Atletas na política


Esportistas tentam vagas na política, mas não são eleitos

Os resultados não foram os esperados pelos atletas, que sonhavam com a possibilidade de muitos votos, baseados em seu reconhecimento no esporte

Os atletas não conseguiram votos suficientes para serem eleitos
Os atletas não conseguiram votos suficientes para serem eleitos | Foto: Reprodução

Neste domingo (15), os brasileiros foram às urnas para escolherem seus representantes, pelos próximos quatro anos, nas Câmaras Municipais e Prefeitura. Esportistas conhecidos no Brasil tentaram uma vaga na política usando a popularidade no esporte, mas não convenceram. 

Nomes como o ginasta Diego Hypólito e a velocista Maurren Maggi, medalhistas olímpicos, se candidataram para as vagas de vereadores nestas eleições, mas o resultado não correspondeu as expectativas. Diego obteve um pouco mais de três mil votos, e Maggi conseguiu cerca de seis mil, ambos não tiveram votos suficientes e receberam o cargo de suplentes. 

Em Manaus, o medalhista olímpico, no atletismo, Sandro Viana, filiado ao PP, recebeu 517 votos e não conseguiu alcançar o cargo de vereador.

No Rio de Janeiro, o maior ídolo da história do Vasco da Gama, Roberto Dinamite, recebeu 1.995 votos, ficando como suplente, ao final das eleições. 

O ex jogador da seleção brasileira de futebol, Marcelinho Carioca, obteve pouco mais de sete mil votos, menos eleitores apoiadores que em suas últimas campanhas políticas. 

Leia mais: 

Técnico Cuca recebe alta após se recuperar de Covid-19 

Leonardo Santos é o novo recordista nos 200 medley na ISL 

De Autazes para o mundo: Joana Quintelo, a guerreira nos tatames