Fonte: OpenWeather

    Violência no esporte


    Defesa diz que jogador que chutou árbitro não teve intenção de matar

    O jogador virou notícia depois que um vídeo que mostra o momento da agressão grave

     

    O documento é assinado pelo advogado José Felipe Lucca
    O documento é assinado pelo advogado José Felipe Lucca | Foto: Reprodução

    A defesa do jogador William Ribeiro, do São Paulo-RS, divulgou uma nota nesta quarta-feira (6) em que afirma que o atleta "jamais assumiu o risco ou teve a intenção de matar o árbitro Rodrigo Crivellaro Dias da Costa".

    O documento é assinado pelo advogado José Felipe Lucca. O jogador virou notícia depois que um vídeo da partida do time dele contra o Guarani de Venâncio Aires (RS), pela Segunda Divisão do Campeonato Gaúcho, mostrou o atleta agredindo o árbitro após levar cartão amarelo.

    Nas imagens, William Ribeiro aparece chutando a cabeça do juiz Rodrigo Costa, que já estava caído. O árbitro desmaiou após a agressão.

      A partida foi interrompida depois do lance, e Rodrigo foi levado às pressas a um hospital do município de Venâncio Aires. O atleta saiu do campo detido pela Polícia Militar, e ficou preso até ter sua liberdade provisória concedida pela Justiça.  

    Na nota, a defesa afirma que "tem em suas convicções que o Tribunal de Justiça e a magistrada da Comarca de Venâncio Aires (RS) não irão reformar a decisão que concedeu a liberdade provisória, eis que não há nenhum elemento modificativo da condição [do jogador]".

    Capa do Vídeo
    | Autor: Reprodução
     

    Leia, abaixo, a nota na íntegra:

    "A defesa técnica do senhor William Cavalheiro Ribeiro vem, por meio desta nota à imprensa, esclarecer que o jogador jamais assumiu o risco ou teve a intenção de matar o árbitro Rodrigo Crivellaro Dias da Costa.

    Com relação à manutenção da liberdade do jogador William Cavalheiro Ribeiro, a defesa tem em suas convicções que o Tribunal de Justiça e a magistrada da Comarca de Venâncio Aires-RS não irão reformar a decisão que concedeu a liberdade provisória, eis que não há nenhum elemento modificativo da condição do senhor William Cavalheiro Ribeiro até a presente data.

    Assim sendo, a defesa aguarda o oferecimento da peça acusatória pelo Ministério Público para iniciar uma defesa efetiva com relação aos fatos a serem imputados pelo órgão ministerial.

    Por fim, o senhor William Cavalheiro Ribeiro coloca-se à disposição da Justiça para o esclarecimento dos fatos, além de comprometer-se ao comparecimento a todos os atos judiciais que se fizerem necessários para a resolução do feito."

    R7*

    Leia mais:

    Mulheres em torcidas do AM opinam sobre participações

    Tiroteios e execuções tiram a paz do esporte no AM

    Árbitro desmaia ao receber chute na cabeça de jogador