Fonte: OpenWeather

    Morte de Maradona


    Médico de Maradona é acusado formalmente por homicídio culposo

    Luque terá de testemunhar perante o Ministério Público por suspeita de negligência médica nos últimos dias de vida do ex-jogador.

    Reuters/Action Images / Andrew Boyers/File Photo
    Reuters/Action Images / Andrew Boyers/File Photo | Foto:

    O médico do jogador argentino Diego Maradona, Leopoldo Luque,  foi acusado formalmente por homicídio culposo, quando não há intenção de matar. A informação foi publicada neste domingo (29) pelo jornal esportivo "Marca".

    A promotoria busca respostas para a suspeita de que Maradona não teve alta médica quando foi transferido de uma clínica, após ser operado de tumor na cabeça, para a casa onde morreu, em Tigre (30 km ao norte de Buenos Aires).

    De acordo com a publicação, um juiz também autorizou a busca na casa e na clínica do médico. Luque terá de testemunhar perante o Ministério Público por suspeita de negligência médica nos últimos dias de vida do ex-jogador.

    A justiça argentina investiga se houve negligência em torno da morte de Maradona. Os procuradores buscam determinar se o astro recebeu os cuidados necessários e quais foram as circunstâncias de suas últimas horas.

    Ambulância demorou

    Poucas horas depois de sua morte, Matías Morla, advogado e amigo de Maradona, denunciou na quinta-feira "que a ambulância demorou mais de meia hora para chegar à casa onde estava o [camisa] 10". Por isso, ele avisou que irá "até o fim" para esclarecer o ocorrido.

    Morla e parentes do ídolo argentino não foram à justiça em busca de esclarecimentos até agora, garantiu uma fonte judicial à AFP.

    "A investigação foi iniciada porque é uma pessoa que faleceu em casa e ninguém assinou a certidão de óbito. Não quer dizer que haja suspeitas de irregularidades, mas é isso que está sendo apurado", disse a fonte, que pediu anonimato.

    O campeão do mundo na Copa de 1986 no México morreu na quarta-feira aos 60 anos devido a um "edema agudo de pulmão e insuficiência cardíaca crônica". Maradona estava em casa, em um condomínio privado da cidade de Tigre, onde residia desde 11 de novembro, após ter recebido alta da clínica onde havia sido operado de um hematoma na cabeça seis dias antes.

    'Contradição em depoimento'

    "Temos que ver se cumpriram com seu dever ou se houve um relaxamento. A enfermeira [ que estava de plantão quando se constatou que o ídolo estava morto] relatou algo quando o procurador apareceu no dia da morte de Diego, posteriormente ampliou seu depoimento e, no final, foi à televisão dizer que lhe forçaram a falar, então há alguma contradição em seu depoimento", explicou à AFP o parente de Maradona que pediu anonimato.

    A procuradoria aguarda o resultado dos testes toxicológicos no corpo de Maradona. No âmbito da investigação em que trabalham três procuradores, foram solicitados seus prontuários médicos e os das câmeras do bairro onde morou seus últimos dias.

    Leia mais:

    Aglomerações e protestos contra a polícia marcam velório de Maradona

    Morte de Maradona dispara disputa por herança

    ornal Argentino informa morte de Maradona após mal súbito