do Somos Todos Vasco Manaus, na partida contra o Flamengo
    Josué Delgado e a diretoria do Somos Todos Vasco Manaus, na partida contra o Flamengo | Foto: divulgação

    Vasco confiante

    Além da vaga na final, o cruz-maltino, que não perdia para o rival desde março de 2015, garantiu também a extensão da sequência de vitória para nove jogos e, curiosamente, a última vitória sobre o Flamengo.

    "Esse foi um jogo que estávamos bem confiantes e, por acreditar muito no time, a expectativa de título era grande. O time de 2016 poderia não ser o melhor taticamente, mas tinha muita vontade e dá uma saudade. Sem dúvidas, o Nenê era o melhor jogador.  A vitória foi justa, mas dois a zero foi pouco, poderíamos ter feito quatro gols facilmente", destaca Carlos Silva, presidente da Vasboêmios.

    Aos 27 anos, sendo sete deles dedicados à liderança da torcida organizada em Manaus, Carlos destaca a felicidade de ganhar do rival, ainda mais "dentro de casa".  Em contraste com o momento atual do time, ele destaca que a má gestão definiu o futuro distante da última vitória sobre o Flamengo.

    "Enquanto não mudar, o Vasco continuará a montar times medianos e com risco de cair sempre", destaca ele.

    Torcida do Flamengo, em grande maioria na Arena, deixou o estádio antes do término da partida
    Torcida do Flamengo, em grande maioria na Arena, deixou o estádio antes do término da partida | Foto: divulgação

    Desrespeito em campo

    O Flamengo estava pressionado, prova é que, antes da partida começar, os jogadores ignoraram o protocolo de entrada em campo e partiram correndo até o centro do gramado para fincar uma bandeira, deixando os ‘mascotes’ no túnel de acesso.

    “Achei um grande desrespeito a tudo que cerca uma partida de futebol. A gente sabe que têm as crianças rubro-negras que querem ter essa oportunidade, e eles deixaram elas plantadas ali e esperando. Não as levar para dentro do campo, acho que já é um desrespeito ao adversário, ao árbitro, ao público também”, foi o que disse na época Zico, o maior ídolo do clube.

    Os gols

    O Mengão tomou um verdadeiro “nó tático” do 3-5-2 armado pelo cruz-maltino, que abriu o placar aos 22 minutos.

    Riascos recebeu pela esquerda, já dentro da área e encarou a marcação de César Martins. Com dois cortes, nas palavras de Josué Delgado, "quebrou a coluna do zagueiro" rubro-negro e cruzou novamente para Nenê. Dessa vez, o zagueiro Wallace cortou em cima da linha, mas a bola sobrou para Andrezinho. De primeira, ele bateu rasteiro no meio do gol e Paulo Victor não defendeu: 1 a 0 para o Vasco.

    Aos 11 minutos do segundo tempo, Riascos novamente apareceu no 1x1 dentro da área, desta vez driblando o lateral Jorge. Na conclusão, Paulo Victor espalmou para dentro da área e a bola rebateu no zagueiro Wallace, morrendo no fundo das redes: 2 a 0.

    Vitória do Vasco por 2 a 0 garantiu a ida à final do Carioca e a conquista do bicampeonato carioca, que não ocorria desde 1993
    Vitória do Vasco por 2 a 0 garantiu a ida à final do Carioca e a conquista do bicampeonato carioca, que não ocorria desde 1993 | Foto: divulgação

    Os torcedores rubro-negros deixaram o estádio antes do término da partida.