Fonte: OpenWeather

    Inclusão


    Federação de Jiu-Jitsu realiza seminário para deficientes em Manaus

    Evento gratuito acontece neste sábado (8) no Complexo Municipal de Educação Especial André Vidal de Araújo

    Seminário será ministrado por Ender Rodrigo Oliveira
    Seminário será ministrado por Ender Rodrigo Oliveira | Foto: Marcio Melo

    Manaus - A Federação Amazonense de Jiu-Jitsu Paradesportivo (FAJJP) irá realizar, neste sábado (8), o primeiro seminário para atletas portadores de deficiências físicas. O evento gratuito será aberto ao público com necessidades especiais, que sejam praticantes ou não da modalidade esportiva, e possui o objetivo de qualificar os atletas do jiu-jitsu paralímpico no Amazonas.

    O seminário começa às 9h e acontecerá no Complexo Municipal de Educação Especial André Vidal de Araújo, localizado na Rua Maceió, bairro Nossa Senhora das Graças, Zona Centro-Sul de Manaus.

    A estimativa é reunir cerca de 50 pessoas. Durante o evento, serão discutidos temas como superação, cuidados com a integridade física do atleta, atenção aos editais de competições divulgados pela federação, boas alternativas de defesa e ataque, posições adaptadas para a maioria dos praticantes, regras da federação e dicas para que os praticantes tenham um desempenho cada vez mais próximo do obtido por atletas de alto rendimento. 

    O curso será ministrado pelo engenheiro agrônomo Ender Rodrigo Oliveira. Ele é faixa preta há cinco anos e já foi campeão mundial, campeão amazonense e vice-campeão brasileiro.  

    O professor paratleta sofreu um acidente automobilístico em 2012. Ele precisou ser submetido a doze cirurgias, que tinham o objetivo de reconstruir a perna direita dele. Com o acidente, Ender perdeu os movimentos do pé e passou a competir como atleta paralímpico. 

    “Meu desejo é dar esperança a outras pessoas a saírem da depressão como eu saí. E a chave foi a prática do jiu-jitsu, que me deu esperança, confiança e títulos. Posso dizer que sou muito feliz comigo mesmo, com minha família, com meu trabalho e com esse esporte que me acompanha há muitos anos. Todos os dias dedico pelo menos quatro horas para aprender e ensinar o que eu sei, para ajudar pessoas que passam dificuldades, talvez as mesmas que eu tive há anos atrás”, relembra emocionado o professor.

    Para o presidente da Federação Amazonense, Jonatha Machado, a prática do jiu-jitsu deve ser difundida para um número maior de deficientes físicos do estado e precisa ser vista como forma de inclusão. 

    “Buscamos levar aos paratletas a oportunidade de deixar o estresse de lado, levar qualidade de vida e oportunidade de treinar para competir e representar o Amazonas”, Explica o presidente. 

    *Com informações da assessoria

    Leia mais: 

    William Thomas, diretor técnico do Santos, pede demissão