Fonte: OpenWeather

    Baseball


    Projeto da MLB aguarda cenário 100% seguro no Brasil para retornar

    Pandemia de covid-19 paralisou atividades do projeto social da Major League Baseball em Ibiúna, interior paulista

    Projeto Play Ball, em Ibiúna, já levou 16 jogadores para franquias da MLB
    Projeto Play Ball, em Ibiúna, já levou 16 jogadores para franquias da MLB | Foto: Divulgação/ Twitter @MLB

    O projeto de beisebol em Ibiúna (SP), que levou 16 jovens para jogar por franquias da Major League Baseball (MLB) - liga norte-americana, a mais importante no mundo - está paralisado desde 13 de março. Apesar do interesse de retorno, o consultor internacional da MLB no Brasil, Caio Parente, afirma que ainda não há um cenário "100% seguro" para o retorno, que segue sem previsão.

    "Hoje, consideramos que o estado de São Paulo, assim como algumas regiões do Brasil, ainda não apresentam esse índice de segurança. Podemos estar no platô, mas, o número de óbitos e novos casos ainda é muito grande e não podemos colocar em risco a vida das pessoas", diz.

    Com nome Academia MLB Brasil, o projeto é desenvolvido no Centro de Treinamento Yakult, da Confederação Brasileira de Beisebol e Softbol (CBBS), e reúne jovens de vários cantos do país, e mesmo do exterior. 

    "A pandemia é muito cíclica, ela se auto-regula, então não tem data ainda. Claro que, quando voltar, todos os protocolos da OMS [Organização Mundial de Saúde] e da Secretaria de Saúde do Estado serão adotados", completa.

    Os participantes que recebem bolsas de estudo - alimentícias e de moradia - além de serem treinados para, futuramente, integrar franquias da Liga. Para integrar o grupo, os meninos passam por seletivas, como a realizada em novembro passado. 

    Entre os atletas revelados, está o arremessador Eric Pardinho, jogador brasileiro mais caro da história da modalidade. Em 2017, Pardinho recebeu US$ 1,5 milhão - o equivalente na época a aproximadamente R$ 5 milhões - para assinar com o Toronto Blue Jays.

    Projeto em Ibiúna (SP), já revelou 16 atletas, contratados pela MLB, a liga mais importante no mundo - Caio Parente/Major League Baseball Brasil/Direitos reservados

    Segundo Parente, entre 13 e 20 de março, quatro dias antes da quarentena ser decretada no estado de São Paulo, os meninos brasileiros alojados na academia voltaram para suas casas. Já técnicos e atletas estrangeiros retornaram aos países de origem.

    A exceção foi Kevin Medina, venezuelano de 15 anos que decidiu ficar, já que sua família tem asilo e residência no Brasil. "Quando for o melhor momento, o mais seguro, o retorno será gradual.

    Vamos contatar as famílias, sentir se elas estão confortáveis com essa volta. Temos um protocolo pronto de testes para, ao menos, os profissionais envolvidos no complexo, da parte técnica, funcionários e atletas", garante o representante da liga norte-americana.