Fonte: OpenWeather

    Saúde


    Uso excessivo do celular pode causar problemas à saúde de crianças

    Uso do aparelho deve ser restringido para que problemas de visão, déficit de atenção e vícios não acometam a criança

    MARCIO MELO


    Manaus - Com o maior acesso a tecnologias, seja por meio de celulares, computadores e tablets, não é difícil encontrar pessoas que apresentam problemas de visão. Os artigos tão indispensáveis aos adultos estão presentes na vida das crianças e acendem um alerta aos pais. 

    Segundo a Pesquisa TIC Kids Online, do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic), divulgada no ano passado, mais de 88% das crianças, com idade entre 9 e 10 anos, possuem telefone celular. O levantamento aponta ainda que o uso excessivo do aparelho compromete seriamente o desenvolvimento da criança, causando vícios e déficit de atenção, e ainda pode causar doenças graves.

    A consultora Elane Cristina Araújo, de 42 anos, teve que ser mais rígida quanto ao uso de celulares pelo filho. Isso porque aos seis anos, ele já precisava usar óculos e estava com 3 graus de miopia em cada olho.

    MARCIO MELO


    “Tive que colocar regras. Restringi o uso de celular e computador. Agora ele só utiliza aos finais de semana”, relata.

    Segundo ela, o próprio oftalmologista do filho falou que a causa da miopia da criança era por causa do uso excessivo do celular.  “O último exame que ele fez, no ano passado, constata que a miopia não abaixou”, diz.

    Uso de tecnologia desde muito cedo

    O filho mais velho da coordenadora pedagógica, Danielle Martins, de 39 anos, tem estrabismo e miopia, no grau 1. Hoje, com 12 anos, ele continua usando os óculos.

    “A vista dele teve retrocesso em relação ao estrabismo. O médico falou que o uso do celular contribuía para isso”, conta.

    O garoto utiliza óculos desde os 6 anos. Ao longo dos anos, a coordenadora mudou os tratamentos e os tipos de lente, mas ela acredita que a principal causa do agravamento da doença tenha sido mesmo o uso excessivo do celular.   

    De acordo com ela, tanto o filho mais velho, quanto o de 10 anos, lidam com as tecnologias desde a infância. “Desde os três anos, ambos acessam o computador, como e-mail, jogos e outras coisas. Eles são bem antenados”, conta. 

    Porém, em 2018, ela teve que mudar de atitude, pois o desempenho escolar dos filhos não foi tão bom quanto o esperado. “Eles sempre foram muito focados nos estudos. Sempre tiveram boas notas. No ano passado, eles tiraram notas boas, mas elas podiam ter sido melhores”, informa.

    Por isso, ela restringiu o uso de todas as tecnologias para o final de semana. “Por eu ter permitido que eles tivessem Instagram e Facebook, isso demandou mais tempo ocioso deles”, fala. 

    O uso do celular deve ser saudável

    Segundo o neuropediatra Francisco Tussolini, após o surgimento do celular, foram desenvolvidos vários estudos em relação ao objeto.

    De acordo com o médico, especialistas em diversos países indicam que crianças, entre 5 e 13 anos de idade, não usem o celular mais do que 2 a 3 horas por dia. Já a Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda que as crianças abaixo de dois anos não deveriam usar o aparelho.

    Ele ressalta que todo uso de tecnologias deve ser feito de uma maneira saudável.

    “Nós temos que nos policiar. Temos muitas tecnologias só que são usadas indevidamente e acabam causando prejuízos enormes, principalmente, às crianças”, fala.

    Luz azul do celular faz mal?

    Para o profissional, as crianças não devem ir para os quartos com o celular. “A criança dorme menos porque os celulares emitem uma luz azul e essa luz, em contato com os mecanismos do cérebro, evita que seja produzida melatonina. Este é um hormônio que faz com que o ser humano durma”, explica.

    Outra recomendação é os pais combinem com o filho o horário limite para o uso do celular. O profissional pede que os pais não deixem o aparelho com o menor.

    “Se a criança entra no quarto com o celular, ela acaba tendo acesso”, fala.

    Para ele, reter o celular é a medida mais eficaz e educativa. “A criança tem que saber que isso é para o bem dela”, fala.  

    Francisco Tussolini disse que se as crianças utilizam muito o celular durante o dia, elas podem acabar apresentando prejuízo no desenvolvimento cognitivo e a capacidade de aprendizado é menor.

    “A memória imediata dela até que é razoável, mas depois ela não lembra nada”, fala.

    A responsabilidade de restrição ao uso do celular é familiar

    Tussolini fala que as crianças e adultos precisam saber lidar com o tempo gasto no celular e que os pais também sejam flexíveis.

    “Eu acho que fazer um jogo duro é ruim para o filho. Nós temos que andar de acordo como a sociedade anda. Também temos que avaliar o que o celular vai proporcionar de bom à criança. É preciso saber como impor limites aos pequenos quando o assunto é tecnologia”, fala.

    Segundo ele, se as regras forem claras, as tecnologias são usadas de uma maneira saudável.

    “Ficar de 30 a 40 minutos olhando o conteúdo, junto com a criança, e ao mesmo ensiná-la sobre o que está sendo visto, é bem educativo. Entretanto, se for para deixar apenas o celular na mão da criança, sem orientação, não vale a pena”, alerta.

    Os pais e os responsáveis têm que ter a capacidade de ajudar a criança. “Aquela família que acha que a escola deve ensinar tudo, está enganada. Sinto muito, a escola não vai conseguir”, fala. Para ele, a instituição educacional tem que complementar com a tecnologia, mas são os familiares que vão ajudar no desenvolvimento da criança.

    Crianças viciadas

    O neuropediatra fala que a reclamação e o choro de crianças nesse processo é comum, já que as crianças estão viciadas a usar o aparelho. A imposição de limites é a forma de prevenção mais eficaz e os pais e responsáveis precisam entender que diminuir o uso de celular para crianças é importante. Ele ressalta que, para isso, é necessário que a criança tenha outra atividade.

    “Se você tira o celular, tem que criar outra atividade que chame a atenção das crianças”, fala. Para o neuropediatra, os pais têm que assumir a responsabilidade de cuidar das crianças e parar de terceirizá-las ao enviá-las para creches ou deixá-los com cuidadores, por exemplo.  

     Acima de tudo, é preciso que o pai preste atenção ao seu filho e evite também usar o celular. Curtir mais a companhia da criança, com brincadeiras e conversas, pode ser uma ótima maneira de usufruir de bons momentos junto com elas.

    “Pais que desligam o celular, se ligam aos seus filhos. Pais que ligam o celular, se desligam dos seus filhos”, observa o profissional.

    Leia Mais 

    Sintomas não evidentes aumentam taxa de mortalidade por câncer renal

    Unhas artificiais, em gel ou acrílicas, trazem riscos?

    Crianças poderão desfrutar de colônias de férias em academia de Manaus