Aventura


De Manaus a Boa Vista, ciclistas encaram desafios da BR-174

Aventura durou sete dias, mas ciclistas afirmam que bagagem cultural e experiência valem por uma vida inteira

Três mulheres sete homens embarcaram nessa aventura
Três mulheres sete homens embarcaram nessa aventura | Foto: Arquivo Pessoal

Manaus - Um grupo de ciclistas amazonenses decidiu pedalar de Manaus a Boa Vista (RR). Devidamente uniformizados, usando equipamentos de proteção e com muita vontade de pedalar. Dez pessoas colocaram as mochilas nas costas e partiram sem medo. Mesmo diante dos desafios que enfrentaram na estrada, a equipe não perdeu o pique e encerraram a aventura de dez dias na última semana de agosto. Com o lema "Sai junto, chega junto", todos conseguiram ir e voltar em segurança.

O ciclista e sargento da Polícia Militar, Wederson Lima, 36 anos, fez parte dessa viagem. Para ele, falar sobre a prática do esporte é algo necessário para sociedade. Campeão, ele já participou de três edições do “X Terra” e venceu o torneio de duplas do Jandira, em 2019. Além da qualidade de vida que o ciclismo proporciona, Wederson afirma que pedalar traz saúde para o corpo e a mente e ainda funciona como uma válvula de escape.

“Pedalar só me trouxe coisas boas e essa viagem, realmente foi uma aventura. Uma experiência inesquecível para todos os envolvidos. É bem verdade que a prática dos esportes em nossa cidade precisa de um planejamento maior de mobilidade urbana. Pois, nossas rodovias não têm acostamento pavimentado, mas a satisfação em conseguir dia após dia superar os limites pessoais é incrível. Iniciei muitos amigos no ciclismo e hoje eles têm qualidade de vida e saúde. E isso para mim é maravilhoso, pois o ciclismo sempre foi um estilo de vida”, destacou o ciclista.

Mulheres no pedal

E quem disse que mulher não pedala? A autônoma Mary Peixoto, 51 anos, também viajou e contou sua experiência ao EM TEMPO. Na entrevista, ela falou sobre a união do grupo, explicou as dificuldades que enfrentou e falou sobre os projetos sociais feitos pelo grupo, que aproveitou para fazer boas ações pelo trajeto. 

Mary Peixoto participou da aventura e ficou feliz com a experiência
Mary Peixoto participou da aventura e ficou feliz com a experiência | Foto: Arquivo Pessoal

“Ficamos em muitos lugares enquanto viajávamos. À noite, visando nossa segurança e também conforto, parávamos em hotéis, mas nem sempre havia disponibilidade de hotel ou até mesmo vagas em pousadas. Em Jundiá, por exemplo, dormimos em uma unidade militar. Já em Petrolina, passamos a noite em uma escola. Como forma de agradecimento e cientes da nossa responsabilidade social, doamos à escola, vários galões de tinta e mais de uma centena de lâmpadas. A falta de infraestrutura mínima ao longo da BR torna-se um ponto negativo. Porém, ciclismo é esporte e lazer. Faz bem não somente para o meu corpo, mas para minha alma”, declarou Mary. 

Cuidados na prática

O ciclismo vai além de pegar uma bicicleta e sair pedalando por aí. Alguns cuidados devem ser tomados a fim de evitar lesões. As dores mais frequentes são na lombar, no joelho, na coluna cervical, no períneo, no ombro e nas mãos. O doutor Adriano Leonardi é ortopedista, especialista em joelho e mestre em traumatologia e ortopedia. Conhecido entre as celebridades do esporte, o médico possui um site em que explica sobre a prática de vários esportes, inclusive o ciclismo. 

Diante de sua experiência no mercado, com mais de 20 anos atuando na área, ele destaca os cuidados ao pedalar e faz um alerta sobre as quedas mais comuns. 

Os registros foram feitos pela própria equipe
Os registros foram feitos pela própria equipe | Foto: Arquivo Pessoal

“O ciclismo é um esporte com um número cada vez maior de adeptos. Atualmente, divide-se em quatro categorias: provas em estradas, provas em pistas, Mountain Bike (do qual, particularmente, sou praticante) e BMX. Em termos fisiológicos, o ciclismo é uma atividade aeróbica cíclica e desenvolve o status cardiovascular dos praticantes, sendo ainda na medicina esportiva um ótimo exercício para queima de gordura corporal e desenvolvimento de resistência, de força muscular das pernas, em treinamentos”, explicou o especialista. 

A postura é uma questão que deve ser levada a sério no esporte, afinal, uma posição errada pode acarretar sérias lesões. Adriano Leonardi cita alguns cuidados que devem ser tomados. 

“Uma postura errada pode levar a sobrecarga. Para se prevenir disso existe o “bike fit”, que ajusta a altura ideal do quadro, guidão e selim para a altura e biotipo do ciclista. Se seus músculos estabilizadores da bacia, pélvis e abdômen não são suficientemente fortes, sua parte inferior das costas cairá na bicicleta, causando tensão excessiva. Trabalhar o core, também tornara seu desempenho mais efetivo, pois suas pernas empurrarão os pedais de uma base mais forte”, disse o ortopedista.

Leia Mais: 

Ruínas de Paricatuba marcam a Belle Époque amazonense

Seas e Amazonas Energia realizam workshop sobre Tarifa Social

E-Sports: cenário ganha cada vez mais adeptos em Manaus