Famosos


Jornalista reclama de baile funk perto de casa: 'Porcaria e nojeira'

Carla Vilhena também fez uma comparação entre o funk e o rap: 'O funk pornô está a serviço do tráfico de drogas'

A jornalista Carla Vilhena, ex-Globo, discute com internautas após criticar baile funk | Foto: Divulgação

A jornalista Carla Vilhena usou as redes sociais, na noite desta segunda-feira, para reclamar de um baile funk que estava acontecendo perto de sua casa. Na postagem, ela chamou o gênero musical de "porcaria" e "nojeira". Ela também disse que o funk aliena os jovens e está a serviço do tráfico de drogas. 

"O baile funk fez silêncio um minuto, cheguei a temer que a terra tivesse tragado a todos; ledo engano, já voltou", disse a ex-apresentadora da TV Globo. "Inferno nos ouvidos, baile funk a todo volume. E quem tem que acordar cedo? Bem, pra que se preocupar com os trabalhadores, o bom mesmo é a tal 'manifestação cultural', que é como essa porcaria é chamada pelos pseudointelectuais", completou. 

A jornalista também fez uma comparação entre o funk e o rap. "O funk pornô está a serviço do tráfico de drogas. E dominou as comunidades pois traz a conveniente alienação dos jovens, contrariamente ao rap, que fazia pensar. O funk de podridão estimula um comportamento tão baixo dos jovens, que muitos só conseguem fazer aquilo sob efeito de drogas. Rap conscientiza, funk aliena. Por isso o tráfico baniu o rap", disse. 

Alguns internautas não gostaram das declarações feitas pela jornalista e disseram que ela não sabe do que está falando. Ela também foi chamada de "preconceituosa". "Você não entende nem de tráfico, nem de rap , nem de comportamento, nem de jovem, nem de consciência, nem de alienação, nem de pensamento!", disse uma pessoa. 

"A pessoa não pode reclamar do barulho e de ter seu legítimo sossego perturbado apenas, tem que cag*r seus preconceitos pela boca", reclamou outro internauta. "Acredito que você esteja se referindo à 'música' e ao pretenso 'cantor' quando fala em defecar pela boca. Perfeita definição. Desculpe apenas não usar o mesmo termo que você usou para 'defecar'. Sou um tanto preconceituosa contra a baixaria", rebateu a jornalista. 

Carla Vilhena encerrou a discussão em tom de ironia. "Minha mãe diz: 'detesto aqueles funks que dizem pra balançar a bundinha'. Balançar a bundinha? Mamys deve ter ouvido a festa junina da Emei", disse.

Leia mais:

Receba as principais notícias do Portal Em Tempo direto no Whatsapp. Clique aqui!

Record afasta jornalista Paulo Henrique Amorim do Domingo Espetacular

Madonna: Novo álbum é poderoso, trilíngue e absurdamente inovador