Fonte: OpenWeather

    O Adeus de uma lenda


    Anderson Silva se despede do UFC enfrentando Uriah Hall

    O atleta brasileiro é um dos maiores campeões da competição, mantendo o cinturão dos médios por sete anos seguidos

    Anderson defendeu o cinturão dos médios do UFC, por  sete anos, no sábado o atleta se despede da competição
    Anderson defendeu o cinturão dos médios do UFC, por sete anos, no sábado o atleta se despede da competição | Foto: UFC/Divulgação

    Manaus - Anderson Silva, o “Spider”, se despede do Ultimate Fighting Championship (UFC), neste sábado (31), em luta conta Uriah Hall. Anderson é considerado um dos maiores lutadores da história, sendo um dos recordistas em números de vitórias e defesas de Cinturão.

    O oponente de 31 anos da Jamaica é conhecido por ser muito perigoso, derrotando por nocaute 11 adversários, em 15 lutas.

    O atleta sabe que Anderson é uma das lendas do esporte e sabe da importância dele na história da competição.

    “O Anderson é uma lenda, estou empolgado para ir lá enfrentar o cara que eu cresci assistindo", declarou o lutador ao portal UOL.

    A ascensão da lenda 

    O esporte esteve presente desde muito cedo na vida da lenda brasileira, aos 10 anos começou no Taekwondo, graduando na faixa preta aos 18 anos. Outros esportes de luta também ajudaram a formar ás técnicas que no futuro seriam arrasadoras para os adversários.

    Aos 20 anos, “The Spider” foi aceito na academia de box do clube Corinthians, onde começou a treinar. Em 1997, deu início a sua carreira profissional aos 22 anos, competindo pelo Brasilian Freestyle Circuit, vencendo seu adversário ainda no primeiro round.

    A vitória atraiu olhares do mundo das lutas, todos queriam saber quem era o novato que tinha habilidades técnicas impressionantes. A movimentação e o tempo de reação para esquivar,  rendeu o apelido de “O Aranha”, lembrando o personagem de quadrinho ‘O Homem-Aranha’.

    A partir dali, Anderson fez várias apresentações e venceu diversos torneios, como o Shoot, em que foi campeão após derrotar o lutador Japonês, Hayato Sakurai, na categoria dos médios. Foi o primeiro cinturão em um evento importante de MMA.

    Em 2006, ele assinava contrato para treinar profissionalmente pelo UFC. O lutador brasileiro nocauteou o oponente, aos 49 segundos, do primeiro round, na estreia da competição.

    Durante a segunda luta pelo torneio, ele levantava o cinturão dos pesos médios do UFC, na categoria dos pesos médios, depois de derrotar Rich Fralkin. Uma vez detentor do cinturão, Anderson tornou-se recordista de vitórias consecutivas, vencendo 17 vezes, sendo dez defesas de cinturão.

    A baixa na carreira

    A invencibilidade continuou até 2013, onde foi derrotado por nocaute, por Chris Weidman. A esquiva do Aranha não foi suficiente para a velocidade de Weidman, que levou o cinturão. Em dezembro do mesmo ano, a revanche aconteceu, mas durante a luta, o brasileiro quebrou a perna, em um chute, perdendo por nocaute técnico.

    O atleta só voltou aos octógonos em 2015, vencendo, por decisão dos juízes, o duelo contra Nate Diaz. A decisão a favor dele foi revogada, por ter sido flagrado no exame antidoping.

    Na cinco lutas seguintes, Anderson venceu apenas uma, derrotando Derek Bruson e sendo vencido por Michael Bisping, Daniel Cormier, Israel Adesanya e Jared Canonnier.

    Apesar de estar se despedindo do UFC, Anderson Silva diz que pode ir para o Boxe. "Tudo é possível, pode ser que aconteça ou não (lutar boxe), vamos aguardar", comentou em entrevista coletiva à imprensa na quarta-feira (28). 

    Leia mais:

    Com acumulo de dívidas, Clube Atlético Rio Negro luta contra leilão 

    Judocas conquistam mais dois bronzes para o Brasil no Grand Slam 

    Com um a menos, Santos segura empate com Ceará pela Copa do Brasil