Fonte: OpenWeather

    Dia do Goleiro


    Relembre a trajetória de Jonathan, o ‘paredão’ do Manaus FC

    Aos 27 anos, o goleiro do Gavião do Norte fala sobre a carreira no futebol, destaca partidas importantes com a camisa do tricampeão amazonense e fala da expectativa para o futuro

    O goleiro de 27 anos vive dias de glória com a camisa do Manaus FC | Foto: Reprodução/ @ismael_fotosesportivas

    Manaus - De andarilho pelo futebol amazonense a negociável, Jonathan Braga Queiroz, o "paredão" do Manaus FC, tornou-se um dos símbolos do time, que, em 2020, briga pelo acesso à Série B do Campeonato Brasileiro. Aos 27 anos, o goleiro abriu o jogo, em entrevista ao Portal Em Tempo em janeiro deste ano, sobre o início da carreira sem afinidade com os pés, os momentos difíceis nesses quase seis anos no Gavião do Norte e destacou também o que os torcedores podem esperar de sua performance em campo na Série C.

    Natural de Alvarães, cidade do interior do Amazonas (distante 531 km de Manaus) e inspirado nos tempos de ouro de Taffarel e Marcos, o goleiro Jonathan não esconde a falta de intimidade com a bola quando conheceu o futebol. 

    “Nas peladas eu era aquele ‘perna de pau’ de verdade, que a bola batia e ia pra outro lado. Como eu sempre sobrava, me jogavam para o gol. Daí para frente comecei a ter interesse pela posição, e estudei como o goleiro se vestia e como se posicionava. Fui trabalhando e já não sou mais tão ruim com os pés”, conta o goleiro em meio a risadas, durante a apresentação do elenco do Manaus FC para a temporada 2020, no início deste ano.

    Depois de passar por São Raimundo, Nacional e Iranduba, no Amazonas; Uberlândia e Rio Verde, em Minas Gerais, e Macaé, no Rio de Janeiro, ele se encontrou no Gavião do Norte. Já são quase seis temporadas defendendo a meta do atual tricampeão amazonense.

    Jonathan lembra que, no início com o futebol, não tinha muita habilidade com a bola nos pés
    Jonathan lembra que, no início com o futebol, não tinha muita habilidade com a bola nos pés | Foto: Reprodução/ @ismael_fotosesportivas

    Erros, acertos e aprendizados

    Dentre os momentos difíceis vividos ao longo dessa passagem, Jonathan afirma que a eliminação no Campeonato Brasileiro de 2018 foi dolorida, mas a atuação individual contra o Princesa do Solimões, em derrota por 2 a 1 no Campeonato Amazonense de 2015 foi a mais marcante. “Não me orgulho daquela partida. Decidi aprender e não cometer os mesmos erros”, afirma.

    Na ocasião, o goleiro falhou nos dois gols do Tubarão na segunda etapa e foi alvo de muitas críticas. Para lidar com elas? "Não abaixar a cabeça e sempre aprender com os erros", ressalta ele. E foi no triângulo mineiro, quando conheceu o técnico Welington Fajardo, que Jonathan pôde extrair o máximo de aprendizado.

    “A experiência de Uberlândia foi minha primeira passagem fora de Manaus. Lá, eu passei um ano completo e foi onde conheci o professor Fajardo, então considero minha passagem com mais aprendizados. Sempre saí por empréstimo, então tive contrato com os clubes daqui do Amazonas. Acho que esses contratos foram a única coisa que me fez voltar”, completa o goleiro.

    'Paredão'

    Com a volta de Uberlândia, em 2012, não se firmou na equipe principal dos times de Manaus, foi emprestado para diversos outros clubes até assumir o posto de “paredão” do Gavião do Norte. No Manaus, ajudou o time a chegar nas quartas de final da Série D do Brasileirão em 2018 e foi um dos símbolos na campanha do acesso, em 2019.

    “Meu melhor momento foi nas oitavas de final da Série D de 2018, no jogo contra o Rio Branco (AC). Pude defender três pênaltis e ajudar o time a chegar nas quartas, contra o Imperatriz (MA) - jogo que não conseguimos o acesso, mas foi o mais importante até agora na minha passagem pelo Gavião”, relembra.

    Depois de bater na trave em 2018, o Gavião do Norte soube manter o direcionamento do trabalho e, segundo Jonathan, não repetir os mesmos erros. A fórmula deu certo e o acesso à Série C veio em 2019, mesmo com a derrota na final para o Brusque (SC). Em uma nova divisão, com adversários mais bem estruturados, Jonathan alerta os torcedores para jogos difíceis.

    “O torcedor pode esperar muita dificuldade da Série C. Tive a oportunidade de disputar esse campeonato e o nível é altíssimo, totalmente diferente da série D. É mais simples subir para a Série B, mas essa simplicidade não se traduz em facilidade dentro de campo. São times com investimentos altos, com jogadores mais capacitados que os da Série D, disputando muito, e a torcida pode esperar grandes jogos”, promete o goleiro. 

    O goleiro diz que espera ganhar mais títulos pelo Manaus FC
    O goleiro diz que espera ganhar mais títulos pelo Manaus FC | Foto: Reprodução/ @ismael_fotosesportivas

    'Quase saída' e futuro no Norte

    Após o revés em 2018 pelo Campeonato Brasileiro, Jonathan foi em busca de novos ares e encontrou, no Sul do país, um concorrente para o Manaus FC. Na ocasião, o Juventus (SC) fez proposta pelo jogador, que chegou inclusive a sinalizar para a conclusão da transferência. 

    O "paredão" buscava outros desafios e acreditava que a passagem pelo Sul iria proporcionar isso. No entanto, diz que o Juventus fez promessas falsas, que posteriormente foram desmentidas por colegas de profissão, e se diz contente com a decisão de permanecer.

    "Tive conversas francas com a minha família e com o Manaus, que me convenceram a ficar. Eu estava encarando a ida para Santa Catarina como um avanço na minha carreira, mas, segundo meus amigos que estavam lá, não era o que prometiam pra gente. Ter ficado no Manaus foi a melhor decisão que eu pude tomar", diz ele.

    Além do Campeonato Amazonense (encerrado precocemente) e a Copa do Brasil, quando o time foi eliminado na segunda fase, o calendário competitivo do Manaus FC ainda inclui a Copa Verde e a Série C do Campeonato Brasileiro. 

    Jonathan não fecha as portas para mudanças no futuro, diz que a questão financeira é primordial para definir os próximos passos, mas garante que o pensamento é no Manaus. O clube garantiu o título do primeiro turno do campeonato estadual e caminhava para a conquista do tetra, quando a competição foi paralisada 

    "Não vou dizer que vou ficar no Manaus FC, até porque estou querendo me equilibrar financeiramente, então dependendo da proposta de um time de série B ou série A, vou ouvir. Qualquer jogador balança, mas estou focado no Manaus FC. Temos a Copa Verde, que pessoalmente estou querendo o título e, claro, o Brasileirão. Como todo amazonense, tenho o sonho de comemorar o acesso do time à Série B", finalizou o goleiro.