Fonte: OpenWeather

    Basquete


    Como a NBA planeja voltar a ter torcida nas quadras ainda neste ano

    Experimentos têm sido feitos em algumas partidas, diante do aumento de vacinados no país

     

    | Foto: NeOnBrand

    Enquanto o Brasil patina em sua campanha de vacinação, com falta de imunizantes e escassez de matéria-prima na negociação com países produtores, como a China, os Estados Unidos imprimiram um ritmo acelerado e já imunizaram boa parte da população. Com uma gestão séria e comprometida, liderada pelo novo presidente do país, o democrata Joe Biden, as coisas na terra do Tio Sam começam a entrar nos eixos.

    Um exemplo disso é que começou na segunda-feira (19) a vacinação de norte-americanos acima de 16 anos em todos os estados do país, além da capital Washington. Em publicação em suas redes sociais, o presidente americano, Joe Biden, pediu que todos compareçam a postos de vacinação. “A partir de hoje, todo americano está apto a receber a vacina contra a Covid-19. Por você, pelos seus vizinhos, pela sua família. Por favor, vá se vacinar”,  disse via Twitter.

    Quando chegou à presidência, Biden tinha como objetivo aplicar 100 milhões de doses da vacina contra Covid-19 nos 100 primeiros dias do seu governo. A meta, no entanto, foi obtida já nos 58 primeiros dias de gestão. Então, o mandatário decidiu dobrar a meta e chegou a afirmar, no dia 6 de abril, que todos os americanos poderiam ser vacinados no dia 19. O sucesso na campanha de vacinação é grande e, com o ritmo atual, os EUA terão vacinado 70% de sua população em meados de junho. Em levantamento realizado em março, o índice de aprovação do atual presidente subiu quatro pontos percentuais em relação a janeiro.

    Os Estados Unidos já começaram a apresentar sinais de melhora, com redução da curva de mortes pela doença. Em 12 de janeiro, o país atingiu o pico de óbitos registrados em 24 horas: 4.476. Em 14 de abril, esse número foi de apenas 956. Atualmente, 40% da população já recebeu ao menos uma dose da vacina, e 25% já tomou duas doses.  Desde o início da pandemia, o país registrou mais de 31 milhões de casos do novo coronavírus e chegou a marca de 567 mil mortes.

    A situação, que já foi trágica para os EUA, começa a melhorar. Com isso, a vida começa a voltar ao normal. Enquanto as autoridades no Brasil discutem se o mais importante é salvar vidas ou salvar a economia, os norte-americanos já imprimem um novo ritmo às suas rotinas. Uma das coisas que estão voltando ao dia-dia do país é a presença em eventos esportivos, como a NBA, a maior liga de basquete do mundo.

    Enquanto a pandemia esteve no auge, muitos ginásios de equipes da NBA foram utilizados para atendimento médico e, mais recentemente, postos de vacinação. O arrefecimento da doença, no entanto, fez com que esses espaços pudessem ser utilizados novamente para a prática esportiva. Mais do que isso: eles poderão receber o público.

    A partir de agora, 21 times estão permitindo a participação limitada de torcedores com ingressos em suas respectivas arenas. Estão nesta lista times como Chicago Bulls, Dallas Mavericks, Miami Heat, Detroit Pistons, Denver Nuggets, Cleveland Cavaliers, entre outros. Todas essas equipes estão utilizando um número reduzido de assentos e práticas de segurança sanitária.

    Na terça-feira, por exemplo, parte da mídia no país acompanhou de perto a partida entre Sacramento Kings e Dallas Mavericks. O jogo marcou o retorno do público ao ginásio do Sacramento, após 405 dias sem a torcida acompanhando o time.

    Os Kings permitiram pouco mais de 10 por cento da capacidade no Golden 1, cerca de 1.600 fãs. Os adultos foram obrigados a trazer seu cartão de vacinação, ou pelo menos uma foto dele, ou um e-mail indicando um teste COVID-19 negativo que não poderia ter mais de 72 horas antes da partida.

    Segundo relatos da mídia norte-americana, havia restrições para alimentação e mesmo de locomoção. A ideia era que os torcedores evitassem qualquer tipo de aglomeração. Também ficaram mantidos alguns protocolos de segurança como a utilização de máscaras.

    No fim, o Sacramento Kings venceu o Dallas Mavericks por 121 a 107. O resultado, no entanto, foi o menos importante. Ainda que não seja como antes, a rotina na NBA parece voltar ao seu "novo normal."

    Fonte: Jornal Esportes

    Leia mais: 

    Copa do Mundo de ginástica artística é cancelada

    Neblina causou acidente que matou jogador da NBA, Kobe Bryant

    Seth Curry testa positivo para Covid-19 e causa preocupação na NBA