Fonte: OpenWeather

    Derrota


    Sabe que dia é hoje? Há seis anos Brasil perdia por 7 a 1 na Copa

    Seleção sofreu cinco gols da Alemanha somente no primeiro tempo

    Seleção entrava em campo sem Neymar, machucado ainda nas quartas de final
    Seleção entrava em campo sem Neymar, machucado ainda nas quartas de final | Foto: Rafael Ribeiro/CBF

    Um dia que muitos amantes de futebol preferem esquecer, mas que marcou a memória até mesmo daqueles que não acompanham o esporte. Oito de julho de 2014. Há seis anos, o Brasil era derrotado por 7 a 1 pela Alemanha, na semifinal da Copa do Mundo - realizada em solo brasileiro.

    Apesar de entrar em campo com uma sequência de vitórias na bagagem, o Brasil jogava sem um de seus principais atacantes. Neymar havia sofrido uma lesão nas quartas de final contra a Colômbia.

    Para lembrar a importância dele e - de certa forma - incentivar ainda mais time e torcida, os demais jogadores entraram em campo com a camisa de Neymar nas mãos. Porém, a iniciativa não surtiu efeito.

    A derrota

    Logo aos 11 minutos do primeiro tempo, sozinho na área, Thomas Müller abria o placar para o time alemão. Treze minutos depois, Klose pegava um rebote de seu próprio chute e marcava o segundo gol. Dali em diante foram mais três gols para a Alemanha somente na primeira fase da partida.

    No segundo tempo, os alemães fizeram mais dois gols e desperdiçaram outras chances de ampliar o placar. O Brasil apenas observava a Alemanha tocar a bola, enquanto na arquibancada - e em milhões de casas - os brasileiros se desmanchavam em lágrimas ao ver a maior goleada sofrida na história da Seleção.

    Sacramentando a derrota e mostrando que o Brasil ainda tinha um mínimo de força, Oscar diminuía a vergonha ao marcar o único gol brasileiro da semi, aos "45 do segundo tempo".

    Naquele dia, os 64 anos de espera dos torcedores pelo retorno da Copa do Mundo ao Brasil não significaram um presságio de vitória para a Seleção. 

    Leia Mais

    Mesmo com conquista da América, seleção encerra 2019 sob desconfiança