Fonte: OpenWeather

    Olimpíadas


    Treinadora da Seleção Feminina analisa adversários nos Jogos de Tóquio

    Se por um lado as chinesas são velhas conhecidas do elenco brasileiro, holandesas e zambianas enfrentarão a Canarinho pela primeira vez em Olimpíadas

     

    A estreia do Brasil será no dia 21 de julho diante da China
    A estreia do Brasil será no dia 21 de julho diante da China | Foto: Mariana Sá / CBF

    A comandante da Canarinho, Pia Sundhage analisou as adversárias na caminhada pelo ouro olímpico, e projetou confrontos de diferentes estilos durante a primeira fase da competição. O Brasil enfrentará as seleções da China, Holanda e Zâmbia, no Grupo F da competição, nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

    A estreia do Brasil será no dia 21 de julho diante da China, em Miyagi. Na sequência, a Seleção encara a Holanda, no dia 24 de julho, também em Miyagi, e fecha a fase de grupos contra a Zâmbia, em Saitama, no dia 27 de julho. 

      "A China é uma seleção técnica, também um time duro, coeso e agressivo, elas se estão se preparando muito para essa competição. A Holanda jogou a final da Copa do Mundo, e sabemos que é um time muito bom, conhecemos todas as jogadoras porque já a vimos muitas vezes. Nesse tipo de partida, as jogadoras das pontas serão muito importantes tanto na defesa quanto no ataque. E por último, a Zâmbia, que não sabemos muito sobre o estilo ainda e, por esse motivo, é até melhor que não a enfrentaremos no primeiro jogo, e sim, na última partida. Assim, teremos a chance de saber um pouco mais sobre essa seleção africana, mas a minha experiência é que elas são sempre muito fortes, rápidas. Talvez não seja a equipe mais organizada taticamente, mas elas estão se preparando para algumas situações de uma contra uma e cruzamentos na área"  

    A sueca também analisou a preparação da Seleção Feminina para os Jogos Olímpicos e elogiou o período pré-olímpico, quando o Brasil terá a oportunidade de treinar com todo o elenco por algumas semanas antes da competição.

    Pia ressaltou que, por mais que a Seleção não tenha disputado jogos preparatórios na última Data FIFA, a concentração pré-competição será uma grande oportunidade para afinar o plano de jogo, ou melhor, o DNA brasileiro. 

      "Nós estamos tentando nos preparando o máximo possível e, como todos sabem, não estamos jogando tantos jogos com a China e a Holanda. Então, em relação aos jogos é um pouco incerto, mas teremos mais uma Data FIFA, e eu espero que tenhamos confrontos. E depois desse período, imagino que teremos uma melhor ideia da qualidade da equipe brasileira. Nós temos ótimos planos para o período pré-olímpico e isso fará a diferença, porque se você é um time coeso e tem uma plano de jogo, você quer trabalhar o seu DNA e, por isso, você precisa treinar muito. Teremos esse período antes das Olimpíadas, e estou muito feliz que esse plano é muito bom"  

    Quando se fala de Jogos Olímpicos, Pia tem um capítulo a parte na história da competição. A sueca esteve em todas as seis edições seja como jogadora, técnica ou parte da comissão técnica. Nesses 25 anos, observou de perto a evolução do futebol feminino e, projeta em sua sétima participação, um maior nível técnico e tática das equipes.

    *Com informações da CBF

    Leia mais:

    Com jejum de Libertadores desde 2013, Fluminense estreia contra o River

    Policial que ajudou no revezamento de tocha é infectado por Covid-19