Fonte: OpenWeather

    Baú da Seleção


    Em quarentena, Thiago Maia relembra ouro olímpico no Rio 2016

    Na casa de seu pai, em Boa Vista, Roraima, meia aproveitou a pausa para lembrar momentos de glória com a camisa da Seleção Brasileira

    Thiago abriu o baú e, como fez no pódio do Maracanã em 2016
    Thiago abriu o baú e, como fez no pódio do Maracanã em 2016 | Foto: Reprodução

    Campeão olímpico nos Jogos do Rio 2016, o meia Thiago Maia aproveitou o retorno à Boa Vista durante a quarentena para relembrar a conquista. É na capital roraimense, onde vive seu pai, seu Joel Maia, que o jogador do Flamengo guarda várias das recordações que acumulou durante sua ainda jovem carreira. A maior delas, o ouro com a Seleção Brasileira.

    Afastado das atividades no Flamengo por conta do isolamento social para combate ao coronavírus, Thiago abriu o baú e, como fez no pódio do Maracanã em 2016, vestiu a camisa e a medalha de ouro para passar uma mensagem leve nas redes sociais.

    - O lado bom da quarentena é que temos tempo para relembrar momentos importantes da nossa vida. Aqui na casa do meu pai, onde estou passando esse período, fica meu acervo do futebol. (...) É muito bom poder reviver o título com a camisa da seleção - destacou o meia, em seu Instagram.

    Thiago Maia fez parte do elenco de 18 atletas que conquistou o ouro em 2016. À época no Santos, foi um dos atletas mais jovens a disputar a competição pelo Brasil. Tanto que, quatro anos depois, ainda com idade olímpica, o meia chegou a ser convocado pelo técnico André Jardine para representar a Seleção Olímpica no ciclo de Tóquio 2020.

    Thiago está afastado das atividades no Flamengo
    Thiago está afastado das atividades no Flamengo | Foto: Reprodução


    No embalo da lembrança de Thiago, seu Joel recordou os momentos de nervosismo que viveu quando o filho foi campeão olímpico. Afinal, a conquista veio da maneira mais emocionante possível: em uma disputa de pênaltis, contra a Alemanha, no Maracanã lotado.

    - Foi muito especial pra nós. Ver aqueles meninos conquistarem um feito inédito é algo que não tenho como explicar. É uma mistura de sentimentos bons que sinto até hoje quando lembro daquela conquista. E ver meu filho fazendo parte disso me deu a sensação de que eu também estava lá, de que participei disso, assim como cada brasileiro que torceu por eles - disse.

    O acervo de Thiago Maia fica justamente na casa do pai, que tem aproveitado os dias de quarentena para matar a saudade do filho. Mais do que um pai, Joel conta que tem sido também uma espécie de treinador para ele não perder o foco durante esse recesso.

    - É gratificante ficar com o Thiago. Gosto da companhia dele porque ele gosta de muitas coisas que eu gosto também. É um rapaz caseiro e que sabe aproveitar cada momento com a família. Tem treinado bastante neste período, já que eu fui professor de escolinha, todos os dias estamos em um campo cedido por um amigo para treinar - contou o pai.